Igreja no Mundo › 02/06/2016

Papa aos sacerdotes e seminaristas

O Papa Francisco conduziu, na manhã desta quinta-feira (02/06), na Basílica Papal de São João de Latrão, a primeira meditação dos Exercícios espirituais aos  sacerdotes e seminaristas que participam, em Roma, do Jubileu dos Sacerdotes que teve início esta quarta-feira (1º/06). A iniciativa se realiza no contexto do Ano Santo da Misericórdia.

O tema da misericórdia foi o ponto central da meditação do Pontífice. “O nome de Deus é Misericórdia. Nada une mais a Deus do que um ato de misericórdia, quer se trate da misericórdia com que o Senhor perdoa os nossos pecados, quer se trate da graça que nos dá para praticarmos as obras de misericórdia em seu nome”, disse Francisco.

Oração

Segundo o Papa, “a misericórdia nos impele a passar do pessoal ao comunitário”. Neste processo, a oração é um elemento importante e Francisco deu aos sacerdotes e seminaristas três sugestões para a oração pessoal nestes Exercícios espirituais.

A primeira tem a ver com dois conselhos práticos dados por Santo Inácio de Loyola, que diz: Não é o muito saber que enche e satisfaz a alma, mas o sentir e saborear as coisas de Deus interiormente». Santo Inácio acrescenta que, onde uma pessoa encontrar o que deseja e sentir gosto, ali se há de deter para rezar «sem ânsia de passar adiante, até que o satisfaça.

A segunda sugestão diz respeito a uma forma nova de usar a palavra misericórdia. “É preciso usar de misericórdia, ‘misericordiar’ em espanhol, para receber misericórdia, para ‘ser misericordiado’. O fato de a misericórdia pôr em contato uma miséria humana com o coração de Deus, faz desencadear imediatamente a ação; não se pode meditar sobre a misericórdia, sem pôr tudo em prática. Por isso, na oração, não nos ajuda intelectualizar. Com a ajuda da graça, o nosso diálogo com o Senhor deve se concretizar sobre o meu pecado que requer que a misericórdia do Senhor pouse sobre mim, o pecado de que sinto mais vergonha e maior desejo de reparar”, sublinhou ainda o Santo Padre.

A última sugestão do Papa tem em vista o fruto dos Exercícios espirituais, isto é, “pedir a Deus a graça de ser sacerdotes mais misericordiados e mais misericordiosos. De se concentrar na misericórdia, porque esta é a realidade essencial, definitiva”.

Liberdade

“A misericórdia nos faz experimentar a nossa liberdade e, nisto, podemos experimentar a liberdade de Deus, que «usa de misericórdia com quem for misericordioso”.

“Através dos degraus da misericórdia podemos descer até o ponto mais baixo da condição humana – incluindo fragilidade e pecado – e subir até o mais alto da perfeição divina: Sede misericordiosos, perfeitos, como o vosso Pai é misericordioso. Mas sempre e só para colher mais misericórdia. Se as nossas estruturas não vivem, mas são usadas para receber melhor a misericórdia de Deus e para ser mais misericordiosas com os outros, podem se transformar em algo muito diferente e contraproducente”, advertiu o Papa.

Pecadores dignificados

Segundo Francisco, “é importante que cada um se situe na tensão fecunda em que nos coloca a misericórdia do Senhor: não só pecadores perdoados, mas pecadores dignificados. Sem a misericórdia ou nos cremos justos como os fariseus ou nos afastamos como aqueles que não se sentem dignos. Nos dois casos, o nosso coração se endurece”.

“Este retiro espiritual se encaminha pela senda daquela simplicidade evangélica que compreende e realiza todas as coisas em chave de misericórdia; de uma misericórdia dinâmica que nos impele a agir no mundo”, concluiu Francisco.

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.