MÊS DE MAIO NO TEMPO PASCAL

13/05/2015 Off Por Diocese de São José do Rio Preto

Maio: Tempo Pascal ou mês mariano?

maddonaofthestreetswall

À primeira vista, parece que a pergunta exige a opção por uma das duas celebrações, uma excluindo a outra.

Não é bem assim. Temos que ter presente que o Ano Litúrgico tem um ponto central, que é o Mistério Pascal de Jesus Cristo, que é celebrado durante todo o Ano Litúrgico, mesmo que, em certas ocasiões, se celebre algum aspecto particular deste grande mistério de nossa redenção.

Não podemos, em hipótese alguma, colocar Maria ou um santo no lugar de Cristo, ou, pior, esquecer a celebração do Mistério Pascal como um todo, reduzindo-o apenas à pessoa da mãe de Jesus. Em vez de uma verdadeira Mariologia podemos sem perceber cometer uma mariolatria.

O tempo litúrgico mais próprio para a veneração de Maria é a segunda parte do Advento a partir do dia 17 de dezembro. É o que afirma o papa Paulo VI na encíclica Marialis Cultus, sobre o culto à Virgem Maria: o Advento deve ser considerado como um tempo particular adequado para o culto da Mãe do Senhor (cf. n. 4).

As devoções do mês de maio têm sua origem na Idade Média, na tentativa de “cristianizar certas celebrações pagãs tradicionais no mês de maio, de origem romana e germânica (…)

Maria está presente em todo o Mistério Pascal, não como centro, mas como mãe, discípula, irmã, modelo, intercessora.

No mês de maio, temos três festas marianas importantes e muito queridas pelo nosso povo: dia 13, Nossa Senhora de Fátima; dia 31, a Visitação de Maria a Isabel e no terceiro domingo de maio Nossa Senhora do Líbano para os católicos de Rito Maronita. Neste ano de 2015, todo o mês de maio acontece dentro do Tempo Pascal, tempo especialíssimo para a liturgia, cinqüenta dias de Páscoa, conclusão dia 24 de maio com a festa de Pentecostes. Na conclusão da exortação apostólica Evangelii Nunciandi, o papa Paulo VI afirma:

“Na manhã de Pentecostes, Maria presidiu na prece ao iniciar-se da evangelização, sob a ação do Espírito Santo: que seja ela a estrela da evangelização sempre renovada, que a Igreja, obediente ao mandato do Senhor, deve promover e realizar, sobretudo nestes tempos difíceis, mas cheios de esperança!”

Tenhamos presente, neste mês, a relação entre Maria e seu Filho. Concretamente, no Tempo Pascal recordamos Maria como testemunha privilegiada da ressurreição de seu Filho Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida.
Neste ano como em tantos outros, o mês de maio está dentro do Tempo Pascal. A tradição litúrgica da Igreja nos ajuda a fazer essa ligação entre Páscoa-Maria. Muitas comunidades perguntam: o que podemos fazer? Qual o certo? Pode-se tirar os cânticos da Páscoa e colocar só cânticos de Maria? O objetivo deste artigo é ajudar as nossas comunidades a fazer a ligação entre o Mistério Pascal e Maria Mãe de Jesus e da Igreja.

Muitas comunidades dedicam o mês de maio a Nossa Senhora, Mãe de Jesus, rezando o terço, cantando o Ofício Divino e fazendo coroações. Há diferentes épocas do ano para festejar Maria, dependendo da tradição de cada região. Poderia ser também no Advento, tempo de espera do Salvador, principalmente a partir do dia 17 de dezembro.

Devemos ter um equilíbrio na escolha dos cânticos. Muitos perguntam se os cânticos da Celebração Eucarística e da Celebração da Palavra devem ser todos de Maria. É preciso valorizar os cânticos da Páscoa, porque só entendemos Maria e as devoções ligadas a ela e também a devoção aos santos, a partir do Mistério Pascal de Cristo, isto é, sua Morte e Ressurreição. Portanto, podemos colocar alguns cânticos de Maria. Exemplo: no final da celebração, após a bênção, todos se voltam para a imagem de Maria com um cântico próprio e ofertas de flores. Colocar cânticos de Maria no dia da coroação. Portanto não devemos tirar os cânticos da Páscoa.

Não devemos esquecer que todo o sábado de manhã durante o Ano Litúrgico é dedicado a Maria.

Desde o século II Maria é reconhecida na Igreja como a nova Eva unida a Cristo, o novo Adão (1Coríntios 15,45). O Novo Homem e a Nova Mulher desataram a libertação da humanidade.

Para as comunidades que lembram Maria durante o Tempo Pascal, vão aqui algumas sugestões de textos bíblicos que podem ser usados nas celebrações durante a semana, na reza do Ofício Divino, na reza do Terço ou em outros encontros, etc.:

– Maria e as mulheres discípulas suportaram a Paixão e Morte de Jesus e agora exultam de alegria por sua Ressurreição: Apocalipse 21,1-5a; Mateus 28,1-10.

– Maria é feliz porque dela nasceu o Sol da Justiça: quem segue Jesus possui a luz da vida: Atos 2,14a. 36-42, João 12,44-50 ou João 3,1-6.

– Maria com a comunidade de mulheres e homens, acolhem o Espírito Santo: Atos 1,6-14; Lucas 8,19-21.

– Maria é modelo das discípulas e dos discípulos de Jesus: Atos 1,12-14; 2,1-4; João 19,25-27.

BENÇÃO

Esta bênção poderá ser usada no encerramento das celebrações de Maria no Tempo Pascal:
Deus Pai, que pela Ressurreição de seu Filho alegrou Maria e a primeira comunidade, encha a todos nós de alegria e força.

Todos: AMÉM.

Jesus Cristo, que nasceu de Maria e ressuscitou vitorioso, conserve firme a fé de nosso batismo.

Todos: AMÉM.

O Espírito Santo, esperado por Maria e pela comunidade, faça morada em nossas vidas.

Todos: AMÉM

Abençoe-nos Deus Todo-Poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo.

Todos: AMÉM.
Celebremos nossa Páscoa, na pureza e na verdade, aleluia, aleluia.

Um abraço fraterno a todos

Pe. Benedito Mazeti

Compartilhe: