Artigos, Pe. Bendito Mazeti › 21/03/2019

3º DOMINGO DA QUARESMA – ANO C, 24 de março de 2019

“SE NÃO VOS CONVERTERDES, IREIS MORRER DO MESMO MODO”

 

Leituras

 

Êxodo 3,1-8a.13-15. O Deus de vossos pais enviou-me a vós.

Salmo 102/103,1-4.6-8.11. Pois ele te perdoa toda culpa.

1Coríntios 10,1-6.10.12. Quem julga estar de pé tome cuidado para não cair.

Lucas 13,13-9. Certo homem tinha uma figueira plantada em sua vinha.

 

Reprodução | Internet

 

 1- PONTO DE PARTIDA

Domingo da conversão do coração. Neste terceiro Domingo de nossa caminhada quaresmal, transfigurados descemos do Monte Tabor para o chão sofrido da vida cotidiana, realizando nosso êxodo pela conversão sincera e pelo incansável trabalho para que o Reino de Deus se manifeste em nossa terra. Reconheçamos a santidade do nosso Deus. Ele nos reúne de todas as nações e derrama sobre nós um espírito novo, conforme a sua promessa.

Mais do que nunca nossa conversão é uma necessidade imperiosa e urgente. A liturgia de hoje nos alerta e anima para esse passo decisivo rumo à Páscoa. Hoje a liturgia nos coloca diante do Deus misericordioso e paciente que, nesta Quaresma, novamente nos “dá um tempo” para nos convertermos ao Reino que Jesus veio inaugurar.

2- REFLEXÃO BÍBLICA, EXEGÉTICA E LITÚRGICA

Contemplando os textos

Primeira leitura – Êxodo 3,1-8a.13-15. O A primeira leitura relata o início da libertação do Egito. O povo hebreu vivia maltratado, perseguido, escravo no Egito, trabalhando na construção civil e na lavoura para enriquecer o país, e era muito maltratado e perseguido. Enquanto tomava conta do rebanho do sogro Jetro, Moisés ouviu, de dentro de uma sarça ardente, o chamado de Deus para libertar seu povo da escravidão do Egito, e, neste dia recebeu a revelação do nome de Deus e o chamado para servi-lo.

O fogo é uma teofania, que traduz a experiência da presença de Deus. Para as tribos nômades, o lugar de culto era sagrado e não podia ser tocado com “pés calçados”, conforme costumes trazidos do Egito. O local em que estava a sarça ardente deveria ser sagrado. Moisés, portanto, não podia se aproximar muito. É Deus quem se aproxima de seus escolhidos. Identifica-se com o Deus dos patriarcas, Deus que “vê, ouve, conhece” a situação sofrida de seu povo no Egito.

O clamor humano é a tomada de consciência da situação opressora. Expressa desejo, fé e esperança da libertação. Esse clamor liga-se à iniciativa de Deus de salvar seu povo em dois tempos: primeiro, libertar da escravidão e depois tirar da terra opressora e levar para uma terra fértil, “onde corre leite e mel”.

Deus é profundamente sensível aos sofrimentos do povo e toma a iniciativa de agir para libertá-lo. Deus atua por meio de Moisés, que deixa de ser pastor de ovelhas e passa a conduzir o povo através do deserto, à liberdade da terra prometida para se constituir como povo fiel ao Senhor.

No versículo 1 fala da montanha de Deus, Horeb. Todos os especialistas da Bíblia concordam em afirmar que o Horeb é o mesmo Sinai. Talvez Horeb seja mesmo o nome mais antigo. A palavra Horeb vem de uma raiz que significa região seca, desolada. A Palavra Sinai, tem sua origem pela proximidade do deserto de Sin.

Deus manifesta-se na forma de misteriosa de fogo que não consome a sarça. É bastante freqüente, no Primeiro Testamento, o fogo servir de manifestação de Deus. (cf. Gênesis 15,17; Êxodo 19,18; Deuteronômio 4,12; 2Reis 2,11; Isaias 6,6s; Daniel 7,10). No entanto o fogo é apenas um sinal.

No diálogo, Deus começa a se apresentar. Não é alguém que vem para aterrorizar, nem é uma nova divindade. É o Deus dos ancestrais do povo de Moisés, é o Deus da promessa. É o Deus da história. Deus não é alheio à história das pessoas, e especialmente não fica indiferente diante do sofrimento e da opressão. Ele toma a defesa dos fracos, dos que são escravizados e perseguidos. Mas Deus não faz isto diretamente. Ele busca intermediários, chama e envia pessoas que, em seu nome, tomam a si a tarefa de defender os fracos e libertar os oprimidos. E para isto garante a essas pessoas que Ele envia a sua presença.

Uma questão importante é o verbo como aparece no texto: “ele é”, “aquele que é”. Seria a enfatização da qualidade daquele que existe realmente, daquele que existe sempre. Em contraposição aos ídolos que nada são. Daí a forma verbal Javé. Então o sentido seria: “ele faz ser”. Deus é aquele que faz as coisas existirem Neste caso, o sentido do nome de Javé não seria uma definição de si mesmo como aquele que existe, mas como o Criador. Javé é verbo e não substantivo masculino. No antigo oriente conhecer o nome de alguém equivalia a ter poder sobre ele, Deus ao dizer “eu sou aquele que sou” não estaria dando o próprio nome, mas estaria dando como uma desculpa. As fórmulas “eu sou”, “ele é” indicariam a impossibilidade de definir Deus, de conhecer seu verdadeiro nome, e, em conseqüência a impossibilidade de ter qualquer domínio sobre Deus. Em outras palavras, seria a enfatização da transcendência divina. O importante é que Deus entra em diálogo com a pessoa humana, envia-o a auxiliar o irmão mais necessitado, toma a defesa do sofredor e do oprimido, e, nesta tarefa, garante a assistência de sua presença: “eu estarei contigo” (versículo 2). “Eu sou” significa presença permanente na história do povo!

Salmo responsorial 102/103,1-4.6-7.8.11. é um hino de louvor. Louva-se a Deus com todas as forças e por todos os benefícios concedidos a uma pessoa (versículos 1b-2) e a todo o povo (versículos 7-19).

O rosto de Deus neste salmo. As sete ações de Deus no primeiro momento (versículos 3-6), com seu eixo central (“amor e compaixão”), fornecem um retrato grandioso de Deus: perdoa, cura, redime da cova, coroa a vida de amor e compaixão, sacia, faz justiça e defende todos os oprimidos. É mais uma vez o aliado fiel.

É um Deus que faz história com seu povo (versículo 7), perdoando e sendo compassivo. O rosto do Pai é interessante. Compaixão é a mais preciosa qualidade de um pai. É também a maior característica de Deus. É o aliado compassivo que caminha com seu povo perdoando, pois foi Ele quem nos criou.

De Jesus se diz que “amou até o fim”, ou seja, até as últimas conseqüências (João 13,1). A compaixão é a Sua característica principal diante do sofrimento ou clamor das pessoas (Mateus 9,36; 14,14; 15,32; 20,34; Marcos 6,34; 8,2; Lucas 7,13). Jesus também perdoou pecados, curou doentes, ressuscitou mortos, saciou famintos, fez justiça e defendeu todos os oprimidos. Ensinou-nos a chamar Deus de Abbá, Paizinho. As parábolas da misericórdia (Lucas 15) ilustram bem quem é o Deus de Jesus Cristo e Pai de toda a humanidade.

Cantemos ao Senhor, porque é um Deus que sempre ouve o clamor dos fracos e sofredores.

O SENHOR É BONDOSO E COMPASSIVO.

Segunda leitura – 1Coríntios 10,1-6.10-12. Paulo faz um resumo dos principais acontecimentos do Êxodo à luz de Jesus Cristo, mostrando a importância destes fatos para a comunidade cristã que vive na etapa final da história que começou no Êxodo. Também para nós estes fatos são importantes.

Se Cristo não veio destruir a Lei, então não podemos renunciar à experiência do Primeiro Testamento (AT). Será fácil considerar tudo letra morta, difícil é distinguir o que permanece válido. Paulo, então, projeta sobre fatos do passado a perspectiva cristã.

Desse modo a passagem do mar, o maná, a água da rocha, a nuvem são prefigurações do que definitivamente aconteceria aos cristãos. A passagem do mar Vermelho assume o significado de um batismo realizado pela mediação de Moisés, que é a figura do Salvador (cf. Romanos 6,3-11; Gálatas 3,27s; João 1,17), Cristo, que levaria, qual novo Moisés, o povo a passar o mar da morte. Como Moisés levou o povo à salvação pela água, atravessando o mar, Cristo pelo batismo salva o povo. A união que havia entre Moisés e o povo acontece agora entre Cristo e o novo povo pelo batismo.

1Coríntios considera o maná e a água muito mais que um puro alimento natural, os qualifica de espiritual, não só quanto à origem, mas de modo que poderíamos falar de uma sacramentalidade presente naqueles dons do deserto, enquanto eles contribuíam para a  salvação dos israelitas, como hoje para os cristãos contribuem os sacramentos.

O Primeiro Testamento não é só história para atender a nossa curiosidade, ele tem valor imediato no agora, tem valor para os cristãos, e a experiência histórica por ser relatada é atual. O próprio Paulo, em sua simplicidade de pastor, inclui-se a si mesmo entre aqueles que podem não resistir à tentação de orgulho e cobiça. Os fatos, então são figuras do mistério cristão e exemplos do que não deve ser feito (versículos 6-11).

Evangelho – Lucas 13,1-9. Hoje o Evangelho traz um relato feito somente por Lucas, em 13,1-5: a matança de galileus comandada por Pilatos (que governou entre os anos de 26 a 36) durante a Páscoa e a morte de dezoito trabalhadores na torre de Siloé. A história narra várias intervenções sangrentas de Pilatos em Jerusalém. Jesus está a par das notícias. O que acontece por trás é um fato social – a insurreição de um grupo de galileus – e uma catástrofe natural – a queda da torre de Siloé. Esses acontecimentos eram considerados castigo de Deus infligido a pecadores. Mas os verdadeiros culpados, os chefes do sistema opressor, não recebiam castigos nem tinham prejuízo.

Jesus não aceita a interpretação simplista da culpa de quem morreu. É preciso saber ler o que está por trás das ocorrências. Jesus chama ao discernimento social, histórico e econômico dos fatos atuais e convida à conversão. Todos têm responsabilidade pelo que acontece.

A segunda parte do texto é a parábola da figueira estéril. O dono da vinha procurou por frutos durante três anos e nada encontrou. Conclusão: a figueira estava esgotando a terra. Para que ocupar o lugar inutilmente? O vinhateiro sugere esperar mais um ano e propõe-se a cuidar de forma especial da figueira. O trabalhador que zela pela figueira é a figura do próprio Jesus, que pede pelo seu povo e protege-o. Ele é o Redentor, que luta pela vida, empenha-se na libertação de seu povo e resgata-o de suas misérias e escravidões.

Lucas é o único dos Evangelhos Sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) que usa o verbo katargein (tornar um terreno estéril; esgotar o chão; sugar as forças e reservas vitais dele para não produzir). Lucas transforma o episódio numa parábola da paciência de e numa chamada à conversão.

Na parábola, é dado um novo prazo, uma nova chance para a figueira. Não é um tempo longo ou indefinido. Jesus não diz se o dono da vinha aceitou a proposta ou não. Em Jr 29,17 lemos uma profecia contra aqueles que não produzem frutos: “Eis que lhes vou enviar a espada, a fome e a peste; e os farei semelhantes a figos podres que não podem ser comidos, de tão ruim que são”.

  1. DA PALAVRA CELEBRADA AO COTIDIANO DA VIDA

Hoje, a Palavra de Deus nos alerta sobre os sinais dos tempos, vindos de catástrofes da natureza e acontecimentos sociais, políticos e econômicos. A palavra de ordem de nosso Senhor é necessidade da conversão.

Os dezoito trabalhadores na torre de Siloé tiveram uma morte trágica. O povo logo interpretou que morreram por castigo de Deus. Jesus questiona esse entendimento: a culpa era do pecado do pobre trabalhador ou faltou que os patrões dessem condições mínimas de segurança para o trabalho? É castigo de Deus ou desrespeito à vida e ganância do patrão?

Outro acontecimento foi um dos massacres que Pilatos empreendeu em Jerusalém. O domínio estrangeiro estragou toda a vida do povo, tirando-lhe os direitos fundamentais. Jesus alerta-nos quanto à ingenuidade de aceitar as interpretações dos grandes, que, em geral, culpam o povo, especialmente os mais pobres. É preciso ter em mente que as catástrofes não são castigos, mas lembretes! E não adianta pertencer ao grupo dos “eleitos” – os judeus no deserto, os fariseus do tempo de Jesus, ou os “bons cristãos” hoje. O negócio é converte-se! Pois cada um descobre algo a endireitar, quando se coloca diante da face de Deus. Ou melhor, em tudo o que fazemos e somos, mesmo em nossas ações e atitudes mais dignas de louvor, descobrimos os traços de nosso egoísmo e falta de amor, quando nos expomos à luz da “sarça ardente”. Só Deus é Santo. Por isso, todos nós devemos converter-nos, sempre.

Deus age a favor de seu povo oprimido e excluído, através de pessoas sensíveis, solidárias e comprometidas. Gente que ouve o clamor dos empobrecidos e, muitas vezes, abandona seus privilégios, “troca de sandálias” e põe-se na caminhada com os preferidos de Deus. Toda a história da salvação que Deus viveu com seu povo aponta o Messias e sua proposta de nova aliança, e exige de nós uma resposta de fé e bons frutos, concretizada na caridade fraterna.

Na liturgia de hoje, aprendemos que cabe à comunidade cristã viver o projeto de Deus, com uma vida cheia de frutos do Reino. Então, nesse tempo quaresmal, somos convidados a ampliar o horizonte de esperança dos pobres e oprimidos. Isso se torna possível quando manifestamos a solidariedade de Deus na nossa solidariedade, não permitindo que a “árvore” de nossa vida se torne estéril, uma vez que ela é sempre adubada pela bondade divina.

Deus quer ouvir hoje o clamor do povo com nossos ouvidos, a atender mediante o nosso compromisso cristão. Então, no nosso cotidiano, é preciso descobrir quais são os frutos que Deus, pacientemente, espera de nós. Em nosso tempo, tragédias também  acontecem, sejam naturais, como os terremotos p. ex., sejam as de ordem acidental, como os tantos desastres, nas suas diversas formas. O importante não é saber “porque” acontecem, mas o que Deus espera de nós quando tais tragédias acontecem. É certo pensar que Deus quer nos ver solidários com as vítimas de tais acontecimentos, longe de pré-julgamentos, lembrando-nos de que Ele é sempre o Deus da vida.

Nota-se que hoje nos preocupamos com o vazio de nossas igrejas e a conseqüente busca de outras, principalmente das seitas. Antes e nos preocuparmos com o “porque” de tal fato, deveríamos verificar se nossas comunidades estão dando os frutos de que o povo precisa ou se estão tornando árvores infrutíferas. De tudo que foi objeto de nossa reflexão e tentando uma síntese da liturgia de hoje, podemos perguntar:

– Nesse tempo quaresmal, o que nossa comunidade poderá fazer no que concerne à causa dos pobres e oprimidos?

– Quais são os frutos que Deus espera, pacientemente, colher de nossa vida?

Quaresma é tempo de conversão, de retorno ao projeto de Deus. Temos consciência de que somos a figueira para a qual Jesus pede tempo, que somos pecadores e temos de converter, “tirar as sandálias” dos pés, vencer a ingenuidade e saber ler os sinais dos tempos?

Nisto consiste a boa nova deste Evangelho de hoje. Deus, em Jesus, sempre nos dá uma última chance. A Quaresma é o tempo da paciência de Deus, é o tempo de que Ele nos dá para que possamos produzir frutos de justiça e amor verdadeiro. Que Ele nos tire do comodismo e coloque em nós o fervor do seu Espírito.

4- A PALAVRA SE FEZ CARME E SE FAZ CELEBRAÇÃO

Para celebrarmos dignamente os santos mistérios, a liturgia coloca nos ritos iniciais da celebração eucarística o Ato penitencial. Nesse rito, nós nos colocamos diante de Deus, não enumerando pecados, pois não se trata de confissão sacramental, mas confessando a misericórdia divina, que é infinita. Por si mesmo, o rito revela a nossa condição de pecadores.

Por muito expressivas que sejam as monições e textos sugeridos para o Ato Penitencial, deve-se valorizar sempre o rito do “Asperges” por causa de sua relação com o nosso Batismo. Mesmo sem eficácia sacramental, a objetividade litúrgica do Ato Penitencial é despertar em nós o sentido e o desejo de conversão, como ensina Jesus no evangelho de hoje.

Vida Cristã, sempre um novo êxodo

 

Celebramos a Eucaristia, sempre celebramos um novo êxodo, pois passamos da morte para a vida. E a vida cristã, que deve ser vida de comunhão, na prática do amor e da justiça, deve buscar sua força na Eucaristia, que é o seu viático, “o remédio ou o elixir da imortalidade”, nas palavras de Santo Inácio de Antioquia.

Na Quaresma nos é dado celebrar um tempo de graça e de salvação, para renovar nosso coração na santidade, excluindo dele todo apego e paixões desordenadas. E se Deus se revela, na sua santidade num fogo devorador, é porque exige de nós pureza de coração e mudança de vida. É preciso, portanto, deixar-nos queimar no fogo purificador de Deus.

Tornar-nos um só corpo no amor

A Eucaristia alimenta em nós o desejo de nos colocar à luz da “sarça ardente”, não com os impulsos da curiosidade humana, mas sedentos do “fogo abrasador” de Deus, que não se extingue, para queimar em nós todo o egoísmo, abrindo-nos para a vida verdadeiramente fraterna. Assim, toda a ritualidade litúrgica da Eucaristia se converte para esse fim, tornando-nos um só corpo com Cristo, um só coração e um só espírito, como pedimos na Oração Eucarística (invocação [em grego = epiclese] sobre os comungantes).

5- LIGANDO A PALAVRA COM A AÇÃO EUCARÍSTICA

Como pobres e pecadores, prostramo-nos diante da face de Deus e ouvimos seu insistente apelo de conversão e vida nova.

Nossa fé cristã afirma que a Igreja, o povo de Deus convocado, faz a Eucaristia e que a Eucaristia faz a Igreja. Cada vez que celebramos a Eucaristia está se reconstituindo, se reconstruindo. Volta e encontrar seu centro, que é dar a vida. Dispõe-se a se entregar para os outros e, assim, se reconstitui como povo que tem uma missão no meio dos pobres. É a decisão renovada de dar a vida nas lutas humanas e nos projetos humanos que transforma este mundo. É povo que se transforma em presença real de Cristo que se entregou por amor. É a conseqüência do “Amém” proclamado ao comungar.

Na ação eucarística, humildes e agradecidos reconhecemos os inúmeros benefícios que seu amor paciente nos dá a cada dia. Oferecemos ao Pai nossa vida, acolhendo a chance que ele, amorosamente, mais uma vez nos dá de produzirmos frutos de paz, justiça e fraternidade, em comunhão com Cristo, sobretudo em relação à vida econômica de nosso país.

Saciados pela Palavra e pelo pão, suplicamos o auxílio de Deus para permanecermos fiéis ao seu projeto de salvação e vida plena, com atenção especial ao resgate da Amazônia como realização da Páscoa entre nós.

  1. ORIENTAÇÕES GERAIS

  1. Quando lemos e interpretamos as Sagradas Escrituras na Missa é o próprio Cristo que fala (cf. SC,7). A força sacramental da Palavra na liturgia faz acontecer aquilo que anuncia; realiza nossa transformação pascal. Na liturgia da Palavra, Cristo está realmente presente e atuante no Espírito Santo.

  1. À preparação espiritual se alia a preparação corporal: postura do corpo, tom de voz, semblante, a maneira de aproximar-se da mesa da Palavra, as vestes dos ministros…

  1. Nem pelo tom de voz nem de qualquer outra maneira se isole a narrativa da última ceia do resto da oração eucarística, como se fosse uma peça à parte. Não se deter na elevação do pão e do cálice, pois o centro da Oração Eucarística não é a presença real de Cristo na Eucaristia, mas a ação de graças dirigida em adoração ao Pai.

  1. Um erro grave nas celebrações da eucaristia é a distribuição da comunhão do sacrário como prática normal. Assim pecamos contra toda a dinâmica da ceia eucarística, que consta da preparação das oferendas, da ação de graças, sobre os dons trazidos, da fração Fo pão consagrado e da distribuição àqueles que, com a oblação deste pão, se oferecem a si mesmos com Jesus ao Pai (cf. IGMR 56 h).

  1. Na época em que foi preparado o Lecionário Dominical, diversos peritos julgavam que, para a Quaresma, seria suficiente só o ciclo A, porque seu alcance doutrinal é fundamental. Mas prevaleceu o parecer dos biblistas. Afinal chegou-se a uma decisão equilibrada. Nas comunidades onde há adultos que se preparam para os sacramentos da iniciação cristã (Batismo, Eucaristia e Crisma) na noite da Páscoa, deve-se utilizar o Ciclo A, o qual, no entanto, quando se julgar oportuno, pode ser usado sempre como indica o próprio Lecionário Dominical, nas páginas 438, 442, 446, 752, 756 e 760. Mas, onde não houver adultos preparando-se para os sacramentos, poderão ser usadas, as leituras do Ciclo C. Outra opção é trabalhar as leituras do Ano A nos encontros com adultos na catequese.

  1. MÚSICA RITUAL

O canto é parte necessária e integrante da liturgia. Não é algo que vem de fora para animar ou enfeitar a liturgia. Por isso devemos cantar a liturgia e não cantar na liturgia. Os cantos e músicas, executados com atitude espiritual e, condizentes com cada domingo da Quaresma, ajudam a comunidade a penetrar no mistério celebrado. Portanto, não basta só saber que os cantos são da Quaresma, é preciso executá-los com atitude espiritual. A escolha dos cantos deve ser cuidadosa, para que a comunidade tenha o direito de cantar o mistério celebrado. Jamais os cantos devem ser escolhidos para satisfazer o ego de um grupo ou de um movimento ou de uma pastoral. Não devemos esquecer que toda liturgia é uma celebração da Igreja corpo de Cristo e não de um grupo, de uma pastoral ou de um movimento.

Ensina a Instrução Geral do Missal Romano que o canto de abertura tem por objetivo, além de unir a assembléia, inseri-la no mistério celebrado (IGMR nº 47). Nesse sentido o Hinário Litúrgico II da CNBB e o Ofício Divino das Comunidades nos oferecem uma ótima opção, que estão gravados nos CDs Liturgia XIII, XIV e CD: CF-2019.

1- Canto de abertura. “Tenho os olhos sempre fixos no Senhor”, (Salmo 24/25,15-16 / Ezequiel 36,23-26) Conversão, purificação e reunião escatológica do povo. Sem dúvida, um canto de abertura condizente com o mistério celebrado e poderá cooperar para que a assembléia seja nele inserido é na procissão de entrada neste 3º Domingo, entoar um canto que expresse nossa caminhada de conversão. O canto mais indicado é: “No dia em que minha santidade”, CD: CF-2019, melodia da faixa 4.

“Senhor, eis aqui o teu povo”, CD: Liturgia XIII, melodia da faixa 1, Quaresma Ano A.

Outra opção interessante é o canto “Ah, se o povo de Deus no Senhor cresse”, CD: Liturgia XIV, melodia da faixa 14.

2- Canto durante a aspersão. “Piedade, ó Senhor, tende piedade”, CD: Liturgia XIII, melodia da faixa 2; “Lavai-me, Senhor, lavai-me”, CD: CF 2004, melodia da faixa 5.

3- Salmo responsorial 102/103. A justiça de Deus é força e misericórdia. “O Senhor é bondoso e compassivo”, CD: Cantando os Salmos – Ano C, melodia da faixa 16 ou CD: Liturgia XIV, melodia da faixa 15.

4- Aclamação ao Evangelho. Convertei-vos: o Reino de Deus está próximo (Mateus 4,17). “Jesus Cristo, sois bendito, o ungido de Deus Pai!” CD: CF-2019, melodia da faixa 11

Outra opção é o canto: “Honra, glória poder e louvor, a Jesus nosso Deus e Senhor… Convertei-vos, nos diz o Senhor”, CD: CF-2019, melodia da faixa 11 ou Liturgia XIV, melodia da faixa 12.

Na Idade Média, era costume o povo responder ao sermão (hoje homilia) com o canto de “Kyrie Eleison!”. Houve, no passado, pregadores famosos, que deixavam o povo cantar cânticos no início ou no fim do seu sermão. Se for possível, pode entoar o Hino da Campanha da Fraternidade desse ano.

5- Apresentação dos dons: O canto de apresentação das oferendas, conforme orientamos em outras ocasiões, não necessita versar sobre pão e vinho. Seu tema é o mistério que se celebra acontecendo na fraternidade da Igreja reunida em oração na Quaresma. O canto mais apropriado para hoje é o canto: “Nossos dons apresentamos em memória do Cordeiro”, CD: CF-2019, melodia da faixa 13.

A Igreja oferece outra opção: “Eis o tempo de conversão”, CD: Liturgia XIV, melodia da faixa 6, Quaresma Anos B e C.

6- Canto de comunhão: Até o pássaro encontra abrigo junto ao altar de Deus (Salmo 83/84). Contemplando o apelo de Deus à conversão e a sua misericórdia, eis o canto mais apropriado para hoje, cantemos: “Aqui estamos, ó Senhor, no monte santo irmanados”, CD: CF-2019, melodia da faixa 16.

A Igreja oferece outras opções: “Agora o tempo se cumpriu, o Reino já chegou”, CD: Liturgia XIV, melodia da faixa 3 ou Hinário Litúrgico II da CNBB, página 17; Isaias 58: “Como o raiar, raiar do dia a tua luz surgirá…” CD: Liturgia XIV, melodia da faixa 7 ou Hinário Litúrgico II da CNBB, página 117; “Ó Pai, teu povo busca vida nova”, CD: CF 2013, melodia da faixa 7.

O canto de comunhão deve retomar o Evangelho. No 3º Domingo da Quaresma, mergulhamos numa atitude de profunda conversão. Devido o espírito de confiança que anima a liturgia de hoje e certos, da misericórdia dele, podemos cantar na comunhão o Marcos 1,15. “Agora o tempo se cumpriu, o Reino já chegou”, como indicamos acima. Está articulado com o Salmo 1. Vamos também com Ele pregar o Evangelho de Deus para que todos se convertam.

8- O ESPAÇO DA CELEBRAÇÃO

  1. Se há um elemento, que, sem palavras, cumpre a função mistagógica, isto é, de conduzir para dentro do mistério celebrado, este é o Espaço Sagrado. Por isso, devemos dedicar-lhe todo o nosso cuidado.

  1. A cruz processional poderá ser “fincada” após a procissão de entrada num vaso onde está uma planta que tenha a aparência de árvore, de modo eu se dê a entender que a cruz é a “árvore da vida”, aquela que dá frutos, bem de acordo com o Evangelho.

  1. Todos nós sabemos que o Tempo da Quaresma exige sobriedade quanto à ornamentação do espaço da celebração. Ele deve manifestar nossa fragilidade diante do mistério, nossa nudez diante da graça de Deus que nos acompanha e nos solicita total perseverança evangélica. A ausência de flores, com exceção do Quarto Domingo (Domingo Laetare), quer causar a sensação de sobriedade, sem aparência festiva. Já é de praxe, o uso da cor roxa nas vestes, velas e paramentos. Mas temos que ir além. Redescobrir, a cada vez, o sentido da chamada “reserva simbólica”: Durante este tempo (a quaresma) é proibido ornar o altar com flores, cantar o aleluia ou o hino de louvor, o canto de louvor a Deus após a comunhão, com exceção das solenidades e festas.

  1. AÇÃO RITUAL

A regra da reserva simbólica vale para todos. A liturgia nos ensina a reservar os elementos festivos para a festa da Páscoa. Assim, os grupos são chamados a serem mais moderados na execução dos instrumentos, evitando “solos instrumentais”, deixando de tocar algum instrumento, ou mesmo cantando algo “à capela” (sem acompanhamentos musicais). É tempo também de escutar, de ser “obediente”, de aguçar o discipulado: uma boa forma de manifestar isso seria assumir o repertório da CNBB para as celebrações.

Ritos Iniciais

  1. Acompanhando a procissão de entrada na igreja, pode-se cantar “Senhor, eis aqui o teu povo” (Hinário Litúrgico II da CNBB, página 296). Levar junto o cartaz da Campanha da Fraternidade. Não esquecer que, à frente da procissão, vai a cruz processional.

Seria muito oportuno a saudação inicial de 2Tessalonicensses 3,5:

“O Senhor, que encaminha os nossos corações para o amor de Deus e a constância de Cristo, esteja convosco”.

  1. Em seguida quem preside, ou o diácono ou um leigo ou leiga preparado, dar o sentido da celebração com estas palavras ou outras semelhantes:

Domingo da conversão do coração. A Quaresma é o tempo da paciência de Deus, é o tempo que Ele nos dá para que possamos produzir os frutos da justiça e da fraternidade. Reconheçamos a santidade do nosso Deus.  Ele nos reúne de todas as nações e derrama sobre nós um Espírito novo, conforme a sua promessa.

  1. Em seguida fazer uma recordação da vida tornando presentes as realidades que hoje precisam ser transfiguradas, transformadas. Trazer os fatos da vida de maneira orante e não como noticiário.

  1. Muito oportuno o Ato penitencial da fórmula 2 do Missal Romano para o Tempo da Quaresma, página 396.

Senhor, que na água e no Espírito nos regenerastes à vossa imagem, tende piedade de nós.

  1. Na Oração do dia contemplamos Deus autor de toda bondade e suplicamos que Ele nos reerga do peso de nossa consciência.

Rito da Palavra

  1. Após a leitura não é preciso mostrar o livro. Por que? Porque quando o(a) leitor(a) diz “Palavra do Senhor” (para as leituras) ou “Palavra da Salvação” (para o Evangelho), refere-se à Palavra do Senhor que acabou de ser proclamada e ouvida pela assembléia e não ao livro em si.

  1. Primeiro escrutínio. Onde houver batismo na noite pascal, o ritual do catecumenato prevê uma imposição de mãos sobre aqueles que receberão os sacramentos de iniciação cristã. Depois da homilia, os escolhidos para o batismo, junto com padrinhos e madrinhas, colocam-se diante da comunidade e quem preside reza e impõe as mãos sobre eles. Página 70 do RICA (Ritual da Iniciação Cristã de Adultos).

Rito da Eucaristia

  1. Na Oração sobre as oferendas suplicamos a Deus que nos dê a maturidade de pedir perdão dos nossos pecados e também saber perdoar os nossos irmãos.

  1. É tempo de usar os Prefácios do Tempo da Quaresma, que são muito bonitos e trazem uma boa síntese teológica desse tempo litúrgico. Neste Terceiro Domingo da Quaresma é muito oportuno o Prefácio I da Quaresma, página 414 do Missal Romano que destaca a preparação da Quaresma pela penitência. Seguindo essa lógica, cujo embolismo reza: “Vós concedeis aos cristãos esperar com alegria, cada ano, a festa da Páscoa. De coração purificado, entregues à oração e à prática do amor fraterno, preparamo-nos para celebrar os mistérios pascais, que nos deram vida nova e nos tornaram filhas e filhos vossos”. O grifo no texto identifica aqueles elementos em maior consonância com o Mistério celebrado neste Domingo e que pode ser aproveitado na celebração, ao modo de mistagogia. Usando este prefácio, o presidente deve escolher a I, II ou a III Oração Eucarística. A II admite troca de prefácio. As demais não podem ter os prefácios substituídos sem grave prejuízo para a unidade teológica e literária da eucologia.

  1. Neste Domingo a Palavra ressalta a paciência e a misericórdia de Deus. Outra opção é a Oração Eucarística sobre a Reconciliação I, que destaca a grande misericórdia de Deus.

  1. A narrativa da instituição da eucaristia não é uma imitação da última ceia; por isso não se parte o pão neste momento como algumas vezes acontece. A liturgia eucarística, como se disse, é fazer o que Jesus fez: tomou o pão e o vinho, deus graças, partiu o pão e o deu (comer e beber). O partir o pão, como Jesus fez, corresponde à fração do pão em vista da comunhão. Por isso, a Redemptionis Sacramentum, número 55, considera um abuso partir o pão durante o relato da instituição.

  1. O “amém” final do por Cristo, em Cristo…, que merece a mesma exultação, é a assinatura do povo à prece que o ministro ordenado, em nome da Igreja, elevou a Deus por Cristo, com Cristo, em Cristo, na unidade do Espírito Santo. Pelo menos aos domingos e dias de festa merece ser cantado.

  1. A fração do Pão antes da comunhão deve ser feita de modo que todos possam acompanhar este gesto, tão significativo. Não precisa ter pressa. Aguarde-se que o povo conclua o abraço da paz (se houver) para iniciar a fração do pão com calma. Inicia-se o hino do “Cordeiro de Deus” só quando começa a fração do pão. Este hino é muito antigo, feito exatamente para acompanhar esta ação ritual. Seu sentido é este: vendo o Cordeiro sendo partido e repartido, a assembléia prorrompe no canto: “Cordeiro de Deus…!

  1. Não esquecer de, após a comunhão, reservar um tempo para a assembléia fazer um profundo silêncio contemplativo do encontro havido com Deus. Seria bom que até se fizesse uma breve motivação para esse momento de silêncio orante, previsto pelo Missal Romano, nº 121, página 57.

Ritos Finais

  1. Na Oração depois da comunhão saciados na terra com o pão do céu, suplicamos a Deus que a Eucaristia que recebemos manifeste em nossa vida o fruto do sacramento.

  1. Bênção solene, para todo o povo, como sugere o Missal Romano, página 521 ou a também a oração sobre o povo, número 6, página 531:

Ó Deus, fazei que o vosso povo se volte para vós de todo o coração (nesta Quaresma), pois se protegeis mesmo quando erra, com mais amor o guardais quando vos serve.

  1. As palavras do envio podem estar em consonância com o mistério celebrado: “Convertei-vos porque o Reino de Deus está próximo”. Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe.

10- CONSIDERAÇÕES FINAIS

A liturgia deste Terceiro Domingo da Quaresma, enfatiza o tema da conversão. Tema muito cara a Lucas, que nos propõe a rever a nossa vida não com pré-julgamentos  de irmãos, mas nos vendo na condição de pecadores, sempre necessitados de conversão.

O objetivo da Igreja é ajudar os padres e as comunidades de nossa diocese e todas aquelas outras comunidades fora de nossa diocese que acessar nosso site celebrar melhor o mistério pascal de Cristo.

Um abraço fraterno a todos
Pe. Benedito Mazeti

 

Pe. Benedito Mazeti

Pe. Benedito Mazeti

Ver todos os posts
Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.