Igreja no Mundo › 16/02/2016

Indígenas mexicanos homenageiam o Papa

Quinto e penúltimo dia de Francisco em terras mexicanas. Ontem segunda-feira o Santo Padre, tocando as periferias do mundo e encontrando-se com os últimos foi até o Estado de Chiapas, às cidades de Tuxtla Gutiérrez e San Cristóbal de Las Casas. Na região mais ao sul do México o Papa recebeu uma homenagem de indígenas mexicanos num dia particularmente dedicado a essas populações.

Francisco foi recebido pelo governador de Chiapas, Manuel Velasco Coello, por um grupo de cerca de mil crianças e, simbolicamente, por dois casais de indígenas tzotzil e zoque, que lhe ofereceram uma coroa, um colar de flores e o tradicional ‘bastão de comando’, neste caso um pequeno tronco tripartido e decorado.

O pontífice abençoou ainda oito crianças com Síndrome de Down que estavam tocando a marimba, um instrumento de percussão.

Em seguida em helicóptero foi a San Cristóbal de Las Casas, onde presidiu a Missa diante de cerca 150 mil fiéis, e onde rezou pelas vítimas da “opressão” e do “racismo”.

A Missa contou com a presença de comunidades do sul do México, com cantos em línguas locais – tzotzil, tzeltal e cho’l – seguindo-se o almoço com oito representantes indígenas.

Durante a visita à histórica Diocese de San Cristóbal de Las Casas, Francisco entregou ainda a autorização oficial para o uso de línguas indígenas locais na liturgia católica.

Na fronteira sul do México marcaram presença ontem junto do Papa centenas de indígenas de El Salvador, Honduras e Guatemala.

Já no sábado Francisco tinha dito aos bispos mexicanos, que é necessário levar em consideração a situação dos povos indígenas e as suas “massacradas culturas”. “O México tem necessidade das suas raízes ameríndias, para não ficar um enigma sem solução”, afirmou.

Além de Chiapas, serão ainda usadas línguas indígenas na Missa desta terça-feira, com membros do clero e institutos religiosos em Morelia, com leituras e cânticos em purépecha.

Já na quarta-feira, em Ciudad Juárez, os participantes na celebração eucarística junto à fronteira vão ouvir uma oração em raramuri “pelos mais necessitados: os migrantes, os indígenas, os que sofrem por causa da miséria, da violência e das guerras”.

Como dissemos, nesta terça-feira Francisco deixa novamente a Cidade do México, desta vez com destino a Morelia, que representa a porta do “narco poder” que destrói, capital do Estado de Michoacán que “há anos sofre as injustiças do crime organizado, onde abundam os grupos criminosos que se disputam essa ampla área do país como um botim, principalmente da região de Valle de Apatzingán.

O Bispo emérito de Apatzingán, Dom Miguel Patiño Velázquez afirmou que o Papa Francisco com frequência convida os delinquentes a mudar de vida, à conversão aquelas pessoas que se encontram distantes da graça de Deus devido a sua conduta de vida. Basta pensar naqueles homens e naquelas mulheres que pertencem a algum grupo criminoso, qualquer que seja.

Dom Miguel diz sempre que para o bem deles “pede para que mudem de vida”. “Não caiam na terrível armadilha de pensar que a vida depende do dinheiro, perdendo todo o resto, os valores e a dignidade. É somente uma ilusão. Não levamos o dinheiro quando morremos. O dinheiro não nos dá a verdadeira felicidade”.

“A violência usada para reunir fortunas que escorrem sangue não transforma a pessoas em poderosa nem imortal. Para todos, mais cedo ou mais tarde chega o juízo final de Deus ao qual ninguém pode escapar”, afirmou ainda Dom Miguel.

Nesta terça-feira a Santa Missa com sacerdotes, religiosos, religiosas, consagrados e seminaristas no Estádio “Venustiano Carranza de Morelia. À tarde a visita à Catedral, onde estarão presentes 14 Reitores de Universidades mexicanas e 6 líderes de outras confissões cristãs. Presentes ainda uma centena de crianças que se preparam para a primeira comunhão. Diante da Catedral o prefeito de Morelia irá entregar ao Papa as Chaves da Cidade.

O último compromisso do dia para o Papa Francisco será o encontro com os jovens no Estádio “José Maria Morelos y Pavón”, onde cerca de 50 mil jovens o aguardarão para essa tão esperada festa. O Papa retorna a Cidade do México no início da noite.

Com esperança a Igreja de Morelia aguarda o Papa, especialmente os indígenas purépecha que prepararam as decorações com trabalhos típicos que se utilizarão na Santa Missa.

Dos estúdios da Rádio Vaticano, Cidade do México, Silvonei José.

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.