Estudo da USP mostra que humoristas fortaleceram ‘branqueamento’ da sociedade brasileira com piadas racistas

Sociedade

Uma pesquisadora do Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP) identificou que o humor praticado pela elite intelectual no período pós-escravidão contribuiu fortemente para a manutenção do racismo e, até mesmo, para o “branqueamento” da sociedade brasileira.

No estudo “Quaquaraquaquá quem riu? Os negros que não foram…”, a profa. dra. Maria Margarete dos Santos Benedicto afirma que as primeiras décadas após a proclamação da República, em 1889, foram marcadas pela busca por uma identidade nacional, pela intensificação da atividade urbana e, sobretudo, pela instabilidade social, com a maior parte da população na pobreza e formada por escravos recém-libertos.

De acordo com Maria Margarete, àquela altura, a elite política e intelectual realmente se debruçava sobre o “problema negro”, e parte dela apostava efetivamente no “branqueamento” da sociedade por meio da miscigenação e de leis, que incentivavam a imigração de colonos europeus, de modo que “a ‘raça negra’ poderia ser reduzida em três gerações”. A professora lembra que o período foi descrito pelo estudioso Abdias do Nascimento como a “materialização do racismo institucional”.

Por meio de uma ampla pesquisa e do acesso a documentos históricos raros, a professora identificou que as revistas da época, que apresentavam os primeiros textos e charges satíricas produzidas e destinadas à “classe letrada”, fortaleciam essa ideologia no modo como os negros eram representados.

“O que aprendemos nos livros é uma história eurocêntrica, com questões políticas e sociais da Europa, de modo que eu podia apenas desconfiar que a elite intelectual daquela época era racista, o que ficou comprovado na quantidade de material que encontrei na minha pesquisa, em fontes dispersas. Nessa documentação ficou nítido o empenho pelo branqueamento da nação. Era o racismo ali, literalmente, o racismo”, disse a professora ao G1.

“Há um verso do compositor Emicida que resume a minha tese e que diz: ‘a dor dos judeus choca, a nossa vira piada'”, continuou a profa. dra. Maria Margarete dos Santos Benedicto.

Confira abaixo algumas das charges do período encontradas pela pesquisadora.

Na charge ‘Hulha Nacional’, publicada em 1917, a revista D. Quixote utilizou o nome de um tipo de carvão mineral para se referir ao tom da pele de uma mulher negra — Foto: Biblioteca digital do Senado Federal/Reprodução
Na charge ‘Hulha Nacional’, publicada em 1917, a revista D. Quixote utilizou o nome de um tipo de carvão mineral para se referir ao tom da pele de uma mulher negra — Foto: Biblioteca digital do Senado Federal/Reprodução

A charge acima foi batizada “Hulha Nacional” porque hulha é um tipo de carvão e foi utilizado como referência à cor da pele da mulher negra. Na ilustração, embora elegantemente vestida, a mulher ainda pergunta, “É pá cozinhá?”, ao que o industrial branco lhe responde “é pra tudo, minha nega, pra tudo!”.

“Observemos que o trajar, as joias, a bolsa, o penteado do cabelo – que já não é crespo, mas cacheado devido ao processo de miscigenação – é a representação estética inspirada no modelo europeu, e também não deixa de ser uma representação do processo eugênico, de ‘limpeza’, pelo qual passou”, escreveu Maria Margarete no estudo.

As ilustrações constam na revista D. Quixote, de propriedade de Manoel Bastos Tigre, que também era diretor da publicação. Segundo a pesquisadora, a revista debochava da afetação típica do período chamado “Belle Époque”, ao mesmo tempo em que reforçava os estereótipos por meio de charges, frequentemente representando as pessoas negras de maneira submissa, ingênua e pouco instruídas, além de demarcar os lugares sociais que deveriam ser ocupados por elas.

Charge retirada da edição de agosto de 1017 da revista D. Quixote. Publicação produzida e dirigida à ‘classe letrada’ brasileira reforçava e propagava o racismo — Foto: Biblioteca digital do Senado Federal/Reprodução
Charge retirada da edição de agosto de 1017 da revista D. Quixote. Publicação produzida e dirigida à ‘classe letrada’ brasileira reforçava e propagava o racismo — Foto: Biblioteca digital do Senado Federal/Reprodução

Acima, “Chiquinho”, o jogador de futebol que não poderia ser marcado se o jogo fosse à noite. Abaixo, “Um charuto cheio de charutos”, debocha do homem negro elegante, “tout rempli de soi même” (todo cheio de si).

Charge da revista D. Quixote, na edição de agosto de 1917, debocha de homem negro elegante, ‘todo cheio de si’ — Foto: Biblioteca Digital do Senador Federal/Reprodução
Charge da revista D. Quixote, na edição de agosto de 1917, debocha de homem negro elegante, ‘todo cheio de si’ — Foto: Biblioteca Digital do Senador Federal/Reprodução

Em “Salvo Seja”, abaixo, dois homens brancos dialogam: “Falsa magra? Errado. É uma falsa negra”, revelando um “bom funcionamento da política de branqueamento”, que culminaria na “mulata”.

Edição de janeiro de 1926 da revista D. Quixote traz charge que mostra homens comemorando a ‘mulata’ e a miscigenação — Foto: Biblioteca Nacional Digital/Reprodução

As ilustrações publicadas mostravam ainda que os empregados negros “estariam se aproveitando de generosos empregadores, que lhes ofertavam confiança, enquanto reclamavam, eram pouco afeitos ao trabalho e fofoqueiros”, sempre vestidos com aventais, até quando desempregados.

Edição da revista D. Quixote, de 1903, representa trabalhador negro como alguém ingrato, que reclama e pouco afeito ao trabalho — Foto: Biblioteca Nacional Digital/Reprodução
Edição da revista D. Quixote, de 1903, representa trabalhador negro como alguém ingrato, que reclama e pouco afeito ao trabalho — Foto: Biblioteca Nacional Digital/Reprodução

Sonetos satíricos
Embora muitos intelectuais do período tenham deixado esses rastros de racismo no humor, o estudo da professora Maria Margarete se concentra em três personagens conhecidos do período – além de Manoel Bastos Tigre, proprietário e diretor da revista D. Quixote, apresentada acima, ela também analisou os trabalhos de Antônio Torres e Emílio de Menezes, que escreviam textos satíricos publicados na mídia impressa.

Segundo a pesquisa, Antônio Torres se apresentava como mulato, mas revelava em seus textos que considerava civilizado o europeu. No texto satírico “A Vitória dos Mulatos”, publicado em 1917 na revista D. Quixote, ele “delata”, ironicamente, as “falhas” que seus contemporâneos estariam tentando ocultar.

“Na prefeitura temos o dr. Arnaldo Cavalcanti, honra da raça. No Senado, além do dr. Rivadavia Correia, que é mulato disfarçado, temos o jovem Eloy de Souza, que ainda há pouco declarou que não podia viver com menos de cem mil reis diários. Este é o tipo perfeito de mulato cheiroso (…)”, escreveu ele, que também chegou a descrever, João do Rio, integrante da Academia Brasileira de Letras, como alguém “que se diz fidalgo, apesar da beiçorra etiópica e de seu prognatismo camítico”, escreveu.

“A minha grande surpresa foi descobrir que Antônio Torres era negro, e perceber que ele é o símbolo do que o ‘branqueamento’ e a miscigenação fizeram com parte da população negra. A miscigenação, conforme indicou o cientista social Carlos Moore, ao contrário do que se pensava, não reduziu o racismo; na verdade, o potencializou. O mestiço, nesse contexto, acaba assimilando a cultura do branco dominador”, disse a professora ao G1.
De modo semelhante, Emilio de Menezes, imortal da Academia Brasileira de Letras, escreveu em 1911, na revista A Imprensa, à respeito de um contemporâneo dele, médico e intelectual que fora a Londres para um congresso.

“Corre perigo a vida do Dr. João Batista de Lacerda, que escreveu que a grande maioria dos brasileiros é de mulatos. Uma tão grande calúnia não pode ficar impune. Quando ele chegar, os brancóides desta terra lincham-no e os netos dos negros comem-lhes os fígados. Provarão assim que são loiros e têm olhos azuis”, debochou.

Movida pela pergunta “O humor pode contribuir para a manutenção do racismo na sociedade?”, Maria Margarete conclui que sim, e que embora a abolição tenha libertado os escravos, “o defeito da cor persistia na nascida República, o status quo racial foi mantido, e passou a ser utilizado para garantir as diferenças sociais”, escreveu a pesquisadora.

“Minha tese não é uma censura ao humor: é uma análise do humor. Os humoristas têm direito de fazer humor, e a sociedade tem o direito de não rir e de criticá-lo às vezes. Aquele humor propagou e perpetuou o racismo, porque o riso, de fato, tem uma essência histórica, e uma ressonância na sociedade”, disse a pesquisadora Maria Margarete à reportagem. “Sou filha caçula, e me lembro de quando minhas irmãs implicavam e me faziam chorar. Nesses casos, minha mãe dizia: ‘quando um só ri, não é brincadeira’”, completou.

Fonte: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/11/20/estudo-da-usp-mostra-que-humoristas-fortaleceram-branqueamento-da-sociedade-brasileira-com-piadas-racistas.ghtml

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.