Missionários da misericórdia

Para a Igreja no Brasil, outubro é o mês missionário. E falar de missão é falar de um estado permanente de ação evangelizadora que deve basear a vida da Igreja. A missão está na essência da Igreja que entendeu bem o pedido do ressuscitado: “Ide e fazei discípulos em todas as nações” (cf. Mt 28,19).

Desde o início de seu pontificado, o Papa Francisco tem destacado a dimensão missionária da Igreja, como aquela que foi instituída por Cristo para ser sinal de salvação. Para viver essa dinâmica, faz-se necessária uma “Igreja em saída” – expressão usada pelo próprio santo padre. Uma Igreja em saída é aquela que vai ao encontro das pessoas, para compartilhar de suas alegrias e também de suas dores e sofrimentos, dando-lhes conforto, consolo e esperança; é uma Igreja que busque defender os mais necessitados, sobretudo os pobres e marginalizados; é uma Igreja que se posicione na sociedade, de modo a defender a vida e a liberdade verdadeira que conduz à vida; uma Igreja que seja, enfim, um “hospital de campanha” – outra expressão usada pelo Papa Francisco – pronta para tratar e curar todos os tipos de males daqueles que procuram remédio para suas feridas.

Sobretudo neste Ano Jubilar da Misericórdia, a Igreja é chamada a ser missionária da misericórdia – e eis aqui o remédio para tantos males que afligem as pessoas e a sociedade em nossas dias. À imagem do Pai Misericordioso (cf. Lc 15,11-32) que se comove com o estado do filho pródigo, acolhe-o com amor, devolve-lhe a dignidade de filho e o conduz para o banquete da vida, uma Igreja misericordiosa é aquela que vai ao encontro dos que precisam, acolhendo-os com ternura, revelando-lhes a dignidade de filhos e filhas de Deus e levando-os à festa da vida.

Todos nós, que somos e formamos a Igreja, somos chamados a fazer essa experiência de misericórdia: do Pai que vem ao nosso encontro, apesar de nossa pequenez, nos acolhe, nos perdoa e nos leva para o caminho da vida, que é o caminho da salvação. Só assim, aprenderemos a ser misericordiosos e nos tornaremos autênticos missionários da misericórdia – misericordiosos como o Pai.

Peçamos ao Pai da Misericórdia que nos faça experimentar sua misericórdia e que, educados por ela, desperte o nosso coração para sermos missionários e missionárias da sua misericórdia. E que Maria, a mãe da misericórdia, nos acompanhe com sua materna intercessão.

Seminarista Paulo Castro – 2º ano de Filosofia

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.