Artigos, Pe. Bendito Mazeti › 22/03/2017

4º DOMINGO DA QUARESMA ANO A – 26 de março de 2017

Leituras

1Samuel 16,1b.6-7.10-13a. O homem vê as aparências, mas o Senhor olha o coração
Salmo 22/23,1-3a.3b-4.5.6. Ele me guia no caminho mais seguro.
Efésios 5,8-14. Vivei como filhos da luz.
João 9,1-41. Ouvimos e cremos que este é verdadeiramente o salvador do mundo.

“EU SOU A LUZ DO MUNDO”

jesus-cura-o-cego-de-nascenca
1- PONTO DE PARTIDA

Domingo da alegria e do cego de nascença. Quando sentimos que o dia da festa, qualquer festa, se aproxima, o nosso coração costuma bater mais forte. Bate mais forte de alegria, porque a festa está chegando. Começamos a sentir o sabor da festa da Páscoa que se aproxima.

Já estamos no Quarto Domingo da Quaresma. É o domingo da cura do cego de nascença, é dia de alegria. Dia de alegria no meio da penitência. Com Jesus, sentimo-nos mais próximos de Jerusalém, para a festa da Páscoa, e com isso, mais felizes. Começamos a sentir a maravilha do amor de Deus que, como Pai e Mãe, na Páscoa de seu Filho Jesus, nos perdoa e nos acolhe com carinho em sua casa. É bom que nos alegremos nesta certeza.

Hoje de novo é dia de oração especial sobre os eleitos de Deus para os sacramentos de iniciação cristã (batismo, crisma e eucaristia), na próxima Vigília Pascal.

Antífona da entrada: Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundancia de sua consolação (Isaias 66,10s)

2- REFLEXÃO BÍBLICA, EXEGÉTICA E LITÚRGICA

Contemplando os textos bíblicos

1Samuel 16,1b.6-7.10-13a. A Bíblia narra três unções de Davi. Conforme 2 Samuel 2,4 Davi é ungido rei de Judá pelas tribos do Sul e conforme 2Samuel 5,1-3 rei de Israel pelas tribos do Norte. Estas unções supõem toda a carreira política e militar anterior e são feitas pelos líderes político-militares das tribos do povo. Além destas unções institucionais, a Bíblia conhece uma unção carismática, praticada pelo profeta Samuel.

Depois da Abraão e Moisés, a liturgia da Quaresma propõe-nos a figura de Davi, o pequeno pastor de Belém ungido rei de Israel. O Povo de Deus, fixado na terra prometida aos antepassados, no meio de muitas dificuldades, espera um Messias, isto é, um “ungido”, um consagrado que lhe dê unidade, paz e segurança, um rei segundo o coração de Deus e não segundo os homens (cf. versículo 7. Saul, na sua grandeza, é rejeitado na linha do plano salvífico divino (cf. versículo 1); será o pequeno Davi a ser “ungido com óleo no meio dos irmãos” (cf. versículo 13).

A cena na pequena Belém, retrata o tema da “pequenez”. Não é o primogênito, nem os sete filhos mais velhos de Jessé, que o pai apresenta ao profeta, que são escolhidos por Deus para a unção, mas sim o oitavo, o mais novo, aquele em quem ninguém sequer pensa (cf. versículos 6-11).

Um coração humilde e aberto para Deus: isto é o que Davi pode apresentar ao Senhor, e que o Senhor bem vê e acolhe, no interior de uma categoria, a do pastor, que de lá das imagens idílicas a que estamos habituados, no mundo judaico era a julgada uma das mais vis. Este pequeno Davi aos olhos das pessoas é grande aos olhos de Deus: este nada que as pessoas podem dar é apresentado à unção sagrada.

Então Davi (“ruivo, de belos olhos e de agradável aparência”: cf. versículo 12, “ungido do Senhor”, do qual “o Espírito do Senhor se apoderou de Davi”: cf. versículo 13, torna-se figura de Cristo, encarnado também Ele na pequenez, que no Batismo nos comunica a Sua dignidade real, profética e sacerdotal. Procurando entender o sentido do nosso Batismo, especialmente o simbolismo da unção, lembramos hoje o episódio da escolha e da unção do rei Davi.

Salmo responsorial 22/23,1-6 É um Salmo de confiança em Deus. A solicitude divina para com os justos, descrita com a dupla imagem do pastor (versículos 1-4) e do hospedeiro que oferece o festim messiânico (versículos 5-6).

É um dos salmos mais conhecidos e belos do saltério, aplica ao próprio Deus a humilde imagem do “pastor” como expressão de terno cuidado e guia segura que Ele tem para com um rebanho amado e protegido (versículos 2-4). Além disso, recupera o tema da “unção” do fiel como sinal de predileção e de dignidade (versículos 5-6).

Nos versículos de 1-4, o tema pastoril fornece algumas imagens fundamentais: verde, água, caminho. A última imagem conjura o grande perigo, a escuridão temerosa plenamente superada. Na segunda parte versículos 5-6 adianta-se o plano real, imediato: a experiência religiosa tem lugar no Templo de Jerusalém. Ali a pessoa humana encontra asilo frente ao opressor, participa na mesa do banquete sagrado, recebe a unção que o consagra. A experiência religiosa intensa converte-se em esperança e desejo para toda a vida.

O rosto de Deus no Salmo 22. Sem dúvida é uma das imagens mais bonitas do Primeiro Testamento que mostra Deus como pastor. Outras imagens também mostram o rosto de Deus como hospedeiro, libertador e aliado. Jesus no Evangelho de João, assume as características de Javé pastor, libertador e aliado (João 10). Jesus é esse pastor que se compadece do povo explorado. Ele caminha à frente de seu rebanho, tanto para chegar ao pasto e à água, como para voltar ao curral de repouso, já na escuridão da noite. Este salmo é tradicionalmente aplicado à vida sacramental, especialmente ao Batismo e à Eucaristia.

Por este salmo, peçamos ao Senhor que restaure as nossas forças, que derrame sobre nós o óleo do seu amor e faça de nós instrumentos de salvação, no meio de nossas comunidades.

O SENHOR É O PASTOR QUE ME CONDUZ;
NÃO ME FALTA COISA ALGUMA.

Segunda leitura – Efésios 5,8-14. Escutando este trecho de um antigo sermão batismal e de um hino que as primeiras comunidades cantavam nas celebrações batismais, procuremos encontrar na Palavra de Deus uma verdade que nos ajude a abrir nossos olhos.

A leitura termina com uma citação: “Desperta, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e sobre ti Cristo resplandecerá”. Provavelmente trata-se de uma estrofe de um hino batismal. O raciocínio de Paulo é mostrar é que pelo Batismo começamos uma vida nova, cheia de luz.

Antes de Cristo e fora de Cristo vencia o pecado, vencia a morte, vencia a inimizade, o homem velho com todas as suas paixões enganadoras e os seus ídolos privados: mentira, discórdia, indiferença… É forte a expressão utilizada por Paulo: os cristãos “não estão na luz”, mas “são luz”, enquanto participantes da luz que é Cristo. “Vós sois a luz do mundo” (Mateus 5,14a). No sentido semita, pode-se dizer “filhos da luz”, isto é, pertencentes à esfera do luminoso (cf. versículo 8).

Toda a qualidade comporta conseqüências precisas, assim os frutos da luz são bondade, justiça e verdade (versículo 9).

Só “aquilo que é agradável ao Senhor” deve ser procurado; ser benevolente para com as obras das trevas, estéreis e de caráter baixo, serviria para exaltar-las (cf. versículos 10-12). Paulo via aqui os excessos sexuais do paganismo e recomenda aos cristãos de entregá-los à publicidade, mesmo que se passem em segredo. Paulo quer encorajá-los nessa atitude, o Apóstolo os convence de que, trazendo ao conhecimento público esses excessos, os cristãos os arrastam para a luz e preparam assim seu perdão e sua “justificação” (versículo 4).

Os cristãos espalhando ao redor de si, como raios de luz, os frutos de uma existência iluminada por Cristo, que são: “bondade, justiça e verdade” (versículo 9), estão se livrando de uma existência morta e acomodada que não suporta a luz do dia. Paulo resume aqui em três conceitos-chaves a atitude fundamental de que brotam todas as outras virtudes cristãs capazes de irradiar a luz do Senhor e de dissipar as trevas do coração e da convivência humanas.

Evangelho – João 9,1-41. No tempo de Jesus, os doentes eram considerados pecadores e impuros. No dia de sábado, havia a proibição de fazer qualquer trabalho, por mínimo que fosse. Esta ideologia religiosa reforçava a dominação sobre os mais pobres. Vendo como Jesus se posiciona, devemos também acolher a boa nova deste Evangelho e como Ele ilumina nosso batismo.
O Evangelho de João penetra cada vez mais no mistério de Jesus, “pão da vida” (cap.6), “nascente da água da vida” (cp. 7), “Eu Sou” de Deus (cap. 8). O episódio de hoje toma partido de uma dupla situação carregada de simbolismo: a festa dos Tabernáculos, dia festivo com grandes iluminações, e a cegueira de um homem, mergulhado nas trevas. Na verdade, as luzes rituais não conseguem iluminar as trevas do pecado e da morte, enquanto a cegueira física não podia resistir à iluminação divina.

Jesus e seus discípulos encontraram no caminho um cego, eles perguntaram: “Mestre, quem pecou para que nascesse cego: ele os seus pais”? Jesus respondeu com toda convicção dizendo que ele não é cego por causa dos pecados dele ou dos pecados dos seus pais. É cego para o poder de Deus se mostrar nele.

Os judeus davam uma conotação religiosa à doença. Seria, de nossa parte, imoral introduzir estes fatores indevidamente, como fizeram os fariseus: “Tu nasceste todo em pecado e estás nos ensinando?” (versículo 34).

O “barro feito com saliva” (cf. versículo 6) é uma antiga prática terapêutica, mas recorda também a terra com a qual Deus plasmou o homem e a mulher animando-os com o seu sopro divino (cf. Gênesis 2,7). Jesus fez esse gesto não como curandeiro, mas como Senhor da natureza. Indica, portanto, uma nova criação, expressa no antigo rito batismal da unção com a saliva. A ablução na piscina de Siloé (cf. versículo 7) é também uma evocação do Batismo: ia-se buscar na piscina de Siloé a água ritual, embora ineficaz até a vinda de Jesus, verdadeiro “enviado” (assim se traduz o nome “Siloé”) do Pai.

Enquanto os fariseus se encolerizam contra Jesus (cf. versículos 13.16.24), os pais do cego se protegem-se por detrás da recusa de responsabilidades (cf. versículos 20-23). Mas a presença do Mestre não deixa ninguém neutro, não existem compromissos entre a “luz e as trevas” a partir do momento em que Jesus se declara “Filho do Homem” (versículos 35-38). A verdadeira cegueira é a interior, que não se deixa iluminar pela verdade (cf. versículos 39-41).

Jesus recorre a Deus para explicar a cegueira, não há dúvida. Mas não explica a doença ou qualquer desgraça com um castigo divino por uma imperfeição moral. Jesus liga Deus não com o passado, mas com o futuro do cego de nascença. Na sua cegueira não se manifesta uma condenação de Deus, mas ele é visto como o pano de fundo em que se há de manifestar a ação criadora e salvífica de Deus. O fato de que Deus, ao criar o mundo e o universo, fez tudo bem feito (Gênesis 1), não inclui que Ele tenha feito tudo perfeito, no sentido de que exclui melhora, progresso, evolução. A natureza e a pessoa humana foram criados repletos de possibilidades de evoluírem e se desenvolverem. As forças e as capacidades depositadas na natureza e no ser humano desde a sua criação foram tão bem feitas que podem se desenvolver e evoluir, espontânea e livremente. As imperfeições que podem ser aperfeiçoadas representam um desafio à imaginação e à criatividade do ser humano. Nesta competição inesgotável entre as forças da natureza e do ser humano e… a grandeza d’Aquele que os criou.

Nos inquéritos (versículos 13-17.18-23.24-34) os fariseus lutam contra as evidencias que o narrador não cansa de repetir. Quatro vezes afirma-se que se tratou realmente de um cego de nascença (versículo1.19-20.32). Volta-se onze vezes a constatar a cura (versículos 7.11.14.15.17.18.20s. 25.26.30.32) e a descrição da mesma é repetida como um refrão nas três palavras: “Fui, lavei-me e comecei a ver” (versículos 7.11.15). Foi pela fidelidade aos fatos e às evidências que o mendigo não somente recobrou a vista, mas também se abriram seus olhos para ver e reconhecer em Jesus seu Salvador e “a Luz do mundo” (versículo 5).

O cego curado foi expulso da sinagoga, mas foi é admitido na comunhão com Jesus e os fariseus são excomungados da mesma. A cura do cego tornou-se no decorrer do tempo uma parábola da “iluminação batismal” e da admissão. O Batismo cristão é iluminação da pessoa toda: espírito e coração, sentimento e conduta.

3. DA PALAVRA CELEBRADA AO COTIDIANO DA VIDA

Aproximando-se das festas pascais, o dia de hoje é também chamado de “domingo da alegria”. Fazendo eco a Is 66,10-11, a Igreja hoje canta: “Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos todos os que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com abundância de suas consolações”. E nós, no Brasil, também cantamos: “Alegres vamos à casa do Pai, e na alegria cantar seu louvor. Em sua casa, somos felizes: participamos da ceia do amor”.

Nesse clima de alegria por estarmos na casa do Pai, ouvimos sua Palavra amiga, que prepara as pessoas tanto para o batismo como para a renovação do compromisso batismal. Ela esclarece o sentido dos ritos que vêm logo depois do batismo: a unção, que significa a participação do fiel na missão de Cristo, profeta, sacerdote e rei; a veste branca, que exprime a pureza da fé batismal; e a vela acesa, que representa Cristo como a luz que ilumina nossa vida.

Ouvimos como o rei Davi foi ungido rei de Israel. “Jesus é o novo Davi, o Messias ‘ungido’ (como o Espírito) no batismo do rio Jordão”. O próprio termo ‘Cristo’ significa ‘ungido’ (em hebraico: Messias). Assim, na liturgia batismal, o recém – batizado é ungido em sinal de que ele é ‘Cristo em Cristo’, membro do povo messiânico.

Ouvimos também como Jesus ‘unge’ os olhos do cego de nascença…Depois de ter untado os olhos do cego, Jesus manda-o lavar-se (o ‘banho da regeneração’!) no ‘Siloé, que quer dizer Enviado’ (a piscina de Siloé é figura de Cristo). Então, ele recebe a luz dos olhos. O batismo aqui é evocado como unção e iluminação.

O sentido profundo disso tudo é que o batizado deve ser uma testemunha da luz que recebeu. O cego de nascença nos dá o exemplo: ele testemunha o Cristo, com convicção e firmeza sempre crescentes. O batizado é um homem da luz (‘filho da luz’, dia Bíblia), alguém que enxerga com clareza, e que anda na luz. Pois a luz não é só para ser contemplada, mas para caminharmos nela, realizando as obras que ela nos permite enxergar e levar a termo. ‘Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor…Desperta, tu que estás dormindo, levanta-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará’ (2ª leitura)”.

Então, cabe a nós perguntar: como realizamos este testemunho cristão no Brasil hoje? Somos capazes de deixar-nos curar da cegueira a partir de pequenos gestos de bondade dos irmãos? Quais são as grandes cegueiras que devem ser iluminadas? Somos capazes de curar os cegos através de nossas ações concretas? A violência em nossa sociedade é u sinal de clamorosa cegueira. Jesus, o exemplo consumado da não-violência, nos aponta os remédios para criar uma cultura da paz: caridade, amor fraterno; perdão, solidariedade, resgate do pecador, reintegração dos excluídos. Lembremo-nos do que diz a Campanha da Fraternidade deste ano: “A pior coisa que uma pessoa violenta pode fazer conosco é nos transformar em alguém igual a ela” (Texto-base, n. 25).

Com espírito de confiança em dias melhores e de fé batismal a ser vivida com intensidade, que nos encaminhamos para a Páscoa. Por essa razão fazemos esta oração logo no início: “Ó Deus, que por vosso Filho realizais de modo admirável a reconciliação do gênero humano, concedei ao povo cristão correr ao encontro das festas que se aproximam, cheio de fervor e exultando de fé”.

4- A PALAVRA DE FAZ CELEBRAÇÃO

A liturgia celebrada guia na fé a comunidade

O papel da liturgia é fazer da Escritura, na Igreja, Palavra de Deus, pois ela é o guia da comunidade de fé, oferecendo-lhe os ditames do Evangelho como regra de vida. No tempo da quaresma muito bem se realiza esta imagem, sobretudo neste quarto domingo em que contemplamos Jesus abrindo os olhos aos cegos, pois o papel do verdadeiro guia é ser “olhos” para os que não vêm.

Neste sentido, os fiéis que tem por ícone os cegos de nascença que passa das trevas à luz passam a enxergar a vida com o olhar de seu guia, de seu Deus que é também Pastor (cf. Salmo 23/22). Esta imagem batismal é fundamental neste tempo em que os cristãos examinam sua vida à luz do Evangelho, buscando experimentar a conversão e a reconciliação.

A Eucaristia celebrada alimenta em nós a luz de Cristo

É certo, ainda, que a luz de Cristo recebida no batismo seja nutrida quando os fiéis se reúnem para escutar a Palavra de deus e compartir o Pão e Vinho Consagrados. Conforme ensina Paulo, o fruto da luz é bondade, justiça e verdade (cf. II leitura). Assim, os gestos de fraternidade, cuidados, consolação, lutas pelos direitos e dignidade da pessoa que são nutridos na liturgia, ganham a profundidade de ser considerados reflexos da luz de Deus que alcança todo homem e toda mulher, devolvendo-lhe a vida. Alcançam a humanidade e o mundo mediante aqueles que renasceram para ser Seu sinal, qual lua que reflete a luz do Sol e ilumina as noites mais densas.

5- LIGANDO A PALAVRA COM A AÇÃO EUCARÍSTICA

Logo mais, depois de colocar o pão e o vinho sobre o altar para a memória do sacrifício pascal de Cristo, o sacerdote, em nome de toda a assembléia, reza: “Ó Deus, concedei-nos venerar com fé e oferecer pela redenção do mundo os dons que nos salvam e que vos apresentamos com alegria”.

Deus foi tão bom para nós! Pelo batismo fomos lavados, ungidos reis e rainhas, e iluminados. Deus nos transformou em “filhos da luz”, participantes íntimos de sua vida divina, comensais do seu Reino já aqui na terra, no banquete eucarístico.

Por isso, realmente é justo e necessário, e até dever nosso e salvação, dar graças, louvar em todo lugar o Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso.

O ponto alto desse louvor nós o temos na liturgia eucarística. Pois nela é o próprio Cristo que, pelo Espírito, dá o mais perfeito louvor ao Pai. E nós, membros que somos deste Cristo, temos a imerecida honra de participar desta ação de graças. Graças ao nosso batismo!

Por esse motivo, canta o prefácio da oração eucarística de hoje: “Pelo mistério da encarnação, Jesus conduziu à luz da fé da humanidade que caminhava nas trevas. E elevou à dignidade de filhos e filhas os escravos do pecado, fazendo-os renascer das águas do batismo”.

E, enfim, alimentados no banquete do Reino pela santa comunhão, concluímos com esta maravilhosa oração: “Ó Deus luz de todo ser humano que vem a este mundo, iluminai nossos corações com o esplendor da vossa graça, para pensarmos sempre o que vos agrada e amar-vos de todo o coração. Por Cristo, nosso Senhor”. E todos respondem: “Amém”

6. ORIENTAÇÕES GERAIS

1. A exemplo de Jesus que acolheu benignamente o cego, a equipe de acolhida proporcione uma recepção fraterna às pessoas que chegarem pata tomar parte da celebração.

2. Um bom ensaio dos cantos previstos para a celebração se faz necessário, para que ela transcorra em clima realmente orante e de fé. A Paulus editou um CD: com os cantos próprios da Quaresma e da Campanha da Fraternidade e para a Missa de cada domingo quaresmal deste ano A. Também temos outros cantos quaresmais que está no CD: Liturgia XIII Quaresma Ano A. Também temos outros cantos quaresmais que está no CD: CF-2017. Após o ensaio de cantos uns momentos de silêncio e oração pessoal ajudam a criar um clima alegre e orante para a celebração.

3. A Quaresma é tempo especial de escuta da Palavra de Deus. Por isso os leitores empenhem-se em proclamar bem as leituras e o canto do Salmo Responsorial. Um breve momento de silêncio entre as leituras permitirá maior profundidade no diálogo entre Deus e o seu povo reunido.

4. À preparação espiritual se alia a preparação corporal: postura do corpo, tom de voz, semblante, a maneira de aproximar-se da mesa da Palavra, as vestes dos ministros…

7. MÚSICA RITUAL

O canto é parte necessária e integrante da liturgia. Não é algo que vem de fora para animar ou enfeitar a liturgia. Por isso devemos “cantar a liturgia” e não cantar na liturgia. Os cantos e músicas, executados com atitude espiritual e, condizentes com “cada domingo da Quaresma”, ajudam a comunidade a penetrar no mistério celebrado. Portanto, não basta só saber que os cantos são da Quaresma, “é preciso executá-los com atitude espiritual. A escolha dos cantos deve ser cuidadosa, para que a comunidade tenha o direito de cantar o mistério celebrado”. Jamais os cantos devem ser escolhidos para satisfazer o ego de um grupo ou de um movimento ou de uma pastoral. Não devemos esquecer que toda liturgia é uma celebração da Igreja corpo de Cristo e não de um grupo, de uma pastoral ou de um movimento.

1- Canto de abertura. “Alegra-te, Jerusalém” (Isaias 66,10-11). Sem dúvida, um canto de abertura condizente com o mistério celebrado e poderá cooperar para que a assembléia seja nele inserido é na procissão de entrada, entoar um canto que expresse o Domingo da Alegria e a nossa alegria pela proximidade da Páscoa (ex: “Rejubila-te, cidade santa, eis que nos vem o Rei que nos remiu”, CD, CF-2017 melodia da faixa 8).

A Igreja oferece outra ótima opção: “Alegres vamos à casa do Pai”, CD: Liturgia XIII, melodia da faixa 10, Quaresma Ano A. O canto de abertura deve nos introduzir no mistério celebrado deste 4º Domingo da Quaresma, que é o Domingo Laetare.

A equipe de canto faz parte da assembléia. Não deve ser um grupo que se coloca à frente da assembléia, como se estivesse apresentando um show. A ação litúrgica se dirige ao Pai, por Cristo, no Espírito Santo. Portanto, a equipe de canto deve se colocar entre o presbitério e a assembléia e estar voltada para o altar, para a presidência e para a Mesa da Palavra.

Ensina a Instrução Geral do Missal Romano que o canto de abertura tem por objetivo, além de unir a assembléia, inseri-la no mistério celebrado (IGMR nº 47). Nesse sentido o Hinário Litúrgico II da CNBB nos oferece uma ótima opção, que estão gravados no CD: Liturgia XIII ou o CD: CF-2017.

2- Ato penitencial. Substituir o ato penitencial pela aspersão da comunidade. Para hoje é muito oportuno o Salmo 50: “Piedade, ó Senhor, tende piedade”, CD: CF-2014, melodia da faixa 5 ou CD: Liturgia XIII, melodia da faixa 2.

3- Canto para acolher a Palavra de Deus. “Ó luz do Senhor, que vem sobre a terra, inunda meu ser permanece em nós”

4- Salmo responsorial 22/23. “O Senhor é meu pastor”. “O Senhor é o pastor que me conduz; não me falta coisa alguma”, CD: CF-2014, melodia da faixa 5.

5- Aclamação ao Santo Evangelho. “Eu sou a luz do mundo”, (João 8,12b). “Glória e louvor a vós, ó Cristo, Verbo de Deus! Pois eu sou a luz do mundo, quem nos diz é o Senhor”, CD: CF-2017, melodia da faixa 9.

6- Apresentação dos dons: O canto de apresentação das oferendas, conforme orientamos em outras ocasiões, não necessita versar sobre pão e vinho. Seu tema é o mistério que se celebra acontecendo na fraternidade da Igreja reunida em oração neste Domingo do cego de nascença. Podemos entoar, “Aceita, Senhor com prazer o que vimos te oferecer”, CD: CF-2017.

A Igreja oferece outras opções importantes para este Domingo Laetare: “O vosso coração de pedra se converterá”, CD: Liturgia XIII, melodia da faixa 5.
7- O canto do Santo. Um lembrete importante: para o canto do Santo, se for o caso, sempre anunciá-lo antes do diálogo inicial da Oração Eucarística. Nunca quando o presidente da celebração termina o Prefácio convidando a cantar. Se o (a) comentarista comunica neste momento o número do canto no livro, quebra todo o ritmo e a beleza da ligação imediata do Prefácio como o canto do Santo.

8- Canto de comunhão: “Comecei a ver e acreditei!”, (João 9,11) ou “Aos que estão nas trevas: Aparecei”, (Isaias 49,9). Contemplando o mistério de Cristo, Luz do mundo, cantemos: “Dizei aos cativos: Sai”, CD: CF-2017, melodia da faixa 16; CD: CF-2011, melodia da faixa 13 ou CD: Liturgia XIII, Quaresma Ano A, melodia da faixa 11 Com certeza este canto nos ajudará a fazer a ligação da Ceia do Senhor com o Evangelho.

O canto de comunhão deve retomar o Evangelho. No Quarto domingo da Quaresma, somos chamados a contemplar Jesus como “Luz” que ilumina as nossas vidas e o mundo, numa atitude de profunda conversão como fez a o cego curado.

8- O ESPAÇO DA CELEBRAÇÃO

1. Se há um elemento, que, sem palavras, cumpre a função mistagógica, isto é, de conduzir para dentro do mistério celebrado, este é o Espaço Sagrado. Por isso, devemos dedicar-lhe todo o nosso cuidado.

2. Neste Domingo destacar no espaço da celebração os símbolos da Cruz e a luz. Ornamentar o pé da cruz processional ou o Ambão com velas acesas.

3. Neste Quarto Domingo as flores podem voltar a ornar o espaço sagrado, mas com moderação, para não antecipar em demasia os tons de festa que serão a expressão da Vigília Pascal. A cruz processional, um dos elementos inocográficos que estamos valorizando neste tempo quaresmal, pode trazer um arranjo floral ao seu pé ou em sua haste. De preferência flores cor de rosa,

9. AÇÃO RITUAL

A celebração deste domingo nos recorda como homens e mulheres que nasceram no Batismo para ser “luzeiros“ de Deus no mundo, guiando os dias e iluminando as noites.

Ritos Iniciais

1. Na procissão de entrada, sendo possível, as pessoas que estão se preparando para a celebração batismal (os sacramentos da iniciação cristã) podem ingressar junto com os ministros e o presidente, carregando bonitas velas acesas. Neste Quarto Domingo é importante valorizar o simbolismo da luz.

2. A celebração do Quarto Domingo da Quaresma nos “antecipa a alegria” daquilo que será a celebração pascal, por excelência, na Vigília Pascal. Mas, ainda, com simplicidade e discrição. Algumas ações simbólicas que podem ajudar a assembléia a experimentar isso:

3. A saudação presidencial pode ser a fórmula “d” de Romanos 15,13:

“O Deus da esperança, que nos cumula de toda a alegria e paz em nossa fé, pela ação do Espírito Santo, esteja convosco”.

4. Em seguida quem preside, ou o diácono ou um leigo ou leiga preparado, dar o sentido da celebração com estas palavras ou outras semelhantes:

Domingo do da alegria e do cego de nascença. Tendo já percorrido a metade de nossa caminhada de preparação para a Páscoa, somos convidados a deixar para trás qualquer atitude de tristeza e coração duro e assumir uma atitude pela consolação que nos vem do amor de Deus. Fazendo, junto com o cego de nascença, a experiência de termos os olhos ungidos e sermos curados de nossa cegueira, continuemos a aprofundar o sentido do nosso batismo.

5. Em seguida fazer uma recordação da vida tornando presentes as realidades que hoje precisam ser transformadas com a misericórdia de Deus. Trazer os fatos da vida de maneira orante e não como noticiário.

6. Hoje é muito oportuno substituir o Ato penitencial, como já orientamos pela aspersão com água. Não podemos esquecer que o tema da Quaresma do Ano A é o Batismo. Ver em Música Ritual, acima. O tema da Quares

7. Se a comunidade optar pelo Ato penitencial, pode ser feito por toda a assembléia, de joelhos, defronte a cruz do Senhor. Quem preside convida a assembléia a uma revisão de vida diante da Palavra de Deus.

8. O presbítero motiva os fiéis à penitencia com a Fórmula 2 do Missal Romano página 391:

Em Jesus Cristo, o Justo, que intercede por nós e nos reconcilia com o Pai, abramos o nosso espírito ao arrependimento para sermos menos indignos de aproximar-nos da mesa do Senhor.

9. Reunida em torno da cruz, a assembléia pode fazer, de joelhos ou inclinada, o Ato Penitencial e ser motivada a expressar o desejo de viver a Quaresma, indicando aspectos nos quais é chamada à conversão. Sugerimos a Fórmula 1, própria para a Quaresma da página 396 do Missal Romano.

Senhor, que nos mandastes perdoar-nos mutuamente antes de nos aproximar do vosso altar…

10. Na Oração do Dia suplicamos ao Pai, que reconcilia a todos em Cristo, nos concede correr ao encontro das festas que se aproximam, isto é, o Tríduo Pascal.

Rito da Palavra

1. Antes da primeira leitura, todos entoam suavemente sem instrumentos musicais: “Ó luz do Senhor, que vem sobre a terra, inunda meu ser, permanece em nós”, ou “A Palavra de Deus é luz, que nos guia na escuridão”.
2. Onde houver batismo na noite pascal, o ritual do catecumenato prevê uma oração especial sobre os eleitos que receberão os sacramentos de iniciação na Vigília Pascal. Depois da homilia, os escolhidos para o batismo, junto com padrinhos e madrinhas, colocam-se diante da comunidade e quem preside reza e impõe as mãos sobre eles. Página 77-80 do RICA (Ritual da Iniciação Cristã de Adultos). Esta etapa com os adultos que vão receber o Batismo, é também um caminho espiritual s ser renovado também pelos fiéis. Entregar uma vela acesa para cada adulto que vai receber os sacramentos na Vigília Pascal.

3. O símbolo a ser valorizado hoje é a luz. Por este gesto, somos convidados a fazer a nossa profissão de fé em Jesus, como fez o cedo de nascença. Onde for possível no começo da celebração, distribuir velas para todos os fiéis. Após a homilia e o devido silêncio, acendam-se as velas e, portando-as, os fiéis são convidados a professar sua fé.

4. Para a oração dos fiéis, a resposta às preces pode ser: Senhor Jesus Cristo, piedade de nós! Já que o Kyrie é omitido quando se substitui o Ato Penitencial pela bênção e aspersão/ablução com água, recordando o batismo.

Rito da Eucaristia

1. O pão e vinho são sinais trazidos do seio do mundo, para que sejam “fecundados” pela graça de Deus e se tornem morada do Mistério e todos que deles participarem possam ser beneficiados pela presença de Deus. Assim, pão e vinho consagrados se tornam imagem do mundo e da humanidade redimida, imagem da própria Igreja – Corpo de Cristo, como entendia Santo Agostinho.

2. Aqui se nota a importância de se manter sempre vivo o costume da procissão dos dons feita por membros da comunidade de fé. Embora já não se traga o pão para a celebração, das casas, como em outras épocas, é salutar que não se perca o sentido de apresentar o mundo e a humanidade nos sinais do pão e vinho, frutos do suor e trabalho humanos a ser submetidos ao trabalho divino (= consagrar/ santificar/ eucaristizar). Cantar a glória do Reino teu por toda a terra.

3. Na Oração sobre as Oferendas, peçamos a Deus que veneremos com fé os dons oferecidos com alegria pela salvação do mundo.

4. É muito oportuno usar a fórmula “b” do Missal Romano, João 8,12 para o convite à comunhão:

Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida. Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Ritos Finais

1. Não esquecer após a comunhão, reservar um tempo para a assembléia fazer um profundo “silêncio contemplativo” do encontro havido com Deus. Seria bom que até se fizesse uma breve motivação para esse momento de silêncio orante, previsto pelo Missal Romano, nº 121, página 57.

2. Lembramos que, em si, não há necessidade de um “canto de ação de graças” após a comunhão (como virou costume em muitas comunidades), pois a ação de graças, na verdade, já aconteceu; foi a Oração Eucarística. O Missal Romano orienta que depois da comunhão “guardar durante algum tempo um sagrado silêncio…”. Depois do silêncio contemplativo, “entoar um canto de louvor ou um salmo” (IGMR, nº 121). Lembramos também que durante a Quaresma omite-se este canto, e conserva-se o sagrado silêncio.

3. Na Oração depois da Comunhão, suplicamos a Deus luz de todo ser humano, que ilumine nossos corações com o esplendor da Sua graça.

4. Para a bênção final, sugerimos a oração sobre o povo, número 6, página 531 do Missal Romano.

5. As palavras do rito de envio podem estar em consonância como mistério celebrado: “Que Cristo Luz do mundo, ilumine as vossas vidas”. Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe.

10- CONSIDERAÇÕES FINAIS

“O pior cego é aquele que não quer ver”, diz o ditado popular. Esses dizeres contém uma verdade, quando nos falam que nem sempre aceitamos como realidade aquilo que os nossos olhos enxergarem, como abordou o Evangelho de hoje, ponto culminante da Palavra.

O objetivo da Igreja é ajudar os padres e as comunidades de nossa diocese e todas aquelas outras comunidades fora de nossa diocese que acessar nosso site celebrar melhor o mistério pascal de Cristo.

Um abraço fraterno a todos
Pe. Benedito Mazeti

Pe. Benedito Mazeti

Pe. Benedito Mazeti

Ver todos os posts
Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.