Justiça condena dois policiais a 20 anos de prisão por extorsão

A Justiça condenou dois investigadores da Polícia Civil a mais de 20 anos de prisão e perda do cargo por extorquir a mulher de um traficante. A decisão foi tomada pela juíza Tatiana Pereira Viana Santos, da 2ª vara da Fazenda de Rio Preto, e inclui mais quatro pessoas, incluindo dois detetives.

Segundo o processo, o crime começou em 2015, quando o marido da mulher extorquida foi preso com um caminhão carregado com 1,5 tonelada de maconha em Jundiaí. Logo em seguida, um carregamento de 500 quilos da droga sumiu de seu barracão.

Com isso, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) passou a investigar o caso e chegou até o grupo que atraiu a mulher do traficante, dizendo que a droga havia sido recuperada. Mas quando ela fazia a negociação, caiu num falso flagrante armado pelos investigadores e os dois detetives.

Houve ameaça de prisão em flagrante e até mesmo sequestro, e com isso ela entregou um veículo e mais de R$ 120 mil. No entanto, ela cansou de ser ameaçada e denunciou o caso para os promotores do Gaeco.

Os investigadores Devair de Souza Júnior e Gilberto Donizete Braga foram condenados a 22 anos e 2 meses de prisão em regime fechado e não poderão recorrer da sentença em liberdade. Ambos estão presos na carceragem da Polícia Civil, em São Paulo.

Os detetives particulares Paulo Henrique dos Santos e Rodrigo José Araújo tiveram condenações distintas. O primeiro foi condenado a 27 anos e 10 meses de cadeia, enquanto Araújo pegou 19 anos e 4 meses.

Fonte: DL News

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.