Pe. Bendito Mazeti › 12/07/2019

16º DOMINGO DO TEMPO COMUM ANO C – 21 de julho de 2019

“MARIA ESCOLHEU A MELHOR PARTE”

Imagem do site Pe. Paulo Ricardo

 

Leituras

         Gênesis 18,1-10: O Senhor apareceu a Abraão junto ao carvalho de Mambré.

         Salmo 14/15,2-5. Não solta a língua em calúnias.

         Colossenses 1,24-28: O mistério escondido durante séculos agora é revelado.

         Lucas 10,38-42: Marta recebeu Jesus em sua casa;

1- PONTO DE PARTIDA

Domingo de Marta e Maria. Neste 16º Domingo do Tempo Comum, vamos acompanhando Jesus em sua viagem para Jerusalém. No caminho, ele encontra com duas discípulas, Marta e Maria, que de maneira diferente oferecem a Jesus hospitalidade.

O patriarca Abraão também acolhe em sua casa, com generosidade e bondade, três homens.

Primeiro somos acolhidos por Deus e aprendemos Dele o sentido de acolher com o coração aberto. Depois oferecemos a Ele a nossa hospitalidade, estendendo-a para todas as pessoas. Acolher é sinal de fidelidade ao mandamento novo, sem fronteiras. Hospedar o outro é hospedar Cristo (cf. Mt 25,35-36).

2- REFLEXÃO BÍBLICA, EXEGÉTICA E LITÚRGICA

Contemplando os textos

Primeira leitura – Gênesis 18,1-10. O texto litúrgico confirma a aparição de Deus a Abraão e a visita misteriosa dos três personagens, que lhe anunciam a concepção de Isaac. Pela primeira vez se descreve uma aparição de Javé a Abraão sob forma humana (versículo 1).

Quem são esses “três homens”? Hebreus 12,2 e alguns Santos Padres os interpretam como anjos representando a divindade. Outros Santos Padres (Santo Hilário, Santo Ambrósio e Santo Agostinho…) e exegetas, a partir de Gênesis 19,1, preferem ver dois anjos acompanhando a Javé; tornou-se célebre a frase de Santo Hilário: “Abraão viu três e adorou um só”. Um terceiro grupo dos Santos padres vê neles três anjos como manifestação de Deus. Os mesmos antigos Padres da Igreja viram nisso uma antecipação, embora não consciente, da Santíssima Trindade, e nesta tradição se insere também o estupendo e singular “ícone de monge russo Andrei Rublev”. Neles Abraão percebeu uma presença divina, tanto que lhes chama “meu Senhor” (versículo 3), e também diante deles “prostrou-se por terra” (versículo 2).

A hospitalidade se radicava no direito de asilo: o chefe recebia o hóspede, garantindo-lhe alimento, cuidados e proteção durante três dias, mesmo com sacrifício; faltar com a hospitalidade seria um grande pecado. Pelo jeito o nômade Abraão devia ser rico e generoso, capaz de cumprir as normas da hospitalidade de hora: ir ao encontro, convidar a entrar, dar de comer. Enquanto os peregrinos tomam a refeição, Abraão fica “de pé” (versículo 8), numa atitude de discreta disponibilidade. O pagamento dos três foi anunciar-lhe o nascimento de novo filho, o legítimo, em sua velhice. Aos poucos Abraão foi dando conta do caráter sobrenatural da visita: é o que sugerem os versículos 27.30-32 e as expressões – “encontrar graça” e “vosso servo” (versículo 3).

Abraão, delicado e generoso, prestou três favores: – limpeza, isto é, lavar os pés (cf. 19,2; 24,32; 43,24; em Lucas 7,44 Jesus a reclama do fariseu), – alimento confortante e restaurador (uma refeição bem provida: pão/torta, cordeiro e leite/coalhada – típica do deserto), – e descanso à sombra de árvores. Abraão mesmo os servia mantendo-se de pé junto a eles – sinal de respeito – enquanto só aparentemente comiam. Podemos notar a condescendência divina nesta refeição misteriosa.

Em nenhuma outra página da Bíblia se fala do Deus que toma alimento juntamente com as pessoas. Pode-se ver nesta cena uma imagem do banquete eucarístico no qual Jesus, Deus feito homem, se senta à mesa com os cristãos.

O silêncio do Patriarca Abraão é sinal de fé, disponibilidade e adoração de um homem que confia na promessa do Senhor que ele reconheceu como o Senhor. Está aqui a raiz santa da fé do povo de Israel e do povo cristão.

Salmo responsorial – Salmo 14/15,2-3ab.3cd-4ab.5.  Trata-se de uma liturgia, à semelhança do Salmo 24, muito parecido com este. É também chamado de Salmo da porta. Trata-se, então, da liturgia da porta.

Este salmo é considerado uma liturgia de entrada no Templo de Jerusalém. Não era permitido entrar no Templo a qualquer hora; era preciso ser admitido por um sacerdote. Ao entrar no templo para a grande celebração litúrgica, o israelita consulta o sacerdote se pode entrar. O sacerdote responde com uma lista de condições que o homem deve cumprir para ter acesso à presença de Deus. O salmo mostra que a proximidade do Senhor não é apenas questão de ritual exterior; ela exige também um compromisso sincero.

O rosto de Deus. De acordo com o salmo, Deus mora no Templo de Jerusalém e aí recebe seus hóspedes. Mas é um Deus fortemente ligado às exigências do êxodo, quando Javé tirou os hebreus do Egito e a eles se aliou para que criassem na terra da promessa uma nova realidade, marcada pela igualdade, justiça e solidariedade. Neste salmo contemplemos o rosto de Deus como hospedeiro.

São mandamentos relacionados com o próximo. A pessoa humana é responsável na comunidade, e dentro dela participa no culto. Os enunciados são seis, e o sétimo é o resumo desta conduta.

Podemos recordar o sentido comunitário “eclesial” da confissão, como reconciliação com a comunidade da Igreja, antes de participar do ato central da celebração. A moral tem caráter marcadamente religioso e de culto.

Peçamos ao Senhor que nos converta totalmente e nos faça habitar em sua casa:

SENHOR, QUEM MORARÁ EM VOSSA CASA?

Segunda leitura – Colossenses 1,24-28. Paulo escreve à comunidade de Colossos respondendo às suas dificuldades no caminho da fé em Cristo. Faz isso a partir da realidade que ele mesmo sofre estando na prisão por causa do Evangelho.

O versículo fundamental do texto é o primeiro “alegro-me nos sofrimentos… dou cumprimento ao que falta das tribulações”. O contexto deste versículo é de pregação e ensinamento, não se trata de um versículo por acaso ou acidental, pois o sofrimento do qual Paulo fala é fruto e resultado de sua ação apostólica que não tinha nada de casual ou acidental. A “Alegria” de Paulo é porque, mesmo prisioneiro, pode fazer algo pela Igreja, é o Apostolado do Sofrimento.

O Apóstolo tem diante dos olhos o mistério da cruz: antes da de falar das riquezas insuspeitadas do Cristo ressuscitado, ele lembra sua fonte: a pobreza e as angústias do Calvário (cf. 2Coríntios 8,9; 13,4; Filipenses 2,5-8).

Encarregado de proclamar a salvação pela cruz, Paulo deve igualmente viver este mistério. Portanto, ele experimenta em seu corpo a fraqueza e a pobreza da cruz, a fim de que nele se desenvolvam o poder e a riqueza da ressurreição e que assim sua pregação seja mais acreditável (2Coríntios 13,3-4; 4,6-12).

Pelo fato de Cristo ter revelado a riqueza de Deus na pobreza da sua cruz, o Apóstolo aparece como um vaso de argila que carrega os mais ricos tesouros.

Aos olhos de Paulo, o sofrimento é santo porque Deus o viveu inserindo-se em nosso mundo, porque Cristo nada mais achou em nosso mundo a não ser a provação silenciosa para manifestar a face de Deus. Paulo sabe que a provação modela a face das pessoas à imagem de Deus.

Paulo alegra-se pelos sofrimentos e afadiga-se lutando. A fonte do poder afadigar-se lutando é a força de Cristo que age intensamente nele. Nos dois casos a alegria e a fadiga existem por causa do mesmo Cristo.

Paulo afirma-se ministro para anunciar em plenitude a palavra, não se trata de uma palavra qualquer, mas da Palavra de Deus. A missão principal do Apóstolo é anunciar, e a ela se seguirá o ensinamento; e anunciando e ensinando ele poderá “levar a bom termo a palavra”, isto é, o Mistério Escondido, Cristo, a esperança da Glória.

O Mistério Escondido desde séculos não é nenhuma comunicação exotérica ou ocultismo, mas a revelação de que em Cristo realiza-se a esperança de todas as pessoas. Este revelação está no centro do texto, como a Revelação-Cristo resta o centro da história das pessoas.

O sofrimento e o apostolado são duas realidades que à primeira vista não se tocam. No entanto o apostolado foi e será sempre motivo de sofrimento, devido à oposição do mundo, já manifestada contra Cristo (João 1,10; 7,7) e sucessivamente contra todos os seus seguidores (João 15,18-19). Na vida do cristão e da Igreja, o apostolado é uma necessidade e um dever.

Como toda nossa vida deve ser um constante viver o Cristianismo, também nos momentos de sofrimentos e de dor, devemos testemunhar a todos a profundidade de nossa fé. Assim o sofrimento adquire uma nova dimensão, torna-se motivo de alegria porque dá cumprimento ao que falta das tribulações de Cristo em favor da Igreja.

Evangelho – Lucas 10,38-42. A cena evangélica de Marta e Maria é das mais apreciadas, como podemos constatar na iconografia cristã. Talvez por que nesta história tão simples, um instantâneo doméstico em torno à presença de um hóspede, o leitor logo julga dimensões características e símbolo. Com efeito, a antiguidade cristã leu nesse episódio uma afirmação da superioridade da “vida contemplativa” frente à “vida ativa”, aqui representadas “tipicamente” nas pessoas de Marta e Maria (São Gregório Magno). Trata-se de relacionar devidamente os dois serviços essenciais numa comunidade cristã, o da Palavra e o da caridade para com o próximo.

A cena de Lucas sobre Marta e Maria tem evidentes contatos com a tradição de João. As duas irmãs devem ser as mesmas de João 11-12 (ressurreição de Lázaro e unção em Betânia).

“Marta” em aramaico significa senhora: é a dona-de-casa até já em seu nome, e tal “nome” em mentalidade bíblica, diz o “destino” (vocação/missão da pessoa. Essa “Marta” que hospeda um Jesus itinerante bem parece ter interessado nos tempos em que apóstolos itinerantes eram recebidos na casa de alguma senhora ativa colaboradora da ação missionária (cf. Atos 16,13s).

“Maria” 10,39, significa “ a excelsa”, a amada, elevada, sublime: até pelo seu “nome” já se está aqui antecipando tratar-se de quem “optou pela ‘parte’ boa-melhor” a juízo do Mestre na culminância do episódio (João 10,42). O assentar-se aos pés de um mestre configura a qualidade de ouvinte-discípulo (cf. Paulo aos pés de Gamaliel, Atos 23,3). Vê-se nisso algo de novo-evangélico e de Lucas, uma cristã promoção da mulher: no judaísmo um rabino jamais aceitava mulher por discípula (e, sintomaticamente, é em João que Jesus espanta seus discípulos por estar falando-ensinando a uma mulher, a “samaritana”: João 4,27).

Marta não só quer que Maria a ajude, mas quase censura Jesus por não estar percebendo a situação, e exige que Ele mande que Maria a ajude no “serviço” (diakonia), coisa que Jesus refutará. O termo para “ajudar” (synantilamb) também só ocorre, em todo o Novo Testamento, neste capítulo de Lucas e em Paulo (Romanos 8,6: contexto “espiritual” sobre “o que pedir”). O duplo vocativo “Marta, Marta” é entendido ora como carinhoso-compreensivo, que aponta Lucas 6,45, ora como tom de censura-advertência.

A resposta de Jesus “te preocupas com muitas coisas, mas só uma é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”. A parte de Maria tem realmente dimensões de eternidade. Aqui está o grande valor da escuta da Palavra (Lucas 11,27-28). Maria, do acolhimento e da atenção aos convidados. Trata-se aqui de uma repartição das tarefas domésticas, feita para assegurar ao máximo o conforto do convidado. Podemos também contemplar outros textos que falam daqueles que preferem escutar a Palavra e colocá-la em prática (Lucas 8,20). Isso não significa que Cristo prefere a contemplação e deixa em segundo plano a ação, mas sim que a atenção dada às realidades do Reino (muitas vezes representado como uma Palavra; cf. Lucas 8,11-15) não se pode deixar distrair por uma preocupação demasiada exclusiva com as realidades terrestres. Aliás, para Lucas, escutar nada tem de uma contemplação ociosa, mas culmina na “ação e na prática concreta e exigente” (Lucas 8,15).

Sem dúvida, Marta quis homenagear seu hóspede, apresentando-lhe uma cozinha refinada, mas esta intenção volta-se contra ela, e deve pedir o auxílio de sua irmã (versículo 40). O Senhor intervém para pedir-lhe que se preocupe menos com o alimento (um único prato é necessário: Versículo 42): “pouca coisa é necessária” (versículo 42a). Lucas dá muita importância a este ensinamento: não convém preocupar-se com os negócios do mundo, uma vez que o Reino está tão próximo (Lucas 12,22).

 

3- DA PALAVRA CELEBRADA AO COTIDIANO DA VIDA

Aprendemos dos personagens bíblicos, apresentados na Palavra de Deus dirigida a nós hoje, a “mística” da hospitalidade. “’Hospitalidade’ provém da palavra latina hospitalitate, que designa o ato de hospedar; hospedagem; a qualidade de hospitaleiro e, por extensão, o acolhimento afetuoso. […] Hóspede provém do latino hospes – a pessoa que se aloja temporariamente em casa alheia, visitante; hospite era o senhor do estrangeiro, do hospitem, do propriamente estrangeiro, da pessoa que vem de outra terra. Hospitalidade, como derivando do latino hospitalitas, é o ato de hospedar, de acolher afetuosamente, e de hospitatem, a qualidade, a disposição acolhedora de quem oferece hospedagem, de quem bem recebe hóspede”.

Hospitalidade é a capacidade de abertura e acolhimento ao que vem de fora, ao estranho, ao novo. A capacidade de hospedar nos proporciona um “estar com o outro”. A hospitalidade está na dimensão da gratuidade.

Na experiência de Abraão e das duas mulheres do Evangelho, o hóspede revela Deus. Num mundo como o nosso, onde o medo predomina, o isolamento e a privacidade estão cada vez mais dominantes, a hospitalidade é um desafio. Outro fator é a correria, o excesso de trabalho, de ocupações que absorvem a pessoa como um todo, não deixando tempo para o outro.

A hospitalidade é uma manifestação da capacidade de amar. O amor verdadeiro se exprime através de uma interação: o outro é recebido como próximo – o estranho é reconhecido como alguém que tem algo de precioso a nos dar. A hospitalidade cordial do outro pode ser um espaço para o restabelecimento de energias, de forças.

Jesus é o hóspede de Marta e Maria. Na casa delas há duas maneiras de hospitalidade. Marta se preocupa com os afazeres da casa, e Maria, aos pés do Mestre, numa atitude de discípula, escuta suas palavras. Jesus diz que Maria escolheu a melhor parte. Porém, é oportuno lembrar que a atitude de Maria não é incompatível com a de Marta. Lucas, em seu Evangelho (cf. 8,1-3), fala de um grupo de mulheres que seguiam Jesus juntamente com os Doze, prestando serviço, até mesmo “com os seus bens” como Marta. Estas permaneceram fiéis a Jesus na hora da cruz, até o fim. Assumiram o sepultamento de Jesus e testemunharam a ressurreição. Com certeza, elas haviam compreendido a “melhor parte”, embora a partir da simples posição de quem está encarregado apenas de servir.

Os exemplos de Abraão, Marta e Maria nos convidam à reflexão, à retomada de nossas opções, e nos chamam ao equilíbrio, a viver prazerosamente cada momento e a centrar nossa atenção no essencial.

Cada celebração litúrgica é uma ação de hospitalidade, na qual acolhemos Cristo. Sobretudo na liturgia da Palavra, vivenciamos a atitude de Maria aos pés de Jesus, e nos comprometemos a viver no cotidiano da vida o serviço aos irmãos, como Marta. São duas expressões de uma mesma opção fundamental, por Jesus e pelo seu Reino, que o Espírito de Deus vem confirmar e animar.

4- A PALAVRA SE FEZ CARNE E SE FAZ CELEBRAÇÃO

 

Hospedar o Deus-Conosco

Nós, cristãos, não estamos desamparados. Relacionamo-nos não só com um Deus que se dá a conhecer, mas com alguém que o faz aproximando-se de nós. A cada saudação “O Senhor esteja convosco” ousamos responder “Ele está no meio de nós”, ainda que a resposta original latina seja mais densa de significado: E com o teu Espírito!, isto é, assim como Ele – Deus – está em nós, assembléia, povo de Deus, esteja também em ti (o/a presidente) animando tua vida e se manifestando para nós. Somos “treinados”, portanto, para reconhecer e acolher em nós e entre nós a ação carinhosa de Deus, podendo observá-la ocorrer para além de nossos tempos, como decorrência de nossa convivência.

Deus se revela, portanto, como um visitante que se deixa hospedar. Em Jesus, realidade última e plena dessa Revelação ao longo do tempo, explicita-se essa proximidade, sobretudo para com aqueles que são objetos de desprezo.

Na liturgia, a experiência de acolhida do Mistério

 

A celebração da liturgia cristã nos educa. Saímos de nossas casas, nos reunimos em assembléia, ouvimos de Deus e partilhamos sua Palavra, alimentamo-nos do corpo e sangue sacramental de Cristo, formamos corpo e somos enviados para agir/viver em seu Nome: “glorificai a Deus com vossa vida… que o Senhor vos acompanhe!”

Sair na companhia de Deus, para os Santos Padres, significava apresentar ao mundo “Deus em nós”. Escreve Minúcio Felix (séc. II): “Mas que templo poderei construir a Deus, se o mundo inteiro, obra de suas mãos, não O pode conter?…Não será possível dedicar-lhe um templo no espírito e no fundo do coração?…São estes os nossos sacrifícios. É este o culto que nós prestamos a Deus e, para nós, é mais religioso aquele que é mais justo…em qualquer parte que nos encontremos, Deus não só está perto de nós, mas está em nós mesmos…Não só agimos sob o seu olhar, mas vivemos nele.”

5- LIGANDO A PALAVRA COM A AÇÃO EUCARÍSTICA

 

A atitude de hospitalidade perpassa toda a celebração litúrgica. Deus nos acolhe, nós acolhemos Deus. A iniciativa é sempre dele, que nos ama primeiro. Deus acolhe-nos a tal ponto que se encarna na nossa história, assume a condição humana, menos o pecado, de tal forma que é capaz de morrer por nós.

Todos os sinais sensíveis são espaço para o encontro com o senhor, que se faz presente na casa da Igreja, a comunidade reunida: o espaço, a palavra proclamada, o pão e vinho repartidos etc.

Na liturgia da Palavra, como Maria, a discípula, colocamo-nos aos pés do Mestre para ouvir a sua voz, escutar sua palavra. Nós acolhemos Cristo e ele nos acolhe como discípulas e discípulos. O prefácio IX do Tempo Comum reza: “Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças e bendizer-vos, Senhor, Pai santo, fonte da verdade e da vida, porque, neste domingo festivo, nos acolhestes em vossa casa. Hoje, vossa família, para escutar vossa Palavra e repartir o Pão consagrado, recorda a Ressurreição do Senhor, na esperança de ver o dia sem ocaso, quando a humanidade inteira repousará junto de vós. Então contemplaremos vossa face e louvaremos sem fim vossa misericórdia […].”

A hospitalidade implica também estar à mesa: ele está à nossa porta e bate; é preciso ouvir a sua voz e abrir; assim cearemos juntos (cf. antífona da comunhão). Não é comer por comer, mas partilhar da mesa implica partilhar, em nossa vida, do mesmo destino de Jesus Cristo. Para isso é necessário que ele nos ajude a nos despojarmos do velho homem para assumirmos uma vida nova (cf. oração pós-comunhão).

  1. ORIENTAÇÕES GERAIS

 

  1. O método da leitura orante auxilia muito na preparação da celebração. Seria bom que os membros da equipe e toda a assembléia criassem o hábito de praticar a leitura orante diariamente.
  1. E preciso cuidar da formação técnica, teológica e espiritual de todos os (as) ministros (as).
  1. A leitura contínua do Evangelho, harmonizada com a primeira leitura, tirado do Primeiro Testamento, dá a tônica da celebração e apresenta um itinerário de seguimento. Aí temos a espiritualidade a ser vivida durante a semana e a vida toda.

7- MÚSICA RITUAL

O canto é parte necessária e integrante da liturgia. Não é algo que vem de fora para animar ou enfeitar a liturgia. Por isso devemos cantar a liturgia e não cantar na liturgia. Os cantos e músicas, executados com atitude espiritual e, condizentes com cada domingo do Tempo Comum, ajudam a comunidade a penetrar no mistério celebrado. Portanto, não basta só saber que os cantos são do 16º Domingo do Tempo Comum, é preciso executá-los com atitude espiritual. A escolha dos cantos deve ser cuidadosa, para que a comunidade tenha o direito de cantar o mistério celebrado. Jamais os cantos devem ser escolhidos para satisfazer o ego de um grupo ou de um movimento ou de uma pastoral. Não devemos esquecer que toda liturgia é uma celebração da Igreja corpo de Cristo e não de um grupo, de uma pastoral ou de um movimento. Como a equipe de canto da sua paróquia executa os cantos durante o Tempo Comum? É com atitude espiritual?

A função da equipe de canto não é simplesmente cantar o que gosta, mas cantar o mistério da liturgia deste 16º Domingo do Tempo Comum, “cantar a liturgia”, e não “na liturgia”. Os cantos devem estar em sintonia com o ano litúrgico, com a Palavra proclamada e com o sacramento celebrado. Não devemos esquecer que a “equipe de canto” faz parte da equipe de liturgia.

Ensina a Instrução Geral do Missal Romano que o canto de abertura tem por objetivo, além de unir a assembléia, inseri-la no mistério celebrado (IGMR nº 47). Nesse sentido o Hinário Litúrgico III da CNBB nos oferece uma ótima opção, que estão gravados nos CDs Liturgia VI e XI e; Cantos de Abertura e Comunhão e Cantos de Abertura e Comunhão e Cantos de Abertura e Comunhão – As Mais Belas Parábolas.

 

  1. Canto de abertura. “Louvarei teu nome, Senhor, porque é bom” ( Salmo 53/54,6-8). “É Deus quem me abriga, o Senhor, quem sustenta a minha vida…”, melodia e estrofes iguais à faixa nº 19 – CD: Liturgia VI..

 

  1. Hino de louvor. “Glória a Deus nas alturas.” Vejam o CD: Tríduo Pascal I e II e também no CD: Festas Litúrgicas I; Partes fixas do Ordinário da Missa do Hinário Litúrgico III da CNBB e também a versão da CNBB musicado por Irmã Miria Reginaldo Veloso e outros compositores.

 

O Hino de Louvor, na versão original e mais antiga, é um hino cristológico, isto é, voltado para Cristo, que exprime o significado do amor do Pai agindo no Filho. O louvor, o bendito, a glória e a adoração ao Pai (primeira parte do Hino de Louvor) se desdobram no trabalho do Filho Único: tirar o pecado do mundo, exprimindo e imprimindo na história humana a compaixão do Pai. Lembremo-nos: o Hino de Louvor não se confunde com a “doxologia menor” (Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo). O Hino de Louvor encontra-se no Missal Romano em prosa ou nas publicações da CNBB versificado numa versão que facilita o canto da assembléia.

 

  1. Salmo responsorial 15/14. “Quem pode morar junto de Deus?” “Senhor, quem morará em vossa casa? Melodia e estrofes iguais à faixa nº 17 CD: Liturgia XI ou CD: Cantando os Salmos – Ano C, v. 2, melodia da faixa 10.

O Salmo responsorial é uma resposta que damos àquilo que ouvimos na primeira leitura. Isto mostra que o salmo é compromisso de vida e ele também atualiza e leitura para a comunidade celebrante. Primeira leitura, Palavra proposta e salmo Palavra resposta. Por isso deve ser cantado da Mesa da Palavra (Ambão) por ser Palavra de Deus. Valorizar bem o ministério do salmista.

  1. Aclamação ao Evangelho. “Santifica-nos na verdade; tua palavra é verdade” (João 17,17). Aleluia… Tua Palavra é verdade, verdade falaste, Senhor!”, melodia igual à faixa 19 do CD: Liturgia XI. O canto de aclamação ao evangelho acompanha os versos que estão no Lecionário Dominical.
  1. Apresentação dos dons. A escuta da Palavra e colocá-la em prática, deve gerar na assembléia a hospitalidade e a partilha para que ela possa ser sinal vivo do Senhor. Devemos ser oferenda com nossas oferendas. “A mesa santa que preparamos”, CD: Liturgia VI, melodia da faixa 23.
  1. Canto de comunhão. “Porém uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada” (Lucas 10,42). “Cristo está à porta e bate, para cear conosco” (Apocalipse 3,20). “Uma coisa é preciso, necessário é uma coisa só”; melodia e estrofes iguais à faixa 18 CD: Liturgia XI.

A Igreja oferece outras três opções: “Maria escolheu a parte melhor” CD: Cantos do Evangelho, v. 3, melodia da faixa 15 – Paulus. Cristo está sempre batendo à nossa porta e quer fazer refeição conosco. Nós somos felizes quando escutamos a Sua Palavra. Outra ótima opção para este Domingo é o canto “Procuro abrigo nos corações: de porta em porta desejo entrar”, Hinário Litúrgico III da CNBB, página 366. É um canto bem conhecido; “Eu sou o pão do amor vivo que desceu do céu”, CD: Cantos de Abertura e Comunhão – As Mais Belas Parábolas, melodia da faixa 13 – Paulus.

O canto de comunhão deve retomar o sentido do Evangelho de cada Domingo. Esta é a sua função ministerial. Na realidade, aquilo que se proclama no Evangelho nos é dado na Eucaristia, ou seja: é o Evangelho que nos dá o “tom” com o qual o Cristo se dirige a nós em cada celebração eucarística reforçando estes conteúdos bíblico-litúrgicos, garantindo ainda mais a unidade entre a mesa da Palavra e a mesa da Eucaristia. Isto significa que comungar o corpo e sangue de Cristo é compromisso com o Evangelho proclamado. Portanto, o mesmo Senhor que nos falou no Evangelho, nós o comungamos no pão e no vinho. É de se lamentar que muitas vezes são escolhidos cantos individualistas de acordo com a espiritualidade de certos movimentos, descaracterizando a missionariedade da liturgia. Toda liturgia é uma celebração da Igreja e não existem ritos para cada movimento e nem para cada pastoral.

 

8- O ESPAÇO CELEBRATIVO

  1. Mais do que nunca, neste Domingo preparar bem o espaço celebrativo, de modo que seja acolhedor, aconchegante. Ele deve ser à semelhança da casa de Marta e Maria.
  1. O lugar onde celebramos a Eucaristia é Casa da Igreja e antes disso é Casa da Palavra, pois é esta que, sacramentalmente, forja a comunidade dos cristãos. De certo modo, a construção de pedra é imagem da construção viva, isto é, o povo de Deus, da qual fala Paulo em suas cartas, que a Igreja, Corpo de Cristo. Neste sentido, é lugar de interlocução, de diálogo a partir das escrituras que são interpretadas pelos ritos. Assim, toda a celebração litúrgica é Palavra de Deus dirigida ao povo reunido. Mas também é resposta deste povo aos apelos que lhe são expressos.

9- PARA A ESÍRITUALIDADE PRESBITERAL

O presbítero é também ouvinte atento da Palavra de Deus. Por meio da Liturgia das Horas (oração das horas), sobretudo Ofício das Leituras, Laudes, Vésperas e Completas, ele se nutre da Palavra de Deus para oferecê-la aos outros. O exercício da leitura orante da Bíblia e a preparação da homilia dominical são imprescindíveis para a intimidade com Cristo Palavra Viva.

10- AÇÃO RITUAL

Se tiver alguém pela primeira vez na comunidade ou visitante, pedir que se apresente: nome, lugar de onde vem etc. Sem sombra de dúvida, a equipe de acolhida merece todo o realce neste domingo. Há muito tempo se insiste no fato de que uma boa acolhida é a melhor introdução na celebração do Mistério Pascal. É, já, reconhecimento no outro daquele Senhor que nos visita. A equipe de celebração prepare, junto aos que recebem os fiéis à porta do lugar onde a comunidade se reúne, uma acolhida que fuja às atitudes frias e mecânicas. Conserve-se o aperto das mãos, o abraço gratuito, o olhar que recebe e acolhe com um desejo sincero de “bom-dia! ou boa-noite!”, com um “seja bem-vindo, meu irmão, seja bem-vinda, minha irmã!”

Ritos Iniciais

  1. A primeira realidade que afirma a presença de Deus é a assembléia reunida em nome do Senhor. Ela é o primeiro sinal da presença de Deus. A saudação presidencial, preservada nos ritos iniciais, comunica este fato. É importante valorizar esse momento. Observe-se as várias fórmulas oferecidas pelo Missal Romano.
  1. Na saudação de quem preside, pode ser a tradicional fórmula paulina conforme 2Coríntios 13,14

A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco.

(Esta saudação, com simplicidade revela a assembléia como “morada” da Santíssima Trindade).

  1. Em seguida, dar o sentido litúrgico da celebração. O Missal deixa claro que o sentido litúrgico da celebração pode ser feito pelo presidente, pelo diácono ou outro ministro leigo/a devidamente preparado (Missal Romano página 390).
  1. O sentido litúrgico pode ser proposto, através das seguintes palavras, ou outras semelhantes:

Domingo de Marta e Maria. Recordamos, neste Domingo, o encontro de Jesus com as duas discípulas, Marta e Maria. Oferecemos a Ele a nossa hospitalidade e alegremo-nos, pois, em primeiro lugar, Ele nos acolhe e nos defende.

  1. Seria oportuno neste domingo após a saudação, o presidente convidar a todos a darem o abraço da paz no sentido de acolhida de acordo com o Evangelho.
  1. A recordação da vida pode ser o espaço ideal para manifestar os fatos marcantes como aniversários, bodas, momentos de dor e de luto, missa de 7º e 30º dia, etc. A lembrança pelos falecidos pode ser feita na Oração Eucarística (memento dos mortos) e as demais necessidades manifestadas nas preces. Hoje seria interessante dar uma palavra de conforto aos doentes presentes na celebração, dando-lhes ânimo e coragem.
  1. O Ato penitencial é um rito preparatório para a mesa da Palavra e da Eucaristia. Dito, de outra maneira, diante da hospitalidade divina, entramos com humildade no ambiente do seu mistério, reconhecendo a nossa condição de pecadores ao reconhecer a misericórdia de Deus.
  1. O Hino de Louvor (Glória) deve ser cantado solenemente por toda a assembléia. Deve-se estar atento na escolha dos cantos para o momento do glória. Ideal seria cantar o texto mesmo, tal como nos foi transmitido desde a antiguidade, que se encontra no Missal Romano, ou, pelo menos, o mesmo texto em linguagem mais adaptada para o nosso meio e também a versão da CNBB musicado por Irmã Miria e outros compositores (como já existe!). Evitem-se, portanto, os “glórinhas” trinitários! O hino de louvor (glória) não de caráter Trinitário e sim Cristológico. Cantar com vibração
  1. Na Oração do Dia supliquemos a Deus que é generoso para com todos que sejamos repletos de fé, esperança e caridade possamos cumprir a vontade do Pai.

 

Rito da Palavra

  1. Cada vez mais, cai em desuso os chamados “comentários” antes das leituras. Preferem-se as brevíssimas monições que exortam os fiéis para o acontecimento que se seguirá. São mais afetivos e introdutórios, do que informativos de qualquer conteúdo teológico ou catequético. Ouvir a Palavra é ficar com a melhor parte. No rito de proclamação das Leituras, Maria é a imagem da comunidade discípula que, aos pés do Senhor, escuta a sua Palavra. São, inclusive, dispensáveis, sendo preferível o silêncio ou um refrão meditativo que provoque na assembléia aquela atitude vigilante para a escuta e conseqüentemente acolhida da Palavra de Deus. Sugerimos, neste caso, antes de iniciar a Liturgia da Palavra, o refrão “Senhor que a tua Palavra”.
  1. As preces podem começar com o seguinte vocativo: Ó Deus, de quem ganhamos a amizade… (segue-se com a súplica). A expressão é retirada da primeira leitura. A resposta às preces pode ser: Caminha, conosco, Senhor. A melodia pode ser apreendida no site www.calbh.com.br.

 

Rito da Eucaristia

  1. Na Oração sobre o pão e o vinho suplicamos a Deus que santifique o nosso sacrifício para que os dons de cada um sirvam para a salvação de todos.
  1. Sugerimos o Prefácio dos Domingos do Tempo Comum IX, página 436 do Missal Romano com a Oração Eucarística II ou III. Esse texto relata a comunidade família de Deus que se reúne no Domingo para recordar a Ressurreição do Senhor para escutar a Palavra de Deus e e repartir o Pão consagrado. Seguindo esta lógica, cujo embolismo reza: “Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças e bendizer-vos, Senhor, Pai santo, fonte da verdade e da vida, porque, neste domingo festivo, nos acolhestes em vossa casa. “Hoje, vossa família, para escutar vossa Palavra e repartir o Pão consagrado, recorda a Ressurreição do Senhor, na esperança de ver o dia sem ocaso, quando a humanidade inteira repousará junto de vós”.. O grifo no texto identifica aqueles elementos em maior consonância com o Mistério celebrado neste Domingo e que pode ser aproveitado na celebração, ao modo de mistagogia. Recorde-se que para prefácios móveis, usam-se apenas as Orações Eucarísticas I, II e III. As demais não podem ter os prefácios substituídos sem grave prejuízo para a unidade teológica e literária da eucologia.
  1. Proclamar com vibração a ação de graças (Oração Eucarística). Na Oração Eucarística, “compete a quem preside, pelo seu tom de voz, pela atitude orante, pelos gestos, pelo semblante e pela autenticidade, elevar ao Pai o louvor e a oferenda pascal de todo o povo sacerdotal, por Cristo, no Espírito”.
  1. O Abraço da paz seja motivado com essas ou outras palavras: “Irmãs e irmãos, acolhendo-nos com alegria, abracemo-nos na paz de Cristo, desejando que essa paz se concretize entre nós”.
  1. Seria muito oportuno o convite à comunhão do Salmo 33,9 página 503 do Missal Romano, que expressa como Deus é bom:

“Provai e vede como o Senhor é bom; feliz de quem nele encontra seu refúgio”.

  1. O silêncio após a comunhão: concluída a comunhão eucarística, reservar um breve momento de silêncio.

Ritos Finais

  1. Na Oração depois da comunhão suplicamos que a Deus que fique conosco para que passemos a uma vida nova.
  1. Para confirmar a missão recebida, recordam-se os compromissos (os avisos, comunicações), propostos como expressões do envio. Portanto, feitos com objetividade, clareza e a devida motivação, para maior envolvimento da comunidade Evitem longos comentários sobre cada aviso.
  1. Na bênção em nome da Santíssima Trindade levem-se em conta as possibilidades que o Missal Romano oferece (bênçãos solenes, na oração sobre o povo). Ela expressa que a ação ritual se prolonga na vida cotidiana do povo em todas as suas dimensões, também políticas e sociais. Ver a bênção final do Tempo Comum III do Missal Romano.
  1. As palavras do rito de envio podem estar em consonância com o mistério celebrado: Praticai com amor a hospitalidade. Crescei na atenção e na escuta do Senhor. Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe.

11- CONSIDERAÇÕES FINAIS

A hospitalidade é uma das múltiplas manifestações da capacidade de amar. E o amor verdadeiro ultrapassa a prática concreta de ser útil aos irmãos e irmãs. Ele se exprime, sobretudo, através de uma relação em que o “outro” é recebido como “próximo”, em que o estranho é reconhecido como alguém que tem algo de precioso a nos dar. Em nossa relação com Deus acontece deste fenômeno surpreendente: quando acreditamos que O estamos acolhendo, de repente descobrimos que os hóspedes somos nós! São Paulo parece ter uma profunda consciência dessa realidade, e é o que ele exprime também na carta de hoje.

O objetivo da Igreja é ajudar os padres e as comunidades de nossa diocese e todas aquelas outras comunidades fora de nossa diocese que acessar nosso site celebrar melhor o mistério pascal de Cristo.

Um abraço fraterno a todos

Pe. Benedito Mazeti

Pe. Benedito Mazeti

Pe. Benedito Mazeti

Ver todos os posts
Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.