Notícias Diocesanas › 19/09/2017

Assessoria Jurídica

São José do Rio Preto, 18 de Setembro de 2017

 

A assessoria jurídica da Diocese de São José do Rio Preto, vem pela presente manifestar-se sobre a apresentação junto ao SESC/Rio Preto, da peça teatral “O EVANGELHO SEGUNDO JESUS, RAINHA DO CÉU”, que provocou grande constrangimento a Igreja e a Comunidade Católica, para solicitar-lhes a vedação de futuras apresentações nesta entidade, de eventos que possuam similitude com o apresentado.

É de se destacar os argumentos contidos na Sentença  Judicial proferida pela 1ª Vara Cível de Jundiaí, SP., nos autos do processo nº 1016422-86.2017.8.26.0309, da lavra do MM. Juiz de Direito Dr. Luiz Antonio de Campos Júnior, que suspendeu a apresentação da referida peça teatral naquela cidade,  tendo o MM. Juiz,  assim se pronunciado.

“…Muito embora o Brasil seja um Estado Laico, não é menos verdadeiro o fato de se obstar que figuras religiosas e até mesmo sagradas seja expostas ao ridículo, além de ser uma peça de indiscutível mau gosto e desrespeitosa ao extremo, inclusive.

De fato, não se olvide da crença religiosa em nosso Estado, que tem JESUS CRISTO como o filho de DEUS, e em se permitindo uma peça em que este HOMEM SAGRADO seja encenado como um travesti, a toda evidência, caracteriza-se ofensa a um sem número de pessoas.

Não se trata aqui de imposição a uma crença e nem tampouco a uma religiosidade. Cuida-se na verdade de impedir um ato desrespeitoso e de extremo mau gosto, que certamente maculará o sentimento do cidadão comum, avesso á este estado de coisas.

Vale dizer, não se pode produzir uma peça teatral de um nível tão agressivo, ainda que a entrada seja franqueada ao público.

Não se olvida a liberdade de expressão, em referência no caso específico, a arte, mas o que não pode ser tolerado é o desrespeito a uma crença, a uma religião, enfim a uma figura venerada no mundo inteiro.

Nessa esteira, levando-se em conta que a liberdade de expressão não se confunde com agressão e falta de respeito e, malgrado a inexistência de censura prévia, não se pode admitir a exibição de uma peça com baixíssimo nível intelectual que chega até mesmo a invadir a existência do senso comum, que deve sempre permear por toda a sociedade.

Do exposto, considerando-se que as circunstâncias jurídicas alegadas, corroboram o fato de ser a peça em epígrafe, atentória á dignidade da fé cristã, na qual JESUS CRISTO não é uma imagem e muito menos um objeto de adoração apenas, mas sim O FILHO DE DEUS, ACOLHO as razões explanadas pela parte autora e assim o faço com o fim de proibir a ré de apresentar a peça…..”

Neste passo, lamenta-se que uma instituição séria, reconhecidamente exemplar, possa se envolver em eventos que tragam a repulsa dos cristãos, denegrindo a imagem de JESUS que por certo acarretará por conseqüência a própria imagem desta entidade, sujeitando-a ainda aos rigores da lei.

Repelimos com veemência a injusta agressão a JESUS CRISTO por meio desta mencionada peça teatral, levada na cidade de São José do Rio Preto e cremos que em face da gravidade dos fatos, hajam por bem de não permitir novas exibições no âmbito desta instituição.

 

Assessoria Jurídica da Diocese de São José do Rio Preto

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.