O mundo na Igreja e a Igreja no mundo

O mundo na Igreja e a Igreja no mundo

17/10/2017 0 Por Diocese de São José do Rio Preto
  1. O Vaticano II ofereceu orientações teológicas e pastorais que visaram precisamente superar as distâncias e as oposições há muito consolidadas entre a Igreja e o mundo. O propósito de aggiornamento, que nasceu da intuição e dos encaminhamentos do Papa João XXIII e orientou os debates e decisões conciliares, possibilitou a elaboração de uma nova compreensão da Igreja, do mundo e da relação entre as duas realidades. O Povo de Deus, condição comum de todos os batizados, constitui a Igreja como sacramento do Reino de Deus no mundo. No mundo e na Igreja, o mesmo Povo vive sua dignidade e exerce sua missão (cf. ChL, n. 15). Assim sendo, o leigo já não constitui um segmento ou mero braço da hierarquia no mundo, como era visto anteriormente, mas um sujeito eclesial que realiza, em sua condição e missão próprias, o tríplice “múnus” de Jesus Cristo sacerdote, rei e pastor (cf. LG, n. 31.34-36). Com efeito, o Concílio quis, de fato, uma Igreja presente no mundo; quis falar aos homens e mulheres concretos de suas angústias e esperanças; dirigiu-se a uma sociedade em rápidas e dramáticas mudanças; comunicou a todos, sem distinção, uma mensagem de fraternidade e de paz. Se a sociedade com a qual dialogou o Concílio já não é mais a mesma, impõem-se como fato e missão as grandezas do Evangelho (como querigma sempre atual a ser vivido-anunciado), do mundo (como realidade criada por Deus que tem o ser humano como seu sujeito) e da Igreja (sinal e instrumento da salvação de Deus no mundo). Promover a interação dessas realidades constitui, certamente, o desafio atual e de sempre, e foi o que o próprio Concílio fez e propôs que a Igreja fizesse em cada contexto e geração.

Doc. 107 – CNBB