Palavra do Bispo › 22/02/2017

Indulgência do Ano Mariano

A pedido do Eminentíssimo Senhor Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis, Arcebispo Metropolitano emérito de Aparecida, o Santo Padre o Papa Francisco concedeu indulgência plenária aos fiéis durante o Ano Mariano (cf. Penitenciária Apostólica, Prot. nº 1015/16/1).

O que é a indulgência?
“A indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados já perdoados quanto à culpa, (isto é, pelos quais já obteve a absolvição confessando-se) que o fiel devidamente disposto obtém em certas condições determinadas, pela intervenção da Igreja que, como dispensadora da redenção distribui e aplica por sua autoridade o tesouro das satisfações de Cristo e dos santos” (Paulo VI, Constituição Apostólica Indulgentiarum doctrina, 1967).

Condições habituais
As condições habituais para se obter a indulgência são as seguintes: confissão sacramental (que deve ser individual e íntegra); comunhão eucarística e rezar segundo as intenções do Santo Padre (Exemplo: um Pai Nosso, uma Ave Maria e um Glória ao Pai….).

Condições específicas para o Ano Mariano
Neste Ano Mariano, o Papa Francisco concede indulgência plenária, cumprida as condições habituais, “aos fiéis verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade, se em forma de peregrinação visitarem a Basílica de Aparecida ou qualquer outra Igreja paroquial no Brasil, dedicada a Nossa Senhora Aparecida, e aí devotamente participarem das celebrações jubilares ou de promoções espirituais ou ao menos, por um conveniente espaço de tempo, elevarem humildes preces a Deus por Maria, a serem concluídas pela Oração Dominical (Pai Nosso), pelo símbolo da Fé (Creio em Deus…) e pelas invocações da Beata Maria Virgem, em favor da fidelidade do Brasil à vocação cristã, impetrando vocações sacerdotais e religiosas e em favor da defesa da família humana” (Penitenciária Apostólica, Prot. nº 1015/16/1).

Igrejas Indulgenciadas na Diocese
Em nossa Diocese, conforme as disposições da Penitenciária Apostólica, as Igrejas indulgenciadas são as seguintes: Basílica Menor de Nossa Senhora da Conceição Aparecida; Matriz de Nossa Senhora Aparecida, no Jardim Maria Lúcia, São José do Rio Preto; Matriz de Nossa Senhora Aparecida, em Nipoã; Matriz de Nossa Senhora Aparecida, em Neves Paulista; Matriz de Nossa Senhora Aparecida, em Nova Aliança; Catedral de São José, em São José do Rio Preto.

Idosos e enfermos
Os devotos fiéis, impedidos pela velhice ou grave doença, poderão igualmente alcançar a indulgência plenária se, assumida a rejeição de todo pecado, e com a intenção de cumprir onde em primeiro lugar for possível as três costumeiras condições, espiritualmente se dedicarem diante de alguma pequena imagem da Virgem Aparecida, as funções ou peregrinações jubilares, ofertando suas preces e dores ao Deus misericordioso por Maria.

Orientação aos Padres
Conforme as disposições da Penitenciária Apostólica, Prot. nº 1015/16/1, os sacerdotes que exercem o ministério (pároco e vigário paroquial) nas paróquias acima citadas, “com ânimo pronto e generoso se ofereçam para a celebração da Penitência e muitas vezes administrarem a Sagrada Comunhão aos enfermos”.

Que Nossa Senhora Aparecida nos ajude a percorrer o caminho da conversão pessoal, experimentando a riqueza da misericórdia divina.

São José do Rio Preto, 22 de fevereiro de 2017.

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto/SP

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.