ADVENTO: FIM DOS TEMPOS E NATAL

28/11/2016 0 Por Diocese de São José do Rio Preto

“Anunciamos Senhor a Vossa morte e proclamamos a Vossa ressurreição. Vinde Senhor Jesus”. Com esta aclamação memorial a Igreja, “Corpo Místico” de Cristo e “Esposa do Cordeiro” espera ansiosa a sua volta.

O Tempo Litúrgico começa pelo Advento, do latim, Adventus, que significa vinda. Ele é um tempo de preparação para a Solenidade do Natal, mas também, nele celebramos a vinda Escatológica de Cristo no fim dos tempos.

A teologia do tempo do Advento é bem rica, pois considera todo o mistério da vinda do Senhor na História até sua conclusão.  Este tempo nos recorda a “dimensão histórica-sacramental” da salvação. O Deus da história, o Deus que se inclina frente à humanidade para que a mesma possa vê-lo, conhecê-lo, e falar com Ele como a um Amigo, como nos acentua o Documento Dei Verbum do Concilio Vaticano II. Deus veio plenamente para a salvação do homem na figura de Jesus de Nazaré, conclui-se, por isso, que o Tempo do Advento é o tempo da História, e é o lugar da realização das promessas de Deus e está voltada para “o dia do Senhor”.

A Igreja Peregrina, na sua caminhada rumo a Jerusalem Celeste, vive continuamente a tensão do já da salvação e o ainda não da sua realização em nós e da sua plena manifestação na volta gloriosa do Senhor juíz e Salvador.

O Advento, enfim, ao mesmo tempo em que nos revela as verdadeiras, profundas e misteriosas dimensões da vinda de Deus, recorda também o compromisso missionário da Igreja e de todo cristão para o Advento do Reino de Deus.

A Espiritualidade deste tempo nos revela que “a comunidade cristã, é chamada a viver algumas atitudes essenciais à expressão evangélica da vida: a espera vigilante e jubilosa, a esperança, a conversão. A atitude da espera caracteriza a igreja e o cristão porque “o Deus da revelação é o Deus da promessa que em Cristo manifestou toda a sua fidelidade ao homem” (cf. 2 Cor 1,20). O Advento celebra o “Deus da Esperança” (Rm 15,13). O Canto que caracteriza este tempo é o repetitivo “maranatha” que quer dizer “Vem Senhor”. A vinda de Deus em Cristo requer de nós continua conversão, onde a novidade do Evangelho é a luz que exige despertar pronto e decidido do sono (cf. Rm 13, 11 –  14).

Que neste tempo, possamos de fato abrir os corações como uma manjedoura confortável, para acolher o menino Deus, que quer entrar em nossas histórias, mudando nossos roteiros e fazendo-nos construir um mundo mais justo, fraterno e solidário.

Padre Diego Rodrigues Lopes
Reitor Administrador do Santuário Nossa Senhora das Graças
São José do Rio Preto

Compartilhe: