Cnbb › 07/05/2019

57ª AG – 2019

Dom Esmeraldo: “Hoje apresentamos o programa missionário nacional, que quer ser uma proposta da Igreja do Brasil para a Igreja do Brasil”.

Dom Esmeraldo: “A partir do CVII, a concepção de missão muda, porque passamos a entender que missionária é toda a Igreja, todo cristão batizado. Missão passa a ser constitutiva da Igreja”.

Dom Esmeraldo: “Eu preciso da missão para que eu possa viver como discípulo-missionário, portanto, a missão não é apenas enfeite. Jesus ia de povoado em povoado, ele não ficava sentado esperando as pessoas. Jesus sentia alegria de ir ao encontro das pessoas”.

Dom Esmeraldo: “É imprescindível, nada substitui nossa ida ao encontro das pessoas, em especial, ao encontro das periferias existenciais e geográficas. Não é pretensão (com o programa), mas força que queremos oferecer para a Igreja do Brasil”.

Dom Esmeraldo: “Missão ad gentes. Essa missão para fora do nosso ambiente e também para fora das nossas fronteiras geográficas. Prioridades são formação, estímulo missionário, missão ad gentes e compromisso profético-social”.

Dom Esmeraldo: “A missão é voltarmo-nos para o Evangelho e o que o Evangelho nos pede é irmos ao encontro do outro. Deus nos pede que sejamos testemunhas de sua misericórdia”.

 

Dom Reginaldo: “Temos um país marcado por uma cultura cada vez mais urbana.Já são 86% da população vivendo nesta realidade e desenvolvendo uma cultura própria. Pretendemos avançar na ação evangelizadora. A evangelização é fundamental da Igreja”.

Dom Reginaldo: “Podemos dizer que uma sociedade sempre incorpora elementos opressivos. Por isso a missão da Igreja é constante, sempre fundamentado em Jesus Cristo. Esta opção traz implicações. A semana social brasileira pretende ser uma contribuição para isso”.

Dom Reginaldo: “O que é a semana social? Essa semana começou com o objetivo de fortalecer a ação evangelizadora da Igreja, porque ela contribui como propositiva da vida em sociedade, a partir de critérios do Evangelho”.

 

Dom Biasin: “O universo eclesial leva cada comunidade a achar que é única, que é melhor.Saber que temos companheiros de caminhada faz bem.Saber que temos outras pessoas caminham conosco. A diferença não é motivo para o ódio nem para o confronto, mas enriquecimento”.

Dom Biasin: “O ecumenismo nasce entre as igreja protestantes em vista da missão.A partir do CVII fomos descobrindo que não viajamos sozinhos. É possível se aproximar e comemorar vitórias”.

Dom Biasin: “O ecumenismo nos ajuda a nos situarmos de forma dialógica no contexto plural. No nosso país cresce a diversidade religiosa e a fragmentação se torna cada vez mais intensa”.

Dom Biasin: “Por vezes, as próprias igrejas são caminhos de divisão. A nossa preocupação com a diversidade religiosa é legítima. Urge um discernimento dos fatores dessa diversidade, mas sem buscar uma auto-defesa”.

Dom Biasin: “A CF ecumênica é um esforço dia diálogo e superação de problemas. A cada 5 anos a proposta é feita pelo Conic e apresentada à Igreja Católica. A próxima, portanto, será em 2021. Deve entrar dentro de um processo de diálogo”.

Dom Biasin: “Esta noite teremos uma celebração ecumênica com a participação de dez participantes de outras Igrejas. O tema será: procurarás a justiça, nada além da justiça”.

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.