Estudo bíblico VII: “Livros históricos: o que são?”

Por Seminarista Rafael Vicente – 4º ano Teologia

Diocese de São José do Rio Preto  

“A história é a testemunha do passado,
luz da verdade, vida da memória,
mestra da vida, anunciadora dos
tempos antigos”.
(Cícero)

Livros históricos

Os livros históricos ocupam a maior parte do Antigo Testamento. Neles, encontramos a história do povo de Deus desde a entrada na terra prometida até quase a época de Jesus Cristo. É interessante notar que nesses livros não encontramos apenas uma crônica dos fatos, mas uma interpretação dos acontecimentos a partir da fé. É uma história vista por dentro, mostrando as relações entre Deus e os homens através dos acontecimentos. Assim, podemos dividir esse conjunto de livros em três grupos:

  • Josué, Juízes, I e II Samuel, I e II Reis: esses livros mostram que a história de Israel depende da atitude que o povo toma na aliança com Deus. Se o povo é fiel à aliança, Deus lhe concede a bênção, que se traduz no dom da terra e na prosperidade. Se o povo é infiel, atrai para si mesmo a maldição, que se concretiza como fracasso e perda da terra.
  • I e II Crônicas, Esdras, Neemias, I e II Macabeus: esses livros procuram dar as normas básicas para a sobrevivência e a organização do povo de Deus depois do exílio na Babilônia (Esdras e Neemias). Para fundamentar essas normas, eles repensam a própria história do povo, desde seu início (I e II Crônicas). Os livros dos Macabeus mostram a resistência heroica de um grupo diante da dominação estrangeira que procura destruir a cultura e a religião do povo de Israel.
  • Rute, Tobias, Judite e Ester: mais do que história propriamente dita, esses livros se apresentam como modelos de vivência de fé diante de situações difíceis, seja de vida pessoal (Rute e Tobias) seja de vida nacional (Judite e Ester).

 

“Josué, dom e conquista da terra”

JosueEscrito durante o exílio da Babilônia (586-538 a.C.), o livro de Josué relata fatos situados entre 1230 e 1200 a.C.: a conquista e a partilha de Canaã, a terra prometida, pelas tribos de Israel. À primeira vista, o livro apresenta a tomada global da terra, feita por uma geração. Isso se deve à idealização do autor. Na verdade, a conquista foi um processo longo e lento, ora pacífico, ora violento, que só terminou dois séculos mais tarde com o rei Davi.

Josué não é uma crônica, mas uma interpretação dos fatos para mostrar o significado da entrada em Canaã. O personagem principal é a “Terra Prometida”. Deus realizou a promessa feita aos patriarcas e renovada aos seus descendentes: o povo foi libertado da escravidão do Egito para ser livre e próspero na terra que Deus ia dar (cf. Ex 3,7-8). Portanto, por trás das longas e minuciosas listas de lugares, devemos ver a alegria e a gratidão pelo dom de Deus.

Neste livro, há um pormenor que chama a atenção: as tribos tiveram que conquistar a terra que Deus lhes dera. Deus concede o dom, mas não viola a liberdade e nem prescinde do esforço do homem; pelo contrário: Deus exige que o homem busque com todas as forças e conquiste o dom que ele concede. A Terra (= Vida) é fruto da promessa e do dom de Deus e, ao mesmo tempo, da aspiração e da conquista do homem.

Melhor dizendo: Deus promete por dentro as aspirações do homem e realiza seu dom por dentro das conquistas do homem. A graça de Deus é isso: o fruto do dom de Deus e da conquista do homem. Com isso, o livro de Josué é uma grande lição sobre a graça.

 

Bibliografia base:

 

  • BAZAGLIA, Paulo. Primeiro passos com a bíblia. São Paulo: Paulus, 2001.
  • BALANCIN, Euclides. História do povo de Deus. 7ª ed. São Paulo: Paulus, 2005.
  • STORNIOLO, Ivo; BALANCIN, Euclides. Conheça a bíblia. 9ª ed. São Paulo: Paulus, 1986.
  • LAMADRID, González; SANTIGO, J. Campos; JULIÁN, V. Pastor; PUERTO, M. Navarro; ASURMENDI, J. História, narrativa, apocalíptica. J.M. Sánchez Caro (ed.). São Paulo: Ed. Ave-Maria, 2004. (Introdução ao estudo bíblico 3b)

Deixe o seu comentário. Sua opinião é muito importante!