Notícias Diocesanas › 04/06/2018

Dois novos diáconos na diocese

Em breve, nossa diocese terá dois novos diáconos: João Carlos e Mateus

Em entrevista para Diocese Hoje, os seminaristas falam de suas expectativas

 

João Carlos é natural de Mirassol, Paróquia São Pedro Apóstolo. Ingressou no Seminário Propedêutico Nossa Senhora da Paz em 07 de fevereiro de 2011 e em 2012 foi admitido no Seminário Maior Sagrado Coração de Jesus. Já Mateus é natural de São Paulo. Ao mudar-se para São José do Rio Preto, frequentou a Paróquia São João Batista e Santuário das Almas, nela foi crismado e lá continuou a participar da comunidade. Após os oito anos da formação seminarística, tendo recebido os ministérios de leitor e acólito e a admissão às Ordens Sacras, eles se preparam para receber o diaconato.

Dom Tomé ordenará diáconos, dia 9 de junho de 2018, às 19h, os seminaristas João Carlos Santos e Mateus Benvenido Alves Esteves, que concluíram a Teologia neste ano. Ao Diocese Hoje, eles falam sobre as expectativas para o ministério diaconal, a importância dos anos de formação no seminário e o papel do diaconado na Igreja diocesana.

 

 

D.H.: Quais as expectativas para o seu futuro ministério diaconal?

João Carlos: Minha expectativa é muito grande; poder colaborar com a Santa Igreja nesse ministério será uma honra, meu coração se alegra por estar se aproximando mais uma etapa do chamado que Deus fez para mim.

Mateus Benvenido: Eu tenho muitas expectativas em relação ao ministério diaconal. As expectativas que vou sentindo em meu coração são relativas ao amor em relação à Igreja e sua profunda espiritualidade em seu Mestre Jesus. Sinto-me impelido a seguir a Cristo, buscar a cada dia agradá-Lo procurando uma intimidade com Ele. Como a Igreja ensina, se Deus nos concede a graça de sermos ordenados, não podemos nos deslumbrar com as honras de tão grande ministério, mas colocá-lo a serviço de Deus e dos irmãos, sendo ainda mais humildes e caridosos, sempre dispostos a ajudar a comunidade e a todos os necessitados; não nos sentindo melhor, mas com uma grande responsabilidade em amar e servir.

 

D.H.: Qual foi a importância dos anos de formação no seminário?

João Carlos: O processo de formação é essencial; é um período muito rico de aprendizado tanto intelectual quanto espiritual; cresci como pessoa e aprendi a lidar com as dificuldades. Sou muito grato pela formação que recebi.

Mateus Benvenido: Os anos de seminário foram de muita importância; é uma grande família, e como tal há alegrias e tristezas, momentos bons e nem sempre tão bons. Porém, Deus é bom e age de forma grandiosa em nosso meio seminarístico. Os anos de formação para mim não foram “pesados”, mas alegres e, por incrível que pareça, estão passando muito rápido. Os anos de seminário me ajudaram a aprofundar mais nas questões intelectuais, exercitando a reflexão e a ponderação em relação às decisões da vida cotidiana. O seminário forma de maneira importante o senso comunitário e a arte de conviver e conversar com muitas pessoas. Foi no seminário que aprendi a ter paciência de escutar alguém e doar meu tempo para me envolver e caminhar nas alegrias e aflições dos irmãos que estão além do meu seio familiar.

 

D.H. Qual o papel do diaconado hoje a serviço da Igreja diocesana?

João Carlos: Acredito que é ser um colaborador do Bispo e dos Presbitérios no anúncio da Palavra e do Reino de Deus, sempre praticando a caridade, sobretudo com os mais pobres.

Mateus Benvenido: O diaconado tem grande importância para a Igreja, tanto outrora quanto na atualidade, quando o diálogo e o serviço se fazem ainda mais urgentes. O diácono precisa estar em sintonia com as adversidades da Igreja e do mundo, buscando sempre mais formação e maneiras de melhorar as aflições do homem contemporâneo, sempre o conduzindo para o fim último que é Deus. O diácono auxilia o bispo e o sacerdote em seus ministérios, acompanha os sofredores da comunidade levando a Palavra, ministrando alguns sacramentos e consolando os que sofrem, nunca se colocando à frente do sacerdote, mas sempre sendo obediente e respeitando seus superiores de forma solícita e amiga.

 

D.H.: Que dons/serviços você oferecerá à Igreja em seu futuro ministério?

João Carlos: Quero ser um servo do Senhor, anunciar sua Palavra a todos, trabalhar em função dos mais pobres, corresponder com responsabilidade e muito amor na missão a mim confiada, auxiliar os padres nas pastorais e sempre estar em comunhão com o meu bispo.

Mateus Benvenido: Quero colocar os dons concedidos a mim por Deus a serviço da comunidade, não os guardando para mim somente, mas compartilhando com o povo de Deus para que na Igreja possam se desenvolver muitos dons e carismas. Quero oferecer meus serviços à Igreja com boa vontade e honestidade, sendo transparente em minhas ações. Além dos serviços respectivos a um diácono, quero estar atento às necessidades do meu bispo e dos padres a quem eu for servir e também auxiliar nas pastorais e movimentos a mim designados.

 

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.