Cnbb › 05/04/2018

Amazônia

Os bispos titular e emérito da prelazia do Xingu, dom João Muniz Alves e dom Erwin Kräutler publicaram dia 28 de março uma carta em solidariedade ao padre José Amaro Lopes de Sousa, pároco da paróquia de Santa Luzia de Anapu (PA). O padre, uma das lideranças da CPT em Anapu, foi preso no dia 27 de março. O religioso foi acusado de extorsão e abuso sexual. A Polícia Civil o investiga também por esbulho possessório – quando o dono tem sua terra tirada dele de forma violente. O sacerdote foi preso na rodoviária de Anapu, no Pará. Mandados de busca e apreensão foram cumpridos na casa e na paróquia do sacerdote.

Apontado como o líder social mais influente da região e sucessor da missionária Dorothy Stang assassinada em 2005, o padre tem uma atuação contra desmatamento ilegal e vinha sofrendo ameaças pela luta fundiária na floresta.

Na carta, os bispos asseguram que o padre José Amaro é vítima de difamação para deslegitimar todo o seu empenho em favor dos menos favorecidos. “Repudiamos as acusações de ele promover invasões de terras que são reconhecidas pela Justiça como terras públicas, destinadas à reforma agrária, mas se concentram ainda nas mãos de pessoas economicamente poderosas”, diz o documento.

Os pastores também pedem a elucidação dos fatos. “Acompanhamos apreensivos a investigação e elucidação dos fatos e insistimos que a verdade seja apurada com justiça e total transparência”, afirmam no texto.

De acordo com o bispo emérito Dom Erwin Krautler, da Prelazia do Xingu, o caso é acompanhado por advogados. A Comissão Pastoral da Terra, em nota, afirmou que “foi surpreendida com a notícia da prisão do Padre José Amaro”. Ademais, segundo a CPT, desde 2001 o Centro de Documentação Dom Tomás Balduino, da Pastoral, registra ameaças de morte contra o sacerdote.

Também por meio de nota, a Rede Eclesial Pan-amazônica (Repam) repudiou o ato e apoiou a luta do eclesiástico. “Há muitos anos, o padre defende a regularização fundiária e o justo assentamento de centenas famílias de camponeses pobres da região vinculados ao Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS). Em sua missão, tem se colocado à serviço da causa dos trabalhadores e trabalhadoras do campo sendo um suporte para a sua organização, seu protagonismo e sua incansável luta em defesa da Amazônia”, destacou a Repam.

Conheça a íntegra da carta dos Bispos do Xingu:

O Servo não é maior do que o seu Senhor

“O servo não é maior do que o seu senhor.
Se a mim perseguiram, também vos perseguirão.”

Jo 15,20

A Semana Santa começou com grande sofrimento para a Prelazia do Xingu. Fomos surpreendidos na manhã do dia 27 de março com a notícia da prisão de nosso Padre José Amaro Lopes de Sousa, pároco da paróquia de Santa Luzia de Anapu.

Manifestamos nossa fraterna solidariedade a esse incansável defensor dos direitos humanos, defensor da regularização fundiária, da reforma agrária e dos assentamentos de sem-terra. Há anos alvo de ameaças, Padre Amaro agora é vítima de difamação para deslegitimar todo o seu empenho em favor dos menos favorecidos.

Repudiamos as acusações de ele promover invasões de terras que são reconhecidas pela Justiça como terras públicas, destinadas à reforma agrária, mas se concentram ainda nas mãos de pessoas economicamente poderosas.

Padre Amaro atua desde 1998 na Paróquia Santa Luzia. É líder comunitário e coordenador da Pastoral da Terra (CPT). O assassinato da Irmã Dorothy em 12 de fevereiro de 2005 no Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) “Esperança”, não mais o deixou quieto e o fez continuar a missão daquela Irmã mártir.

Acompanhamos apreensivos a investigação e elucidação dos fatos e insistimos que a verdade seja apurada com justiça e total transparência.

A Semana Santa nos recorda a Paixão e Morte do Senhor na cruz, muito mais ainda a Ressurreição de Jesus. Na Páscoa celebramos a vitória da Vida sobre a morte, mas também da Verdade sobre todas as mentiras.

Altamira (PA), 28 de março de 2018

Dom João Muniz Alves, bispo do Xingu
Dom Erwin Kräutler, bispo emérito do Xingu

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.