Igreja no Mundo › 24/08/2020

Redes sociais em tempos de pandemia

As redes sociais, novos púlpitos do século XXI

Reprodução: Vatican News | 24/08/20 – 13h24

 

Também desse modo se realiza aquele modelo de “Igreja em saída” desejado pelo Papa Francisco e cuja importância foi recentemente reafirmada pelo presidente da Conferência Episcopal Colombiana, dom Óscar Urbina Ortega, o qual ressalta que “do ponto de vista da fé, a trágica e dolorosa crise sanitária nos introduz num novo tempo de graça, num kairos com múltiplos desafios que devem ser objeto de discernimento e aos quais devemos responder”

 

Vatican News

 

“Pregar através das mídias sociais é como navegar em mar aberto, porque se encontra todo tipo de pessoa.” Com estas palavras o sacerdote da Arquidiocese de Ibagué, na Colômbia, padre Cristian Camilo Cárdenas Aguirre, ressalta – numa nota da Conferência Episcopal Colombiana – que a Igreja local, durante os meses de contágio do coronavírus, também reconheceu a importância de intensificar o acompanhamento espiritual da população através do apoio tecnológico alcançando, via internet, várias circunscrições eclesiásticas do país, as comunidades forçadas ao isolamento após as medidas sanitárias adotadas pelo governo.

Desse modo, as redes sociais tornaram-se cada vez mais fundamentais neste tempo de crise, representando um dos canais de informação mais utilizados pelos sacerdotes.

 

Tomar o largo e lançar as redes

“Na igreja se pode pregar, mas sempre às mesmas pessoas, que conhecem o Evangelho, que são piedosas ou religiosas, ou àqueles que querem começar a percorrer esse caminho ou já estão acostumados a um certo tipo de diálogo conosco. Mas quando se ousa pregar através de redes sociais, se alcança ateus, católicos, protestantes, muçulmanos, etc., qualquer um, seja crente ou não. Isto é interessante porque você percebe que eles também ouvem, como é evidente nos comentários que deixam”, explica padre Cárdenas Aguirre.

Um ponto de referência para o sacerdote sempre foi, não apenas nestes dias de crise, a passagem extraída do Evangelho de Lucas na qual o Senhor convida a ir ao mar e lançar as redes. Um modo de evangelizar que vem sendo realizado há cerca de quatro anos, enriquecido a cada semana por uma reflexão em formato vídeo sobre a Palavra.

“Comecei no Facebook, depois continuei no YouTube e no Instagram”, explica ele. “Durante esta pandemia, as pessoas tiveram mais tempo para estar em redes sociais, com a necessidade de mais acompanhamento, o que fez de modo com que a reflexão se desse todos os dias.”

 

As redes sociais, púlpito do século XXI

Até Tik Tok, visto inicialmente com desconfiança, foi usado pelo sacerdote após ter sido convencido pelos jovens da pastoral da juventude da arquidiocese: no final houve um boom de contatos que agradavelmente o surpreendeu, como ele mesmo disse:

 

“A pandemia nos fez entender que as redes sociais
tinham que ser inundadas pelo Evangelho
porque se a Igreja não o fizer outras pessoas o farão,
mas com outros tipos de conteúdos.”

 

“Em meio à tragédia, ela foi capaz de se atualizar sobre esse aspecto. Já é claro que o púlpito do Séc. XXI é constituído pelas redes sociais, e embora possamos ter um grande público, mas nem sempre muito receptivo, são em todo caso espaços que ganharemos”, conclui.

 

Chamado à conversão, novidade permanente do Evangelho

Também desse modo se realiza aquele modelo de “Igreja em saída” desejado pelo Papa Francisco e cuja importância foi recentemente reafirmada pelo arcebispo de Villavicencio e presidente da Conferência Episcopal Colombiana, dom Óscar Urbina Ortega, o qual ressalta que “do ponto de vista da fé, a trágica e dolorosa crise sanitária nos introduz num novo tempo de graça, num kairos com múltiplos desafios que devem ser objeto de discernimento e aos quais devemos responder, mas que em última instância nos confrontam com a novidade permanente do Evangelho que é o chamado à conversão”.

Daí, o convite do prelado a realizar projetos e objetivos que sejam “claros, estimulantes, e que ponham as comunidades locais em movimento, pois nossa tarefa é tornar possíveis novos inícios de fé, favorecê-los e acompanhá-los num clima de humildade e espírito de serviço”.

Só assim será possível, reitera, “alcançar um novo alvorecer, a superação da pobreza, a reconciliação, a fraternidade e a fé dos povos”, tornando-se verdadeiros “missionários da esperança” para aqueles que vivem na desolação e na vulnerabilidade.

(L’Osservatore Romano)

____________________

 

 

Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.