A vocação de Maria, modelo da nossa vocação

A vocação de Maria, modelo da nossa vocação

09/02/2017 0 Por Diocese de São José do Rio Preto

IMG_20140819_093756949_HDRA vocação, antes de ser uma escolha pessoal, é um chamado de Deus. “A vocação, antes de se tornar um fato interior na pessoa, antes de revestir a forma de uma escolha e de uma decisão pessoal, reporta-se a uma outra escolha anterior, da parte de Deus, que precedeu a escolha e a decisão humana” (São João Paulo II).

De modo semelhante à “Anunciação”, no qual o Anjo anuncia a Maria que ela seria a Mãe do Salvador (cf. Lc 1, 31), o Senhor nos chama a uma vocação dentro da Igreja, no silêncio, na humildade e na simplicidade. Nossa Senhora ouviu a Deus e, a princípio, ficou perplexa: “Como acontecerá isso se não conheço homem algum?” (Lc 1, 34); mas disse: “Eis aqui a serva do Senhor”. Nela, o amor encontrou repouso, a morte se fez vida e a esperança do homem se tornou a verdade que liberta.

Quando ouvimos falar de vocação, não pensamos apenas na vocação para o sacerdócio ou para a vida religiosa. Sabemos que pelo simples fato da criação, todos nós somos chamados para uma vida que Deus quer abundante e baseada no amor. Mais ainda: pelo batismo, pela nossa união a Cristo, à Igreja, recebemos um novo chamado e uma nova responsabilidade.

Pela nossa união com Cristo temos novas possibilidades de vida e de felicidade, novas capacidades para levar vida e felicidade aos outros. Somos chamados a viver a salvação e a levar a salvação a todos. Estamos convencidos de que, antes de decidir o rumo central de nossas vidas, matrimônio ou celibato, devemos, primeiramente, fazer da vida, um ministério para a Igreja e para o Mundo.

Por meio de Maria, o universo inteiro foi recriado. Ela é, indiscutivelmente, a extraordinária oferenda do Pai aos homens e o dom de ser o amor através do qual o Pai entregou o Filho aos homens. Isto porque se orientou fundamentalmente para Deus: quis o que Ele quer; conheceu o que Ele conhece; amou o que Ele ama. “Cada homem tem a vocação de ser alguém, mas ele deve compreender claramente que para responder à sua vocação, não pode ser outra pessoa senão ele mesmo” (Thomas Merton).

Luís Antônio Gomes e Marlene
Equipes de Nossa Senhora

Compartilhe: