Igreja no Mundo › 07/07/2020

Fundo Covid-19

Reprodução: Vatican News | 07/07/20 – 7h56

 

Senegalesa em Dakar (AFP or licensors)

A criação do Fundo pelo Papa foi anunciada em 6 de abril, com o objetivo de formar uma rede para ajudar milhões de pessoas vulneráveis. A contribuição inicial de Francisco foi de 750 mil dólares, que pediu ajuda das Igrejas que tem condições e de pessoas de boa-vontade.

 

Cidade do Vaticano

 

O Benin registrou os primeiros casos de Covid 19 em março e, como em outras partes do mundo, a pandemia provocou profundas mudanças nos níveis social, econômico e de saúde, também com consequências psicológicas, criando uma atmosfera de angústia e medo.

O governo tomou as medidas necessárias para conter a pandemia, como o isolamento e o fechamento de locais de culto e escolas e proibindo todas as atividades e reuniões. A Igreja comprometeu-se desde o primeiro momento a estar próxima dos sofrimentos das pessoas e a tentar responder às suas necessidades.

O prolongar-se da situação crítica, no entanto, esgotou os recursos econômicos das dioceses e paróquias, que pediram a ajuda do Fundo de Emergência criado pelo Papa Francisco junto às Pontifícias Obras Missionárias (POM) para apoiar as Igrejas dos países missionários Emergência Covid-19. A ajuda enviada às dioceses permitirá, portanto, que continuem seu trabalho de assistência e evangelização.

A Diocese de Abomey pediu ajuda para as atividades de prevenção e assistência de crianças vulneráveis ​​acompanhadas em centros diocesanos e de crianças e adultos afetados pelos efeitos da Covid nos vários setores pastorais.

A diocese de Dassa Zoumé deve prover o sustento de sacerdotes e agentes pastorais, aos quais pensavam as paróquias. Mas com o fechamento das igrejas, não é mais possível coletar as ofertas entre os fiéis. Além disso, muitas pessoas ficaram sem trabalho e a Caritas assumiu alguns idosos confinados em casa.

Na Diocese de Djougou, a prioridade são as escolas católicas, pois os pais dos alunos não têm mais condições de mais pagar as mensalidades escolares, pois sequer as necessidades mais básicas das famílias conseguem suprir.

A Diocese de Lokossa é uma diocese rural, onde já faltava a infraestrutura básica mesmo antes da pandemia. A situação agora, naturalmente, apenas se agravou. Entre emergências, os professores e funcionários das escolas católicas, que não recebem salário há meses, já que os cofres da diocese estão vazios.

A população de Natitingou recebeu o primeiro anúncio do Evangelho em 1941. Fervorosa na fé, formada por agricultores, criadores e pequenos artesãos, vive em condições precárias. Os sacerdotes e os institutos religiosos que colaboram na evangelização agora estão privados de sustento.

Na Diocese de N’Dali, a Igreja local fornece apoio alimentar, por meio da distribuição de milho, arroz, sorgo e apoio financeiro a orfanatos, idosos, crianças pobres e vulneráveis.

O apoio a seminários e escolas católicas é de grande urgência na Diocese de Parakou, enquanto em Porto Novo se encontram em dificuldades as estruturas paroquiais, assim como os sacerdotes e as comunidades religiosas.

 

Madagascar

Também em Madagascar, na Diocese de Ambanja, a ajuda do Fundo POM visa apoiar o sistema escolar. O ambiente é rural e os jovens abandonam a escola cedo, pois as famílias não dispõem dos meios financeiros necessários; assim, caem nas drogas e na delinquência. Muitas meninas engravidam muito jovens. A diocese respondeu da melhor maneira possível a essa situação, construindo várias escolas ao longo dos anos, de jardins da infância a escolas secundárias, para garantir uma educação para o maior número possível de crianças, mas, com a pandemia, a situação deste ano escolar tornou-se catastrófica: muitas abandonaram a escola e é preciso apoiar os alunos e professores desempregados.

 

Senegal

A Arquidiocese de Dakar, no Senegal, possui uma população essencialmente pobre, de baixo nível social, composta por agricultores, pescadores e trabalhadores. Em quase todas as paróquias, existem estruturas educacionais e de saúde que oferecem um serviço fundamental à comunidade.

As consequências da pandemia somaram-se às adversidades do clima dos anos anteriores, tornando a situação cada vez mais difícil. Portanto, é necessário apoiar as atividades de evangelização, as equipes de sacerdotes e catequistas que continuam sua missão nesse contexto, além dos dois centros de acolhimento para crianças e atividades de reflexão espiritual e social para crianças após o período pós-covarde.

Para aqueles que desejam contribuir, os dados bancários são: IBAN IT84F0200805075000102456047 (SWIFT UNCRITMMM) para Administração Pontifícias Obras Missionárias, indicando: Fundo Coronavírus.

(SL – Agência Fides)

____________________

 

 

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.