14/08/2017 0 Por Diocese de São José do Rio Preto

            O evangelho segundo Lucas apresenta um texto belíssimo no capítulo primeiro versículos 46 à 55 e que comumente é chamado de magnificat. No documento de Puebla, em seu número 297, São João Paulo II afirma que, o magnificat é o espelho da alma de Maria, indicando sua espiritualidade positiva, de quem não aceita passivamente as circunstâncias da vida.

            Lendo os versículos iniciais do cântico de Maria nos versos 46 e 47 podemos olhar para a alegria de Maria por fazer parte do projeto de Deus que a chama. Os versículos seguintes, 48 e 49, indicam a consciência de Maria a respeito de sua dignidade e também de seus limites, pois tem consciência de que o que se realizou nela é fruto da grandeza de Deus e não de sua própria força. As gerações vão reconhecer sua alegria graças ao poder e santidade de Deus.

            Nos versículos 50 a 53 Maria demostra sua crença no poder maravilhoso de Deus que se manifesta na misericórdia a todas as gerações que esperam Nele. Acredita que o Senhor derruba do trono os poderosos e eleva os humildes para que haja maior equilíbrio, abaixando os que se acham de mais e elevando os que se acham menos. Não derruba do trono os poderosos para colocar os humildes, apenas invertendo as posições, mas pretende um mundo mais justo onde não haja quem mande e quem seja mandado. Se trata de uma verdadeira antecipação do que vai propor o próprio Jesus no sermão da montanha.

            Nos versículos finais do texto, os versículos 54 e 55, Maria demonstra sua fé nas promessas de Deus que é misericordioso em favor de seu povo que há muito tempo aguardava sua manifestação poderosa. O cântico de Maria nos faz ver que a oração de Maria não é egoísta, pois pensa nos mais pobres, pensa em seu povo, pensa em sua própria história interligada a outras pessoas. O cântico de Maria nos faz ver como Maria tem consciência de sua pequenez e também de sua grandeza. O cântico de Maria nos faz ver a consciência de Maria a respeito da injustiça que há no mundo e como Deus tem interesse na transformação do mesmo.

Compartilhe: