Artigos, Pe. Bendito Mazeti › 08/06/2017

SOLENIDADE DA SANTÍSSIMA TRINDADE ANO A – 11 de junho de 2017

Leituras

Êxodo34,4b-6.8-9. O Senhor desceu na nuvem e permaneceu com Moisés.
Daniel 3,52-56. Sede bendito, Senhor Deus de nossos pais.
2Coríntioss 13,11-13. Busquem a perfeição, tenham ânimo.
João 3,16-18 – Deus enviou seu Filho ao mundo.

“QUEM ACREDITA NELE NÁO É JULGADO”

trindade_rublev
1- PONTO DE PARTIDA

Domingo da Santíssima Trindade. Com a festa de Pentecostes, encerramos o Tempo Pascal e, no domingo seguinte, celebramos a festa da Santíssima Trindade. É uma festa relativamente recente. Entrou no calendário da liturgia romana em 1334 e, com o Concílio Vaticano II, deixou de ser temática, recebendo uma tonalidade mais bíblica.

A liturgia sempre celebra a Páscoa do Senhor, o Salvador, e por Ele dá graças ao Pai, o Criador, no Espírito de Amor, o Santificador. Portanto, toda celebração é Trinitária e a Páscoa, celebrada o ano inteiro, nos faz mergulhar no mistério inefável da Trindade Santa, fonte, modelo e meta do peregrinar da humanidade. Portanto, depois de celebrarmos as festas pascais, contemplamos o mistério de amor do nosso Deus que se revela como Pai, Filho e Espírito Santo.

Com isso, a festa de hoje faz uma síntese, juntando o sentido da “encarnação e da redenção” realizados na história, onde o Deus Vivo, a Comunhão Trinitária, é protagonista. Não é a festa para desenvolver a doutrina sobre a Santíssima Trindade, mas para renovação da Aliança com o Pai que nos criou e nos libertou, entregando-nos o dom da vida plena em Jesus Cristo, seu Filho amado, o Verbo encarnado que, por sua vez, nos confiou com sua morte e ressurreição o dom do seu Espírito.

A celebração de hoje nos ajuda a compreender e descobrir que Deus não é solidão infinita, mas comunhão de luz e de amor, vida doada e recebida num eterno diálogo entre o Pai e o Filho, no Espírito Santo Amante, Amado e Amor, como dizia Santo Agostinho.

2- REFLEXÃO BÍBLICA, EXEGÉTICA E LITÚRGICA

Contemplando os textos

Primeira leitura – Êxodo 34,4b-6.8-9. Esta passagem faz parte dos capítulos 32 a 34 do Livro do Êxodo, onde se fala de ruptura e de renovação da Aliança. De fato, enquanto Moisés recebia as tábuas Lei no Monte Sinai, o povo adorava o bezerro de ouro. Moisés, ao retornar, constata a infidelidade e quebra as tábuas de pedra, simbolizando a ruptura da Aliança. Era necessário, renovar a Aliança violada e tornar a escrever a Lei em novas pedras. É disso que trata Êxodo 34.

Moisés sobe à montanha com as tábuas de pedra ao encontro do Senhor e este lhe apresenta como antes lhe havia prometido (Êxodo 33,19-23), pronunciando o seu nome: “Javé, Javé, Deus compassivo e rico em misericórdia, lento para a cólera, rico em bondade e fidelidade” (versículo 6). Esta frase corresponde à auto-apresentação de Javé no início do Decálogo: “Eu sou o Senhor teu Deus, que te fez sair do Egito, da casa da servidão” (Êxodo 20,2). Ambas as frases têm saber litúrgico, e mostram como Israel percebeu a presença salvadora de Deus por ocasião do êxodo do Egito e em toda a sua história: como um Deus fiel, paciente e bondoso.

Moisés sobe à montanha em busca de Deus, mas não pode captar a “essência” divina (cf. Êxodo 33,20-23). É Deus que vem ao encontro de Moisés para revelar o seu nome Javé. Deus se apresenta como alguém se pôs ao lado de Israel (sentido possível do nome Javé) e permanece fiel a esta decisão, apesar da infidelidade deu seu povo. Deus é, pois, percebido pelo ser humano enquanto presença que salva, ou libertadora, como diríamos hoje.

Esta passagem manifesta o desejo de Moisés de conhecer mais profundamente algo de Deus do que aquilo que pode perceber Dele na nuvem. Deus consente neste desejo, revelando a Moisés o lugar onde poderá ser encontrado.

Para além do mundo sensível não há meio de se ver Deus. Aquilo que o ser humano pode conhecer de Deus é sua bondade (Êxodo 33,19), bondade para o ser humano ao qual não cessa de “transmitir graças”.

Moisés aborda Deus como termo de religião, como caução de uma moral. Ele é remetido à fé. Procurava Deus na sua pura transcendência. Mas descobre-O voltado para a pessoa humana. Ele pensava num mundo distinto do mundo terreno. É remetido a um Deus que é exatamente o inesperado e o totalmente Outro, na medida em que é “para” o mundo, esperado sofrer por ele em Jesus Cristo. Moisés pensava num Deus moralista. Descobre um Deus de ternura.

Diante deste Deus Moisés se prostra em oração. Ao suplicar-Lhe a misericórdia reafirma as verdades da fé. No último pedido Moisés pede para que Javé torne a tratar Israel como sua propriedade (nahalâ), como povo eleito entre todos os povos.

Diante do mesmo Deus, que assim se manifesta a Israel, também o cristão se curva em adoração (cf. Salmo 94/95, 6-7). Agradecido por tê-lo criado para Si e chamado em Cristo a ser Sua propriedade e Seu filho, o cristão procura ser fiel às exigências amorosas do mesmo Deus.

Salmo Responsorial – Daniel 3,52-56. Este texto é cântico dos três jovens. É um louvor universal a Deus. Estas estrofes da liturgia de hoje pertencem à primeira parte do hino dos três jovens lançados na fornalha acesa, permanecendo ilesos do fogo. Embora com menos rigor, imita a estrutura literária e o artifício litânico dos salmos 136 e 148: um salmista canta uma estrofe e o povo repete um refrão. A primeira parte (versículos 52-56) é uma doxologia, isto é, uma glorificação de Deus. A segunda (versículos 57-90) é um convite a todas as criaturas de Deus para que O exaltem.
O cântico todo é de bendição a Deus. Primeiro bendiz a Deus através das pessoas humanas “Sede bendito, Senhor Deus de nossos pais” (versículo 52). Em seguida bendiz o a Deus no Seu próprio nome, no templo santo, em Seu trono, nos abismos e no celeste firmamento.

Neste Domingo da Santíssima Trindade, com todas as criaturas, bendigamos ao Senhor, Deus de nossos pais no firmamento do céu. Bendigamos ao Senhor, Deus de ternura e misericórdia que nos salvou em Cristo

Segunda leitura – 2Coríntios 13,11-13. Encerrando a segunda Carta aos Coríntios, o Apóstolo Paulo faz as últimas estimulações (exortações) àquela comunidade e apresenta o fundamento do amor e da comunhão dos cristãos.

A leitura merece atenção especial porque 2Coríntios 13,13 é usada como saudação inicial da Missa e porque se reintroduziu nela o ósculo da paz entre todos os fiéis (cf. 13,12a). O fim de 2Coríntios (= 13,11-13) divide-se em quatro partes: uma estimulação (versículo 11a), um voto (versículo 11b), uma saudação de despedida (versículo 12) e uma bênção final (versículo 13). Esta estrutura encontra-se no fim de várias outras cartas de Paulo.

O conteúdo deste conjunto pode-se resumir nas palavras “paz e amor”, que ambas são usadas duas vezes. Na estimulação acumulam-se cinco imperativos. Neles se refletem preocupações de Paulo para com a situação e o destino da comunidade a que ele dirigiu a carta, já não são meras fórmulas. Ora, o conjunto desses imperativos “vivam alegres, procurem ser perfeitos, consolem-se uns aos outros, tenham os mesmos sentimentos, guardem a paz…”. Não são apelos ou ordens morais, cujo cumprimento ou não-cumprimento dependeria unicamente da boa ou má vontade dos cristãos e levaria a uma auto-realização individual e social mais ou menos sucedida. Muito mais que imperativos, as estimulações são recordações – memórias das atitudes e ações salvadoras com que Deus contemplou a comunidade de Corinto e os seus membros.

A carta termina com uma bênção final. Trata-se de uma fórmula litúrgica ternária. Nesta fórmula descreve-se a obra da salvação divina em três momentos. “A graça do Senhor Jesus Cristo” atingiu o mundo na morte de Jesus. Esta missão de Jesus no mundo é a revelação do amor do Pai pelo mundo. A atuação salvadora de Deus que em Cristo atingiu o mundo, se atualiza sempre de novo pela presença afetiva e dinâmica do Espírito Santo no mundo que – autocomunica-se a Si mesmo – comunica aos cristãos e às comunidades cristãs todos os bens da salvação. Felizmente essa fórmula de 2Coríntios 13,13 lembra que se deve ao Pai a iniciativa do amor, ao Filho sua concretização na obra da salvação e da graça, e ao Espírito Santo a possibilidade de se vivê-la na comunhão de todos.

A graça do Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo. O Mistério de Cristo na Igreja só se entende considerando a atuação das Três Pessoas Divinas; o amor de Deus que se manifesta na graça (no dom) de Jesus Cristo e opera na comunhão do Espírito, que anima a Igreja desde a Ressurreição. O resultado é: alegria. Neste final da carta Paulo condensa toda sua teologia. O Mistério da Santíssima não está longe. Estamos envolvidos Nele (cf. Filipenses 3; 4,4 Romanos 16,16; 2Coríntios 6,11; Filipenses 2,1-2; Efésios 4,4-6).

Paulo revela que o Mistério de Jesus na comunidade só é entendido na relação das Três Pessoas da Trindade. Assim, o amor do Pai comunica-se na graça de Cristo e age na comunhão do Espírito Santo. O resultado desta atuação é a paz e a alegria.

Assim, ao desejar aos cristãos de Corinto a graça, o amor e a comunhão, Paulo faz que eles compreendam que, viver destes dons, é necessariamente viver a própria vida de Deus (cf. versículo 11b) e participar de seu mais profundo Mistério.

Em suma, é uma teologia da Igreja que aparece nessa fórmula Trinitária. Com efeito, a Igreja é a família do Pai, pois reúne os filhos de seu amor na herança da vida eterna. É o Corpo de Cristo cujos membros vivem da graça que somente o Mediador Único pode distribuir a cada um. Enfim, a Igreja é a comunhão do Espírito Santo, isto é, o lugar do encontro perfeito entre Deus e a pessoa humana, o lugar em que a pessoa humana desempenha plenamente seu papel de companheiro de Deus e comunga, assim, com todos aqueles que são chamados à mesma vocação.

Evangelho – João 3,16-18. A Boa-Nova de hoje nos insere no contexto do diálogo entre Jesus e Nicodemos. Os versículos 14-15 refletem a inquietação de todo ser humano: “Como alguém pode ver o Reino de Deus”. Jesus revela que vê o Reino de Deus quem nascer do alto, mediante a efusão do Espírito. Todavia, essa efusão do Espírito não é obra das mãos humanas. Ela é uma virtude que vem do alto. Isto é, só Jesus, o Filho do Homem, o único que veio do céu, torna possível, aos que Nele crêem, nascerem do alto. Os versículos 16-18, deste Domingo, revelam que Deus toma a iniciativa da salvação, intervindo na história. A obra da salvação é fruto do amor do Pai, que enviou seu Filho Único ao mundo: “Deus amou de tal forma o mundo, que entregou o Seu Filho Único”. Jesus é o dom do amor de Deus à humanidade que livremente se entregou pela salvação do universo. Por isso, sendo elevado na cruz, revelou o imenso amor do Pai ao mundo.

No versículo 16 encontram-se Deus, seu Filho e o mundo. Afirma-se que a atitude de Deus a respeito do mundo é uma atitude de amor. Como sinal ou revelação deste amor para com o mundo Deus “dá” o seu Filho. O verbo “dar” abrange toda a carreira do Filho no mundo, da Encarnação até a paixão e a morte inclusive (cf. versículo 14, onde “levantar” tem a conotação de “levantar na cruz”; versículo 16, onde “dar” evoca o “entregar à morte”; e o sentido do verbo “enviar” do versículo 17 encontra exegese em 1João 4,10: “Nisto consiste o amor: não somos nós que temos amado a Deus, mas foi ele que nos amou e enviou seu Filho, para que, por meio dele, os nossos pecados fossem perdoados.

É preciso entender que o conceito “mundo”, que se usa para indicar o alvo do divino amor, significa a humanidade. A vontade salvadora de Deus é universal. Deus não envia seu Filho para salvar a alguns e condenar a outros, mas para salvar a todos e, portanto, não para condenar. Que mesmo assim haverá pessoas que se perdem não depende de Deus mas deles mesmos.

O amor do Pai pelo mundo foi revelado na missão do Filho Único ao mundo e tem como objetivo a salvação do mundo e de todos neste mundo por meio da fé Naquele Filho Único. Por mais que o ser humano anseie escapar das garras da vida passageira de se livrar do extermínio e do aniquilamento, por si mesmo não pode fazer nada. Somente Deus pode salvar o ser humano da corrupção e do pecado e dar-lhe a vida eterna. Ora, Deus revelou que quer fazer isso. Revelou esta vontade na missão do Filho. Nele, Deus fez a oferta. Mas não obriga ninguém aceitar.

Jesus não veio ao mundo com uma missão judicial de julgar e condenar. Ele é dom, graça e prova de amor do Pai, o qual deseja que todos se salvem. Ele veio para que “todo o que nele acredita não morra, mas tenha a vida eterna”. O projeto de Deus não tem privilégios, em que uns se salvam e outros se condenam. A proposta da salvação é destinada a todos os que acreditam, isto é, que aderem à Boa-Nova de seu Filho. Salvar-se significa passar da morte à vida, por meio de Jesus Cristo e do Espírito Santo.

A proposta salvadora de Deus exige discernimento e adesão da parte dos seres humanos. “Quem acredita nele não está condenado”. Em seu amor, Deus não faz exceções. O ser humano é também agente ativo de sua salvação. Diante da oferta do amor de Deus, não há espaço para a atitude da indiferença. Melhor dizendo, da parte de Deus, tudo está disposto; cabe, portanto, ao ser humano tomar a decisão: aceitar, aderindo, ou negar. Quem recusa a oferta que o Pai faz por meio de Seu Filho Único exclui-se da salvação. Todavia, Deus nunca age como juiz, e sim como doador da vida. A fé ou a descrença já contém uma antecipação do julgamento definitivo de Deus: salvação ou condenação, respectivamente.

Deus abre seu coração e se revela como Deus da compaixão e da piedade, isto é, um Deus apaixonado pelo ser humano. Da graça e da verdade, lento para a cólera e cheio de “amor” e “fidelidade”, palavras que destacam a natureza benévola e afetuosa do Senhor. Moisés demonstra ter compreendido a revelação de Deus e tenta apelar para que o povo, apesar de sua infidelidade (pecados), seja reconhecido como sua herança particular. Foi o que aconteceu com a Aliança (primeira leitura).

3- DA PALAVRA CELEBRADA AO COTIDIANO DA VIDA

A celebração litúrgica da Santíssima Trindade, depois das celebrações do Tempo Pascal encerradas com a Solenidade de Pentecostes, convida-nos a considerar o Mistério, a história de nossa salvação e, mais uma vez, tomar consciência da dimensão de nossa vida de batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. O Mistério da Santíssima Trindade é o Mistério central da fé e da vida cristã. “O primeiro conteúdo da fé eucarística é o próprio Mistério de Deus, amor trinitário” (Sacramentum Caritatis, 7).

O projeto de nossa vida humana e cristã está profundamente enraizado na experiência de Deus que nos foi passada e que cultivamos. Muitas pessoas assimilaram e vivem a partir de uma experiência equivocada de Deus. Por isso, para muita gente, Deus é um problema ou, ao contrário, um simples “solucionador de casos difíceis”, ou seja, o Deus “supermercado”, ao qual a gente recorre nas horas da necessidade. Há quem imagina Deus como um bom velho de barbas brancas, sentado em seu trono, contemplando o universo, ouvindo e resolvendo os pedidos de todos quantos a Ele se dirigem. O Mistério de Deus que celebramos não é tanto Mistério para ser especulado quanto para ser vivido. “A experiência de um Deus Uno e Trino, que é unidade e comunhão inseparável, permite-nos superar o egoísmo para nos encontrarmos plenamente no serviço para com os outros” (Documento de Aparecida, 240).

O Mistério de um Deus Uno na comunhão das Três Pessoas é essencialmente diálogo, comunicação de amor. Alegra-nos descobrir que nossa vida de batizados não se fundamenta em idéias abstratas, mas na Aliança de pessoas em comunhão. Nosso Deus não é solidão. É um Deus que ama e é amado. Ele é comunhão, unidade e diversidade. Ele é oferta de vida e salvação.

A Santíssima Trindade não é um quebra cabeça. Professar a fé na trindade é dizer “acredito”, sem a pretensão de compreender seu Mistério segundo a lógica humana.

O discípulo de Jesus descobre que Deus é oferta, intercambio, participação, amor inconfundível, relação e movimento em relação ao outro. Deus entrega o que tem de melhor, Seu Filho Unigênito e amado, para a salvação do mundo. “Na Eucaristia, Jesus não dá ‘alguma coisa’, mas dá-se a si mesmo, entrega o seu corpo e derrama o seu sangue. Desse modo dá a totalidade de Sua própria vida, manifestando a fonte originária desse amor: ele é o Filho eterno que o Pai entregou por nós” (Sacramentum Caritatis, 7).

Quanto mais nos empenharmos no aperfeiçoamento pessoal dos irmãos, quanto mais cultivarmos a fraternidade e vivermos na paz, mais próximos estaremos da comunhão que há entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. A comunhão dos batizados e das comunidades cristãs do Povo de Deus se sustenta na comunhão com a Trindade (cf. Documento de Aparecida, 155). Como batizados, somos chamados a viver e a transmitir a comunhão com a Trindade, pois a evangelização é um chamado à participação da comunhão Trinitária (cf. Documento de Aparecida, 157).

“A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo esteja com todos vós” é a saudação proposta por Paulo aos cristãos de Corinto que revela que a Trindade nos confere a plenitude dos dons e dos bens necessários para nossa vida: a graça, o amor e a comunhão.

Alegremo-nos por tão grande amor de Deus Pai, Filho e Espírito Santo. “Cultivai a concórdia, vivei em paz, e o Deus do amor e da paz estará convosco” (2Coríntios 13,11b).

4- A PALAVRA SE FAZ CELEBRAÇÃO

A oração do dia reza que o Pai, enviando ao mundo a Palavra da verdade e o Espírito santificador, revela ao mundo seu mistério encantador, isto é, que não se exprime. Eis uma afirmação paradoxal, porque o Senhor se faz “acontecimento” no interior da história humana, como dádiva solidária, mas ao mesmo tempo este acontecimento se expande e se mostra maior. O maior símbolo deste mistério que nos fora revelado é a Páscoa de Jesus, sua morte e ressurreição que nos dizem que “Deus é mais”, conforme um ditado popular nordestino.

Quando dizemos Páscoa, dizemos “passo, passagem”. Cada celebração desse mistério é a oportunidade de marcar no tempo e no espaço a visita da eternidade. O ressuscitado nos encontra e, mediante a cruz que o conduziu à glória, somos inseridos na vida de Deus.

Ritualmente isto se desdobra já no início da divina liturgia quando nos marcamos com o sinal de Cristo Salvador, a cruz: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo!
O sinal da Cruz em nome da Trindade

Criou-se uma confusão em torno do sinal da cruz, no início da celebração. Muitas comunidades guiadas por seus ministros (ordenados e leigos) iniciam a celebração convidando a assembléia a invocar a Santíssima Trindade. É uma compreensão totalmente errada.

De fato, se estivermos atentos ao que fazemos e dizemos na celebração, constataremos, no caso do sinal da cruz, que não se trata de invocação. Até porque não somos nós que convocamos a Deus, mas é Ele quem nos chama para tomar parte em seu Mistério, constituindo-nos assembléia. Daí vem o próprio nome que nos designa: assembléia dos convocados.

Segundo a Instrução Geral do Missal Romano, os ritos iniciais têm a finalidade de realizar a comunhão entre a comunidade e o Senhor, tornando-a assembléia dos convocados, disposta à escuta da Palavra e a tomar parte na Ceia Pascal (n. 50). É neste contexto ritual que o sinal da cruz deve ser compreendido: “Pelo mistério pascal (cruz e ressurreição) fomos (e somos) tocados pelo amor da Trindade”.

5- LIGANDO A PALAVRA COM A AÇÃO EUCARÍSTICA

Em toda a liturgia participamos mais intimamente da comunhão trinitária. Louvamos, agradecemos e suplicamos ao Pai, por Cristo no Espírito Santo, e somos renovados na certeza de sermos filhos e filhas e não escravos, promotores da vida e não destinados à destruição e à morte.

Iniciamos a celebração em nome da Trindade que nos convoca, acolhe-nos e nos reúne como seu povo santo, consagrado ao seu louvor, corpo de Cristo e templo do Espírito Santo.

Na Profissão de Fé, renovamos nossa adesão, nossa fé em Deus Pai Criador, em Jesus seu Filho, nascido pelo Espírito Santo do seio de Maria, como Redentor, e no Espírito Santo, animador e santificador da comunidade até a plena realização do Reino.

Na Oração Eucarística, entoamos com Cristo nossa ação de graças ao Pai e somos santificados pelo Espírito Santo é um grande exemplo da dimensão trinitária da nossa oração. Com Cristo nos oferecemos ao Pai e na força do seu Espírito suplicamos para sermos perfeitos no amor e assumimos ser fiéis aprendizes e comunicadores da salvação a todos os povos, nações e culturas.

O Prefácio da Santíssima Trindade, que é uma síntese breve e precisa da teologia clássica sobre a Trindade, pode também ajudar a rezar o mistério: “… é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso. Com vosso Filho único e o Espírito Santo sois um só Deus e um só Senhor. Não uma única pessoa, mas três pessoas num só Deus. Tudo o que revelastes e nós cremos a respeito de vossa glória, atribuímos igualmente ao Filho e ao Espírito Santo. E, proclamando que sois o Deus eterno e verdadeiro, adoramos cada uma das pessoas, na mesma natureza e igual majestade…”. Porém, o Prefácio VIII, proposto para os domingos do Tempo Comum, explicita mais a dinâmica salvífica do mistério trinitário: “Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso. Quisestes reunir de novo, pelo sangue do vosso Filho e pela graça do Espírito Santo, os filhos dispersos pelo pecado. Vossa Igreja unificada pela unidade da Trindade é para o mundo o Corpo de Cristo e o Templo do Espírito Santo, para a glória da vossa sabedoria…”

Com a bênção da Trindade somos enviados em missão no mundo, como testemunhas da Páscoa, instrumentos de comunhão.

6. ORIENTAÇÕES GERAIS

1. Preparar bem a celebração. A preparação feita por uma equipe que tenha formação litúrgica adequada pode assegurar uma celebração mais autêntica do mistério pascal do Senhor, assim como a ligação como os acontecimentos da vida, inseridos neste mesmo mistério de Cristo (cf. Doc. da CNBB 43, n. 211). Garantir que o povo de Deus exerça o direito e o dever de participar segundo a diversidade de ministérios, funções e ofícios de cada pessoa (Doc. da CNBB 43, n. 212; Sacrosanctum Concilium, n.14).

2. A cor litúrgica desta solenidade é o branco.

3. O sinal-da-cruz é a primeira ação litúrgica do povo de Deus reunido para celebrar a Eucaristia. A assembléia litúrgica se constitui em nome da Trindade – Pai e Filho e Espírito Santo. Torna-se, pois, significativo hoje solenizar esta ação inicial, através do sinal-da-cruz bem feito e cantado.

4. O persignar-se (sinal da Cruz) é o que temos de mais antigo da expressão da fé cristã no mistério da Santíssima Trindade. É a maneira condensada da profissão da fé e de todo o dinamismo da economia da salvação.

5. A bênção da água e a aspersão renovando o batismo serão ritos muito significativos nesta festa. Somos batizados em nome da Santíssima Trindade.

6. O conjunto dos textos bíblicos merece uma boa preparação por parte dos leitores e salmista para que sejam proclamados de “coração” e todo o rito da Palavra simbolize diálogo de Aliança da Trindade com a assembléia celebrante, sacramento da Páscoa do Senhor, acontecimento de salvação.

7. A homilia (conversa familiar) interpreta as leituras bíblicas a partir da realidade atual, tendo o mistério de Cristo como centro do anúncio e fazendo a ligação com a liturgia eucarística (dimensão mistagógica) e com a vida (compromisso e missão).

8. Dia 15 é a Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Jesus Cristo.

7- MÚSICA RITUAL

Não podemos esquecer jamais que o canto é parte necessária e integrante da liturgia. Não é algo que vem de fora para animar ou enfeitar a liturgia. Por isso devemos cantar a liturgia e não cantar na liturgia. Os cantos e músicas, executados com atitude espiritual e, condizentes com cada domingo, ajudam a comunidade a penetrar no mistério celebrado. Portanto, não basta só saber que os cantos são da Solenidade da Santíssima Trindade, é preciso executá-los com atitude espiritual. A escolha dos cantos deve ser cuidadosa, para que a comunidade tenha o direito de cantar o mistério celebrado.

A equipe de canto faz parte da assembléia. Não deve ser um grupo que se coloca à frente da assembléia, como se estivesse apresentando um show. A ação litúrgica se dirige ao Pai, por Cristo, no Espírito Santo. Portanto, a equipe de canto deve se colocar entre o presbitério e a assembléia e estar voltada para o altar, para a presidência e para a Mesa da Palavra.

A função da equipe de canto não é simplesmente cantar o que gosta, mas cantar o mistério da liturgia deste domingo da Ascensão do Senhor, “cantar a liturgia”, e não “na liturgia”. Os cantos devem estar em sintonia com o ano litúrgico, com a Palavra proclamada e com o sacramento celebrado. Não devemos esquecer que a “equipe de canto” faz parte da equipe de liturgia.

1. Canto de abertura. Bendito sejas o Deus Uno e Trino. “Bendito sejas tu, Senhor…”, CD: Festas Litúrgicas I, melodia da faixa 15. Seu texto explica a comunhão do mistério da Trindade, que é “comunhão perfeita”.

Ensina a Instrução Geral do Missal Romano que o canto de abertura tem por objetivo, além de unir a assembléia, inseri-la no mistério celebrado (IGMR nº 47). Nesse sentido o CD: Festas Litúrgicas I, oferece um excelente repertório.

2. Hino de louvor. “Glória a Deus nas alturas.” Vejam o CD: Tríduo Pascal I e II e também no CD: Festas Litúrgicas I; Partes fixas do Ordinário da Missa do Hinário Litúrgico III da CNBB e também a versão da CNBB musicado por Irmã Míria Reginaldo Veloso, Frei Telles e outros compositores.

O Hino de Louvor, na versão original e mais antiga, é um hino cristológico, isto é, voltado para Cristo, que exprime o significado do amor do Pai agindo no Filho. O louvor, o bendito, a glória e a adoração ao Pai (primeira parte do Hino de Louvor) se desdobram no trabalho do Filho Único: tirar o pecado do mundo, exprimindo e imprimindo na história humana a compaixão do Pai. Lembremo-nos: o Hino de Louvor não se confunde com a “doxologia menor” (Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo). O Hino de Louvor encontra-se no Missal Romano em prosa ou nas publicações da CNBB versificado numa versão que facilita o canto da assembléia.

3. Salmo responsorial Daniel 3. É um louvor universal a Deus. Grandeza de Deus em suas obras. “Ó Senhor, nosso Deus, como é grande Vosso nome por todo o universo!”, CD: Festas Litúrgicas I, faixa 17.

O Salmo responsorial é uma resposta que damos àquilo que ouvimos na primeira leitura. É uma resposta que damos a Deus. Isto mostra que o salmo é compromisso de vida e ele também atualiza e leitura para a comunidade celebrante. Primeira leitura, Palavra proposta e salmo Palavra resposta. Por isso deve ser cantado da Mesa da Palavra (Ambão) por ser Palavra de Deus. Valorizar bem o ministério do salmista.

4. Aclamação ao Evangelho. Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito (Apocalipse 1,8). “Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Divino…”, CD: Festas Litúrgicas I, melodia da faixa 18. O canto de aclamação ao evangelho acompanha os versos que estão no Lecionário Dominical, página ….

5. Apresentação dos dons. Nossa unidade na Trindade deve manifestar-se também na partilha. Devemos ser oferenda com nossas oferendas. O canto de apresentação das oferendas, conforme orientamos em outras ocasiões, não necessita versar sobre pão e vinho. Seu tema é o mistério que se celebra acontecendo na fraternidade da Igreja reunida em oração, na Solenidade da Trindade. “Ó Trindade imensa e una”, CD: Festas Litúrgicas I, melodia faixa 19.

6. Canto de comunhão. O Espírito de Cristo que clama: Aba, Pai! (Gálatas 4,6). “Deus eterno, a vós louvor…”, CD: Festas Litúrgicas I, melodia da faixa 20. Outra ótima opção é o canto “Ó Trindade, vos louvamos, vos louvamos pela vossa comunhão”, Hinário Litúrgico III da CNBB, pag. 295

O Missal Romano oferece a seguinte explicação: “… entoa-se o cântico de comunhão, que deve exprimir, através da unidade das vozes, a união espiritual dos comungantes, manifestar a alegria do coração e dar um sentido mais fraterno à procissão daqueles que vão receber o Corpo de Cristo. O cântico inicia-se no momento da comunhão do sacerdote e prolonga-se o tempo que for oportuno, enquanto os fiéis comungam o Corpo de Cristo” (IGMR, 74). O Missal oferece muita flexibilidade na organização da comunhão, não diz que se deve cansar a assembleia com muitos cantos. Também não tem sentido depois que os fiéis comungarem, continuar executando o canto até a última estrofe cansando a assembleia. É uma regra de bom senso.

8- O ESPAÇO CELEBRATIVO

1. Preparar o espaço celebrativo de forma festiva usando a cor branca ou o dourado.

2. Junto à Mesa da Palavra ou num outro lugar de destaque colocar um “ikebana” ladeado por três velas unidas entre si pelo pavio gerando uma única chama. Tradicionalmente, esta tem sido uma bela imagem da Trindade.

3. Onde for possível, colocar o conhecido ícone da Trindade de Andrey Rublev que é bem conhecido entre nós e que podemos encontrar nas livrarias. Realçar a dimensão Trinitária de toda a celebração.

4. O espaço da celebração deve recordar para nós a Jerusalém celeste. Portanto, o lugar da celebração deve ser preparado para as núpcias do Cordeiro. Deve ser belo, sem ser luxuoso; deve ser simples, sem ser desleixado; deve ser aconchegante para que todos se sintam participantes do banquete. A mesa da Eucaristia é o lugar de convergência de toda a ação litúrgica. Assim o altar não pode ser “escondido” por imensas toalhas, arranjos de flores e outros objetos. O altar é Cristo. É ele o ator principal da liturgia. “As flores, por exemplo, não são mais importantes que o altar, o ambão e outros lugares simbólicos. Nem a toalha é mais importante que o altar. Os excessos desvalorizam os sinais principais. A sobriedade da decoração favorece a concentração no mistério celebrado” (Guia Litúrgico Pastoral, página 110).
9. AÇÃO RITUAL

Celebramos a Solenidade da Santíssima Solenidade. Deus Uno, que é comunidade de Três. No espelho da Liturgia contemplamos a nosso Deus que nos reúne para que, a seu exemplo e por seu convite, sejamos Nele unidos e manifestemos ao mundo seu amor realizado em Jesus Cristo.

Enquanto as pessoas vão chegando canta-se: “Louvarei a Deus, seu nome bendizendo! Louvarei a Deus, à vida nos conduz”. (Orações e cantos de Taizé, n. 71).

Ritos Iniciais

1. Na procissão de entrada, convidar para participar pessoas batizadas e crismadas recentemente na comunidade.

2. Antes do sinal da cruz acender três velas unidas entre si pelo pavio, mencionadas acima, formando uma só chama. Depois de uns instantes de contemplação, o presidente da celebração convida a assembléia a traçar o sinal da Cruz saudando a Trindade em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

3. Fazer com especial atenção o sinal da cruz e a saudação inicial em nome da Trindade, aproveitando uma das várias opções cantadas. Outra alternativa é a saudação “f” (cf. 1Pd 1,1-2) proposta pelo Missal Romano, página 390.

4. Quando cantamos “Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo…” devemos escolher cantos que respeitem a linguagem teológica e litúrgica. A título de exemplo, comparem os seguintes textos:

a) Em algumas celebrações costuma-se cantar: “Em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito Santo, estamos aqui. Para louvar e agradecer, bendizer e adorar, estamos aqui Senhor…”.

b) Em outras celebrações costuma-se ainda cantar: “Em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito Santo. Amém! Todos os meus dias eu vou recomeçar; em nome do Pai, vou recomeçar em nome do Filho…”. Não tem sentido porque é uma linguagem explicativa e não contem a densidade do mistério.

c) Escolher um canto adequado para o sinal-da-cruz inicial. Um canto que reproduza a fórmula ritual “em nome do pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.” E nunca em nome do Pai em nome do Filho em nome do Espírito Santo, porque trata-se de um só Deus. Quando afirmamos em nome do Pai em nome do Filho e em nome do Espírito Santo, podemos cair no erro de dividir a Trindade. Pior ainda quando faz repetição e acrescenta: “para louvar e agradecer, bendizer e adorar…” que é uma linguagem explicativa.

d) Em vez disso, podemos cantar os versos oficiais que são: “Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém!”.

5. Temos muitas músicas para o sinal da cruz e também para a saudação que vem em seguida, (cf. entre outras, Hinário Litúrgico III, página 17 e também no Missal Romano, página 1043). Reginaldo Veloso, Irmã Miria Kolling e Frei Telles também oferecem música para o sinal da cruz e também para a saudação.

6. Sei que as pessoas fazem com a maior boa intenção cantando o sinal da cruz, mas a prática não está correta do ponto de vista teológico eclesiológico e litúrgico. É preciso rever sempre nossas práticas litúrgicas para que possamos celebrar com autenticidade o Mistério Pascal de Cristo. Para isto nossa diocese oferece muitos cursos de formação.

7. Quem deve dar início ao sinal da cruz com as palavras cantando ou não “Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo no início da celebração?

8. Compete ao presidente da celebração (bispo, presbítero, diácono ou leigo/a presidindo a celebração da Palavra) pronunciar as palavras do sinal do cruz e não a equipe de canto como muitas vezes acontece. O presidente da celebração se apóia em sua condição de instrumento, na autoridade recebida contemplando o sacramento da Ordem e o sacerdócio comum dos fiéis. Ele age em nome do seu Senhor para dar início à celebração e fazer tudo o que faz.

9. Seria muito oportuno a saudação inicial de 2Coríntios 13,13, que expressa bem o sentido da Trindade:

A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco.

10. O sentido litúrgico pode ser proposto, através das seguintes palavras, ou outras semelhantes:

Deus, comunidade de amor, convida-nos, neste Domingo, a fazer de nossa própria comunidade uma experiência do amor-comunicação entre as três Pessoas da trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. A partir dessa experiência, somos também enviados, pelo próprio Senhor, a fazer novos discípulos em nome da Comunidade Divina.

11. No ato penitencial, realizar a aspersão da assembléia, recordando que somos batizados em nome da Santíssima Trindade. Outra opção seria fazer esta ação ritual após a homilia como está mais à frente no Rito da Palavra.

12. Hino de louvor “Glória a Deus nas alturas” é antiqüíssimo e venerável, com ele a Igreja, congrega no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus e ao Cordeiro. Não é permitido substituir o texto desse hino por outro (cf. IGMR n. 53). O CD: Festas Litúrgicas I propõe, na faixa 2, uma melodia para esse hino que pode ser cantado de forma bem festivo, solista e assembléia.

13. Na Oração do Dia, suplicamos ao Pai que sejamos perseverantes na verdadeira fé.

Rito da Palavra

1. Em todo o rito, a Palavra se conjuga com o silêncio. Momentos de silêncio após as leituras, o salmo e a homilia, fortalecem a atitude de acolhida da Palavra. O silêncio é o momento em que o Espírito Santo torna fecunda a Palavra no coração da comunidade. Nem tudo cabe em palavras.

2. Dar destaque maior à proclamação do Evangelho, que hoje pode ser cantado e o livro, incensado.

3. A homilia, introduzindo ao mistério celebrado, poderá, após um silêncio orante, ser concluída com um refrão que ligue a mesa da Palavra com a mesa da eucaristia. Por exemplo: “Ó Trindade, vos louvamos (…) que esta mesa favoreça nossa comunicação!” (Hinário Litúrgico III, página 295).

4. Onde for possível após a homilia todos tocar no ícone da Trindade traçando o sinal da cruz.

5. Seria muito oportuno usar na Profissão de fé o Símbolo Niceno-constantinopolitano, que fala mais sobre a Encarnação do Filho de Deus e Sua divindade: “Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito do Pai, nascido do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro; gerado, não criado, consubstancial ao Pai”, isto é, da mesma substancia do Pai. Por ele todas as coisas foram feitas… Após a Profissão de fé realizar a aspersão da assembléia. Nas pequenas comunidades, cada um toca na água e traça o sinal da cruz. O esquema é este:

– Bênção da água
– Profissão de fé
– Aspersão da assembléia

6. Pode-se também fazer a aspersão no lugar do ato penitencial.

Rito da Eucarística

1. Na Oração sobre as Oferendas invocamos o nome de Deus sobre o pão e o vinho, a oferenda de nós mesmos, com os dons que oferecemos.

3. O Prefácio é próprio da Solenidade de hoje que evidencia a atribuição da mesma glória às Três Pessoas Divinas. Outra ótima opção é o Prefácio VIII, proposto para os Domingos do Tempo Comum, explicita mais a dinâmica salvífica do mistério Trinitário, a Igreja unificada pela unidade da Santíssima Trindade. “Vossa Igreja, reunida pela unidade da trindade, é para o mundo o Corpo de Cristo e o Templo do Espírito Santo para a glória da vossa sabedoria” Seguindo essa lógica, cujo embolismo reza: O grifo no texto identifica aqueles elementos em maior consonância com o Mistério celebrado neste Domingo e que pode ser aproveitado na celebração, ao modo de mistagogia. Usando este prefácio, o presidente deve escolher a I, II ou a III Oração Eucarística. A II admite troca de prefácio. As demais não admitem um prefácio diferente. Elas não podem ter os prefácios substituídos com grave prejuízo para a unidade teológica e literária da eucologia.

4. Proclamar com vibração a ação de graças (Oração Eucarística). Na Oração Eucarística, “compete a quem preside, pelo seu tom de voz, pela atitude orante, pelos gestos, pelo semblante e pela autenticidade, elevar ao Pai o louvor e a oferenda pascal de todo o povo sacerdotal, por Cristo, no Espírito”. Cantar com vibração o “Amém” conclusivo da Oração Eucarística. Se for proclamada outra Oração Eucarística, temos o prefácio próprio: atribuição da mesma glória às Três Pessoas Divinas.

Ritos Finais

1. A bênção final, sempre feita em nome da Trindade, poderá ser cantada.

2. As palavras do rito de envio estejam em consonância com o mistério celebrado: Quem crê no Filho tem a vida eterna. Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe.

10- CONSIDERAÇÕES FINAIS

Três realidades distintas: o Pai, fonte inacessível de amor; o Filho, cujo caminho histórico destrói os ídolos; o Espírito Santo que leva a outros pelo caminho do Filho. E, no entanto, uma só realidade: Deus ao encontro das pessoas.

É nossa vida que está em questão ao professarmos a Trindade: ou somos cristãos e seguimos a Jesus (e isto é viver a vida da trindade), ou não somos cristãos.

Celebremos a festa da Santíssima Trindade, na unidade e na santidade.

O objetivo da Igreja é ajudar os padres e as comunidades de nossa diocese e todas aquelas outras comunidades fora de nossa diocese que acessar nosso site celebrar melhor o mistério pascal de Cristo.

Um abraço fraterno a todos

Pe. Benedito Mazeti

Pe. Benedito Mazeti

Pe. Benedito Mazeti

Ver todos os posts
Addthis Facebook Twitter Google+ PDF Online

Deixe o seu comentário

Você deverá estar conectado para publicar um comentário.