SOLENIDADE DOS APÓSTOLOS PEDRO E PAULO MISSA DO DIA ANO A – 02 de julho de 2017

SOLENIDADE DOS APÓSTOLOS PEDRO E PAULO MISSA DO DIA ANO A – 02 de julho de 2017

28/06/2017 0 Por Diocese de São José do Rio Preto

Leituras

Atos dos Apóstolos 12,1-11. Apareceu o anjo do Senhor e uma luz iluminou a cela.
Salmo 33/34,2-3.4-5.6-7.8-9. Comigo engrandecei o Senhor Deus.
2Timóteo 4,6-8.17-18. A ele a glória, pelos séculos dos séculos! Amém.
Mateus 16, 13-19. Eu te darei as chaves do reino dos céus.

“TU ÉS O MESSIAS O FILHO DO DEUS VIVO”

06-29-sao-pedro-e-sao-paulo
1-PONTO DE PARTIDA

Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo. Celebramos neste domingo a Páscoa de Jesus, na vida e no ministério dos apóstolos Pedro e Paulo, agradecendo a Deus pela fé de Pedro e pelo empenho missionário de Paulo, testemunhas fiéis de Jesus Cristo. Rezemos em comunhão com a Igreja de Roma, que testemunhou o martírio deles, e com seu bispo Francisco

Os Apóstolos Pedro e Paulo se notabilizaram no grupo dos apóstolos de Jesus. Apesar da notoriedade que lhes foi dada ao longo da história da Igreja e, ainda hoje, eles são apresentados pelos evangelistas e nos Atos com profundas marcas de fragilidade humana, durante o seu encontro com Jesus.

Celebrando hoje a Páscoa desses dois grandes apóstolos e mártires de Jesus, a Igreja é lembrada que em todas as comunidades cristãs precisam estar presentes, e muito ligados com duas faces, os fundamentos da mesma missão evangelizadora: a vida eclesial com dinâmica de comunhão e participação e sua ação transformadora no mundo.

Hoje também rezamos especialmente pelo papa Francisco, bispo de Roma, cidade onde se deu o martírio de Pedro e Paulo. Sua missão é selar para que a Igreja permaneça unida, fiel a Jesus Cristo e seu projeto, realizando com humildade e coragem uma ação evangelizadora, cada vez mais inculturada, profética e aberta a todos.

2- REFLEXÃO BÍBLICA, EXEGÉTICA E LITÚRGICA

Primeira leitura – Atos dos Apóstolos 12,1-11. No capítulo 12 dos Atos dos Apóstolos, com a libertação maravilhosa de Pedro e a súbita morte do perseguidor Herodes Agripa, Lucas encerra a primeira parte de seu livro, centrada na figura de Pedro e na comunidade de Jerusalém a partir de então concentrará sua atenção na comunidade de Antioquia, cujos protagonistas são Paulo e Barnabé. Desde o início desta primeira parte é Pedro quem toma as iniciativas na Igreja, sob a ação do Espírito Santo. No final da mesma é novamente Pedro que é posto em destaque em Jerusalém. Perseguido e ameaçado de morte, é socorrido milagrosamente pela providência divina.
Examinemos mais de perto o texto da primeira leitura de hoje. Lucas situa o martírio de Tiago e a prisão de Pedro “nos dias dos ázimos”, isto é, na semana da Páscoa (versículo 3). Tal localização do episódio no tempo dos ázimos, isto é, pães sem fermento, poderia ser um simples paralelo com a Paixão do Senhor. A expressão “por aquele tempo” (versículo 1) parece referir-se ao tempo em que Barnabé e Paulo estão em Jerusalém (Atos 11,30). Esta leitura nos mostra que a comunidade em peso está preocupada e é solidária com Pedro quanto à perseguição sofrida por ele e se coloca em oração (versículo 5). Apenas Pedro dorme, bem vigiado. A insistência no sono de Pedro, que teve de ser despertado pelo anjo (versículo 7). Sua libertação é pura obra da intervenção divina. A libertação milagrosa de Pedro, que vai “para outro lugar”, serve para mostrar que a providencia de Deus não abandona a sua Igreja. Pedro prosseguirá em sua missão de pregador, mesmo que Lucas não mais fale dele, até o seu martírio em Roma como nos contam os Atos apócrifos de Pedro e Paulo. Em seu lugar continua Tiago, como chefe da Igreja de Jerusalém. O centro da Igreja desloca-se de Jerusalém para Antioquia (Atos 13ss), de onde Paulo e Barnabé partirão para as viagens missionárias.

Com a morte decretada para o dia seguinte, ele tem a oração da comunidade como apoio. Uma forma de resistência da comunidade perseguida era a oração fervorosa que subia constantemente a Deus e a confiança de que Ele não abandona os que lhe são fiéis.

Com Pedro acontece, segundo Lucas, o mesmo que ocorreu com Jesus. Tudo é ação de Deus. Há, inclusive, coincidência de datas: referência à festa dos pães sem fermento (cf. Lucas 22,1). Assim como o Pai libertou Jesus da morte, o anjo do Senhor liberta Pedro da prisão. O aparato repressivo de Herodes era grande: Pedro dormia amarrado com duas correntes e acompanhado de dois soldados, dezesseis soldados o vigiavam e havia sentinelas em guarda. Deus intervém e rompe as grades, libertando Pedro. Este fato pode ser chamado de Páscoa de Pedro.

Salmo responsorial 33/34,2-9. É um Salmo de ação de graças individual, mas o salmista convida a todos para engrandecer o Senhor, juntamente com ele. É também de estilo sapiencial. Uma pessoa passou por situação difícil, por “temores” (versículo 5) e “apertos”(versículo 7), “consultou o Senhor”’ (versículo 5), “gritou”(versículo 7) e foi atendida. O Senhor “respondeu” e “livrou” (versículo 5), “ouviu” e “salvou” (versículo 7), e agora essa pessoa está no Templo de Jerusalém para agradecer. Há gente em torno dela (versículos 4,6.12-15), ;pois a ação de graças era feita em voz alta, em espaço aberto. A pessoa faz seu agradecimento público, de forma que muita gente toma conhecimento da “graça alcançada” e participe da sua alegria. O Salmo se torna assim, catequese.

O rosto de Deus neste Salmo é muito interessante. O Salmo faz uma longa profissão de fé no Deus da Aliança, aquele que ouve o clamor, toma partido do pobre injustiçado e o liberta. Deixemos que o próprio Salmo mostre o rosto de Deus. Ele responde e livra (versículo 5), ouve e salva (versículo 7) e seu anjo acampa em torno dos que o temem e liberta (versículo 8). É uma imagem forte, que mostra o Deus aliado como guerreiro que luta em defesa de seu parceiro na Aliança.

Este Salmo encontra em Jesus um sentido novo e insuperável. O próprio nome Dele resume tudo o que fez em favor dos pobres que clamam (Jesus significa “Javé salva”). A missão de Jesus é levar é levar a boa notícia aos pobres (Lucas 4,18). Maria de Nazaré ocupa o lugar social dos empobrecidos e, no seu hino, retoma o versículo 11 do Salmo: “Os ricos empobrecem e passam fome” (comparem com Lucas 1,53). Os pobres agradecem a salvação que Jesus lhes trouxe. É, por exemplo, o caso de Maria, que unge os pés de Jesus com perfume (João 12,3), como sinal de agradecimento por ter devolvido a vida ao irmão Lázaro.

Resume, assim, tudo o que Jesus fez em favor dos pobres, perseguidos e injustiçados que clamam. Ele acampou ao redor dos que o temem. Com o salmista, Pedro pode testemunhar: “Provai e vede, quão suave é o Senhor! Feliz o homem que tem nele o seu refúgio.”

Neste salmo, unimos nossa voz à oração de todos os mártires da nossa América Latina e do mundo, que vivem em seu corpo a experiência do Cristo Senhor. Cantemos juntos o louvor de Deus com todas as pessoas que ainda são vítimas de tortura e maus tratos e com todos os grupos que se organizam em busca de justiça e cidadania.

DE TODOS OS TEMORES ME LIVROU O SENHOR DEUS!

Segunda leitura – 2Timóteo 4,6-8.17-18. A segunda carta a Timóteo aparece como um testamento dirigido por Paulo a um de seus discípulos. No texto de hoje, Paulo é apresentado como o tipo do homem de Deus, um verdadeiro santo a ser admirado e imitado. É um homem que está de consciência tranqüila, certo da recompensa próxima (versículos 6-8). Assim ele espera “a coroa da glória”, isto é, a recompensa pela virtude da justiça (cf. Romanos 3,26) do fiel depositário que guardou zelosamente o bem confiado. Tal recompensa virá “naquele dia” (cf. 1,18), ou seja, no dia da manifestação do Senhor, do seu julgamento. Nesta recompensa terão parte todos os que, como ele, “amam a sua vinda” (versículo 8), preparando-se pela vida cristã no seguimento do Cristo encarnado (2Timóteo 1,10), para recebê-lo na Eternidade. Paulo está pronto para enfrentar o martírio, pois sabe que, morrendo, “morre para o Senhor” (cf. Romanos 14,8).

Em seguida o Apóstolo passa a falar da situação pessoal (versículos 9-18), de seu sofrimento por causa dos falsos amigos que o abandonaram (versículos 10.14), do manto e dos pergaminhos deixados em Trôade (versículo 13). Seu conforto é o Senhor que o assiste, dando-lhe forças para anunciar o Evangelho aos pagãos até o fim. Por isso ele foi “salvo da boca do leão” (cf. Salmo 22,22; 1Macabeus 2,60), expressão que poderia estar referindo à sua libertação após a primeira audiência (versículo 16). Agora, porém, novamente preso (2timóteo 1,8; 2,9), Paulo já não espera a libertação física. Auxiliando o pedido do Pai-Nosso, o Apóstolo espera a libertação “de todo o mal” e a salvação definitiva para o Reino celestial (versículo 18). Estes versículos servem para exprimir a grandeza de alma, e o que poderia ser o testamento espiritual, do Apóstolo dos pagãos, que hoje celebramos juntamente com São Pedro.

Paulo está preso em Roma, acorrentado, próximo á morte violenta. Nessa situação, ele escreve a Timóteo, animando-o na missão. Faz uma revisão de vida, olha para o passado e para o futuro, reconhecendo que tudo é graça de Deus. É um “atleta” que cumpriu sua missão com garra e coragem, por isso merece a coroa da justiça. Chegou o momento de dar o grande testemunho. Seu sangue derramado, ele o interpreta como sacrifício de valor expiatório: “Já fui oferecido em libação” (versículo 6). A libação de vinho, água ou óleo era, nos sacrifícios judaicos, derramado sobre a vítima (Êxodo 29,40; Números 28,7).

Mesmo abandonado por alguns companheiros, Paulo louva o Senhor e dá testemunho alegre de uma vida inteira dedicada à evangelização e ao cultivo da fé dos irmãos. A Paixão de Paulo é o prolongamento da Paixão de Jesus. O Apóstolo não tem mais a esperança de viver, embora sua sentença tenha sido retardada por um tempo. Sua esperança se fundamenta não numa salvação momentânea, mas na intervenção definitiva de Deus, que o levará a salvo para o seu Reino. “A ele a glória, pelos séculos dos séculos! Amém!”

Evangelho – Mateus 16,13-19. Esta passagem chamada como a “confissão de Cesaréia”, constitui um dos pontos centrais do Evangelho de Mateus. Pela primeira vez, Jesus interroga os seus discípulos a sobre a sua pessoa (Mateus 16,13-19); pela primeira vez nos versículos que seguem, Jesus anuncia a sua paixão e ressurreição (Mateus 16,21-23); e aos sofrimentos de Cristo são associados os seus seguidores: eles, por sua vez, terão que carregar a sua cruz (Mateus 16,24-28).

A narração do Evangelho está construída sobre uma troca de títulos entre Jesus e Pedro. Pedro confere a Jesus o título de Messias; Jesus responde outorgando ao Apóstolo o título de Pedro e o poder das chaves. Pedro recusa em ver no Cristo o Servo Sofredor; Cristo o acusa de ser uma pedra de tropeço.

Para a pergunta de Jesus: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem”, segue uma surpreendente variedade de respostas. Nessa variedade transparece as diversas doutrinas apocalípticas judaicas em destaque na época. Todos esperavam uma intervenção decisiva de Deus na história, intervenção esta que seria, a um tempo, juízo e salvação. Esta expectativa se voltava para o passado e para o futuro; as figuras do passado seriam a garantia da salvação esperada. Não que seria uma mentalidade de reencarnação, mas o Messias viria com a mesma força de Elias, de Jeremias e dos profetas.

O texto de Mateus contém três categorias de respostas. Alguns se perguntavam, a exemplo de Herodes, se Jesus não seria o Batista ressuscitado (Mateus 14,2); outros o consideravam como Elias, isto é, uma das figuras clássicas da apocalíptica judaica (Mateus 17,3; 17,9-13); outros enfim viam Nele um dos grandes profetas. Mateus menciona aqui Jeremias, o homem das dores. Isto seria devido à mistura de poder e sofrimento já percebido na vida terrestre de Cristo?

Jesus não comenta as opiniões que circulavam entre o povo a seu respeito. Introduz diretamente a pergunta: “E vós que dizeis que eu sou?” A resposta de Pedro: “Tu és o Messias o Filho do Deus vivo” é essencialmente messiânica, isto, constitui uma afirmação da missão histórica de Jesus em relação ao povo eleito. A resposta de Pedro corrige a imagem distorcida que circulava na sociedade judaica a respeito de Jesus. Para Pedro, Jesus é o Emanuel, o salvador, o realizador das expectativas messiânicas. Sua missão é conservar, apesar dos conflitos, a convicção de que o poder da morte não vai vencer o projeto de Deus.

Jesus e seus discípulos estão em Cesaréia de Filipe, cidade construída junto às margens do rio Jordão, região periférica habitada por pagãos. Longe de Jerusalém, o centro do poder político, econômico e ideológico, os discípulos são estimulados a dar uma resposta plena de quem é Jesus.

Circulava uma imagem distorcida de Jesus, exatamente por causa de sua humanidade. Ele se apresenta com a expressão semita “Filho do Homem”, título que o situa no chão da vida de todos os mortais: Ele é carne e osso como qualquer um de nós. Viveu em tudo a condição humana, menos o pecado. Alguns identificavam essa expressão com a palavra de Ezequiel: o homem que sou, o humano (cf. Ezequiel 2,1.3). Vendo Jesus tão humano, as pessoas têm dificuldade de aceitar sua messianidade.

Jesus interpela diretamente os discípulos que haviam visto sua luta para implantar a justiça do Reino: “Para vocês, quem sou eu?” Pedro responde que Ele é o Messias, o Filho do Deus vivo. Jesus é a realização das expectativas messiânicas, o portador da justiça que cria sociedade e história novas.

Ao confessar que Jesus é o Messias, Filho de Deus, Pedro é elogiado e recebe a responsabilidade de confirmar os irmãos na fé: “Feliz és tu, porque recebeste uma revelação especial de Deus Pai!”.

Simão, filho de João, passa a ser Pedro – no grego, pétros, palavra que designa uma pedra ou pedregulho que se pode pegar e lançar; pétra representa uma rocha onde se assenta qualquer edifício. Jesus é o fundamento do edifício da comunidade que vem em seguimento à comunidade sagrada qahalYhwh ou qahal Yisrael (cf. Deuteronômio 23,2; 1Reis 8,22).

Simão terá uma missão especial na nova comunidade por adesão a Cristo, não como pétra, mas como pétros na mão do Senhor, único capaz de lançar a trajetória da comunidade.

3- DA PALAVRA CELEBRADA AO COTIDIANO DA VIDA

No testemunho de Pedro e Paulo acolhemos duas dimensões diferentes e complementares da missão, como seguidores de Jesus. Apesar de divergirem em pontos de vista e na visão do mundo, o amor de Cristo e a força do testemunho os uniram na vida e no martírio. Em ambos quer na vida, quer no martírio, prolongam-se a vida, paixão, morte e ressurreição de Cristo. Conheceram e experimentaram Jesus de formas diferentes, mas é único e idêntico o testemunho que, corajosos, deram Dele.

Por isso são figuras típicas da vida cristã, com suas fraquezas e forças. As contínuas prisões de Pedro fazem-no prolongar a paixão de Jesus. Não só aceita um Messias que dá a vida, mas morre por Ele e com Ele. Convertido, Paulo se torna propagador do Evangelho de Cristo, sofrendo com Ele sofreu, encarando a morte como Jesus a encarou.

A complementaridade dos carismas continua hoje na Igreja. Às vezes há até tensão entre uma “teologia” romana e uma “teologia” latino-americana, mas isso é fecundo. Fundamental é conservar a fidelidade ao projeto de Jesus Cristo, na solidariedade do “bom combate” pelo projeto fundante, rocha da comunidade.

A comunidade nasce do reconhecimento de quem é Jesus. Esse reconhecimento não é fruto de especulação ou de teorias, e sim de vivência do seu projeto que passa pela rejeição, crucifixão, morte e ressurreição.

Quando o testemunho cristão é pleno, o próprio Jesus age na comunidade, permitindo-lhe “ligar e desligar”. O poder de vida que Jesus tem, as chaves do reino, é entregue a nós, seus seguidores. A comunidade não é dona, apenas administra esse poder pelo testemunho e pelo serviço a favor da vida. Organiza-se como continuadora do projeto de Deus, a partir da prática do Mestre, promovendo a vida e rejeitando o que provoca a morte.

Jesus de Nazaré é para nós o mártir supremo, a testemunha fiel… Os mártires da caminhada resistiram ao poder da morte e ao aparato repressor de hoje. “A memória subversiva de tantos mártires será o alimento forte da nossa espiritualidade, da vitalidade de nossas comunidades, da dinâmica do movimento popular” (Ofício dos Mártires da Caminhada Latino-Americana, página 7).

Como vivemos o testemunho de Jesus em meio aos conflitos, tanto da nossa comunidade como da sociedade? Como Pedro e Paulo, sentimo-nos responsáveis pela continuação do projeto de Deus?

4- A PALAVRA SE FAZ CELEBRAÇÃO

Somos continuadores da experiência apostólica

O Mistério Pascal de Jesus na celebração do martírio de Pedro e Paulo pode ser percebido sob três aspectos que se entrelaçam: a) o enraizamento no Amor do Pai, tal qual Jesus experimentou; b) a resistência fundamentada na participação da memória do Senhor (Ceia) e no testemunho de sua Palavra; c) a experiência da vida fraterna (um só coração, uma só alma!).

Esses três aspectos, conteúdo da oração depois da comunhão, não são estranhos para nós. São uma “experiência possível” para nossas comunidades. Nesse sentido, a Solenidade de hoje propõe e realiza em nós o Mistério de Jesus vislumbrado a partir da vida de seguimento de Pedro e Paulo.

Assim, da unidade estabelecida entre a Palavra proclamada – narrativa do testemunho de Pedro e Paulo; as orações e antífonas para esta celebração e nossa participação na Eucaristia, concluímos: somos continuadores e continuadoras da experiência apostólica. Dito de outra maneira: enquanto participamos da Páscoa do Senhor acontecida no testemunho (martírio) de Pedro e Paulo vemos realizada em nós a Paixão de Jesus e sua Ressurreição.

Pedro e Paulo, oferenda de vida

Na liturgia somos convidados a fazer da nossa vida o que fizeram Pedro e Paulo, seguindo o mesmo caminho de Jesus: uma oferenda pelo reino de Deus. Para citar um exemplo, a Oração Eucarística III diz após a invocação do Espírito Santo sobre a assembléia: “Que ele faça de nós uma oferenda perfeita para alcançarmos a vida eterna com os vossos santos: a Virgem Maria, Mãe de Deus, os vossos apóstolos e mártires…” Isso nos faz recordar a segunda leitura em que Paulo dá um testemunho muito próximo do que reza essa oração. Já a quinta Oração Eucarística, a intercessão correspondente diz isso de outra maneira: “Esperamos entrar na vida eterna com a Virgem, Mãe de Deus e da Igreja, os apóstolos e todos os santos, que na vida souberam amar a Cristo e seus irmãos”. Aqui nos recordamos de Pedro, que foi provado no amor ao Cristo e aos irmãos.

5- LIGANDO A PALAVRA COM A AÇÃO EUCARÍSTICA

É muito bom louvar a Deus hoje pelo testemunho dos Apóstolos Pedro e Paulo – “duas oliveiras diante do Senhor, brilhantes candelabros de esplêndido fulgor” (Hino do Ofício das Leituras).

Rezamos no Prefácio: “Hoje, vós nos concedeis a alegria de festejar os Apóstolos São Pedro e São Paulo. Pedro, o primeiro a proclamar a fé, fundou a Igreja primitiva sobre a herança de Israel. Paulo, mestre e doutor das nações, anunciou-lhes o Evangelho da Salvação. Por diferentes meios, os dois congregaram a única família de Cristo e, unidos pela coroa do martírio, recebem hoje, por toda a terra, igual veneração…”. Esses santos plantaram a Igreja, regando-a com seu sangue. Beberam do cálice do Senhor e se tornaram amigos de Deus (cf. Antífona de Entrada).

Pedro e Paulo foram como Cristo, “derramados em sacrifício”. Viveram a entrega da morte e a alegria da libertação e da salvação realizada pelo Senhor. Cristo morreu pelos irmãos. Nesta Eucaristia, como Ele mesmo pediu, fazemos memória do mistério de sua Páscoa. Recordamos também a entrega dos mártires Pedro e Paulo e dos mártires de todos os tempos. Com Cristo entreguemos também a nossa vida e a vida de tantos irmãos e irmãs para “ser derramada em sacrifício agradável a Deus”.

Que a nossa vida seja expressão desta entrega: “Concedei-nos, ó Deus, por esta Eucaristia, viver de tal modo na vossa Igreja que, perseverando na fração do pão e no ensinamento dos apóstolos, e enraizados no vosso amor, sejamos um só coração e uma só alma…” (Oração Pós-Comunhão). Como Pedro e Paulo tenhamos uma vida totalmente disponível a nossos irmãos.

Hoje, especialmente, suplicamos para que o Papa que é o bispo de Roma e todos os pastores sejam pétros nas mãos do Senhor, fiéis ao Evangelho, na condução da Igreja como servidora da vida e sinal e instrumento da comunhão entre os povos.

6. ORIENTAÇÕES GERAIS

1. Atenção aos dois formulários de celebração: um deverá ser usado no sábado (Missa da Vigília) e o outro deverá ser usado no Domingo (Missa do Dia).

2. A equipe de liturgia precisa estar atenta aos dons e carismas presentes na comunidade, cuidar para que haja abertura a novos membros, partilhar bem os serviços.

3. A cor litúrgica desta solenidade é o vermelho, lembrando o sangue derramado pelo martírio.

4. A CNBB oferece um bom repertório para esta celebração nos CD´s Festas Litúrgicas II.

5. Lembrar nas preces dos fiéis o Papa como sinal de unidade e pastor da comunhão universal da Igreja.

6. Lembrar que no dia 3 de julho, a Igreja celebra a festa de São Tomé, apóstolo que evangelizou a índia e fundou a Missa em Rito Malabar nesse mesmo país.

7. Lembrar que dia 09 de julho, a Igreja no Brasil faz memória de Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus. Ela foi beatificada pelo papa João Paulo II, em 1991, quando ele visitou oficialmente o Brasil. Depois o mesmo papa a canonizou em 2002. Assim, Madre Paulina tornou-se a primeira Santa do Brasil. No dia 11 é dia do abade São Bento, patriarca do monaquismo ocidental.

7- MÚSICA RITUAL

O canto é parte necessária e integrante da liturgia. Não é algo que vem de fora para animar ou enfeitar a liturgia. Por isso devemos cantar a liturgia e não cantar na liturgia. Os cantos e músicas, executados com atitude espiritual e, condizentes com a Solenidade de hoje, ajudam a comunidade a penetrar no mistério celebrado. Portanto, não basta só saber que os cantos são da Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo, é preciso executá-los com atitude espiritual. A escolha dos cantos deve ser cuidadosa, para que a comunidade tenha o direito de cantar o mistério celebrado. Jamais os cantos devem ser escolhidos para satisfazer o ego de um grupo ou de um movimento ou de uma pastoral. Não devemos esquecer que toda liturgia é uma celebração da Igreja corpo de Cristo e não de um grupo, de uma pastoral ou de um movimento.

1. Canto de abertura. São Pedro e São Paulo fundadores da Igreja e amigos do Senhor. “Canta, meu povo!”…, CD: Festas Litúrgicas II, na faixa 15.

2. Hino de louvor. “Glória a Deus nas alturas.” Vejam o CD Tríduo Pascal I e II e também no CD Festas Litúrgicas I; Partes fixas do Ordinário da Missa do Hinário Litúrgico III da CNBB e também a versão da CNBB musicado por Irmã Miria Reginaldo Veloso e outros compositores.

O Hino de louvor “Glória a Deus nas alturas” é antiqüíssimo e venerável, com ele a Igreja, congrega no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus e ao Cordeiro. Não é permitido substituir o texto desse hino por outro (cf. IGMR n. 53). O CD: Festas Litúrgicas I propõe, na faixa 2, uma melodia para esse hino que pode ser cantado de forma bem festivo, solista e assembléia. Ver também nos outros CDs que citamos acima.

3. Salmo responsorial 33/34. O Senhor me livrou de todas as minhas angústias. “De todos os temores me livrou o Senhor Deus!” CD: Festas Litúrgicas II, melodia da faixa 17.

Para a Liturgia da Palavra ser mais rica e proveitosa, há séculos um salmo tem sido cantado como prolongamento meditativo e orante da Palavra proclamada. Ele reaviva o diálogo da Aliança entre Deus e seu povo, estreita os laços de amor e fidelidade. A tradicional execução do Salmo responsorial é dialogal: o povo responde com um refrão aos versos do Salmo, cantados um ou uma salmista. Deve ser cantado da mesa da Palavra.

4. Aclamação ao Evangelho. “Tu és Pedro…” (Mateus 16,18). “Tu és Pedro e sobre esta pedra…”, CD: Festas Litúrgicas II, melodia da faixa 18. O canto de aclamação ao evangelho acompanha os versos que estão no Lecionário Dominical, página 1027 ou no Lecionário Santoral III, página 122.

5. Canto após a homilia. Após uns momentos de silêncio entoar um canto que confirme a confissão de Pedro. “Aleluia, tu és Pedro! Aleluia!, CD Festas Litúrgicas II, na faixa 21.

6. Apresentação dos dons. O canto de apresentação das oferendas, conforme orientamos em outras ocasiões, não necessita versar sobre pão e vinho. Seu tema é o mistério que se celebra acontecendo na fraternidade da Igreja reunida em oração, na Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo. Devemos ser oferendas com nossas oferendas Expressemos nossa caridade neste momento da coleta do óbulo de São Pedro. “Quem nos separará?,…”, CD: Festas Litúrgicas II, melodia da faixa 19.

7. Canto de comunhão. “Tu és o Cristo… – Tu és Pedro…”. “Toda a Igreja, unida, celebra a memória pascal do Cordeiro”, CD: Festas Litúrgicas II, faixa 20.

O canto de comunhão deve retomar o sentido do Evangelho do dia. As músicas do CD: Festas Litúrgicas II da Coleção: Cantos do Hinário Litúrgico da CNBB nos ajudam a viver melhor o mistério celebrado. Para comunhão, sugerimos o canto que está no CD, melodia da faixa 20, que une a mesa da Palavra e a mesa da Eucaristia. Esta é a sua função ministerial. Na realidade, aquilo que se proclama no Evangelho nos é dado na Eucaristia, ou seja: é o Evangelho que nos dá o “tom” com o qual o Cristo se dirige a nós em cada celebração eucarística reforçando estes conteúdos bíblico-litúrgicos, garantindo ainda mais a “unidade entre a mesa da Palavra e a mesa da Eucaristia”.

8- ESPAÇO CELEBRATIVO

1. O simbolismo da cruz traz presente o anúncio da paixão e ressurreição do Senhor. A cruz processional, a mesma que será usada na procissão de abertura, esteja na entrada da Igreja, por onde todos passam. É uma forma de trazer presente o mistério que será celerado. Ela pode ficar aí até o início da celebração, ladeada de velas e flores, de forma que chame a atenção de todos os que vão chegando para a celebração.

2. Na entrada da Igreja poderia se colocar uma foto do Papa juntamente com uma estampa ou imagem de São Pedro e São Paulo com alguma frase do Evangelho ou das leituras.

3. Como já afirmamos, a cor litúrgica é o vermelho, lembrando o sangue derramado pelos Apóstolos Pedro e Paulo. É bom fazer um arranjo floral especial, mas simples, que evidencie a cor vermelha e a cor branca para que destaque o caráter festivo da celebração, para simbolizar o martírio como testemunho, porque celebramos a Páscoa de Jesus Cristo na vida dos apóstolos e mártires Pedro e Paulo.

4. Usar a cor vermelha também na mesa da Palavra e no Altar.

5. Diante do Ambão, onde se proclama a Palavra de Deus, ou junto a Cruz processional, pode-se colocar um ícone dos dois Apóstolos, ornamentado com pano vermelho, flores e incenso. Se não foi feito o Rito da Dedicação, colocar também duas velas acesas. No “Google imagens” basta digitar “ícone Pedro e Paulo” para se obter boas opções, caso não se encontre onde adquirir a imagem.

9. AÇÃO RITUAL

Nas igrejas onde foi feito o Rito da Dedicação, antes de iniciar a celebração, ascender as 12 ou 4 velas com o refrão meditativo: “Ó luz do Senhor, que vem sobre a terra…”.

Ritos Iniciais

1. Pode-se trazer logo depois da Cruz processional ou depois do Evangeliário, os ícones de Pedro e Paulo. Disponibilizamos no site www.calbh.com.br, duas imagens que podem servir às comunidades que não dispõem de uma iconografia litúrgica destes dois santos. O melhor é que servissem de modelo, para que algum artista da comunidade “escrevesse” o ícone (isto é, pintasse a imagem sacra. O termo escrever, em linguagem iconográfica, recorda que se trata da Escritura feito imagem. No caso, é a Escritura feito carne em Pedro e Paulo, testemunhas de Cristo). Pode-se também trazer estampas de outros mártires da caminhada.

2. Nesse caso, ambos os ícones podem ser postos junto à cruz caso ela permaneça no espaço, ou diante do Ambão. Aqui, um ensinamento de Cláudio Pastro: “No presbitério nunca se coloca imagens ou pinturas da Mãe de Deus ou de Santos, exceto as que já existem em igrejas anteriores ao Concílio Vaticano II, quando a concepção de espaço era outra”. Quando a Mãe de Deus for o trono de Cristo aí teremos exceção, pois o Cristo ainda permanece no centro. (…) Toda a Igreja será dedicada a Deus e, às vezes, em honra de um determinado santo (…) aí será bom destacar a centralidade do Cristo (que é aquele que tudo santifica) para esse santo. (…) Aqui é bom lembrar e distinguir o que é arte sacra e arte religiosa. Jamais arte de devoção estará no presbitério (Cláudio Pastro. O Deus da Beleza. Educação através da beleza. São Paulo: Paulinas, 2009, p. 103). É com base nestes dados que sugerimos ícones e que estejam junto à cruz de Jesus.

3. A saudação inicial pode ser a fórmula “d” Romanos 15,13:

O Deus da esperança, que nos cumula de toda a alegria e paz em nossa fé, pela ação do Espírito Santo, esteja convosco.

4. Após a saudação, quem preside ou o animador introduz o sentido litúrgico com palavras semelhantes:

Celebramos a memória dos Apóstolos Pedro e Paulo que tiveram suas vidas transformadas pelo encontro com Jesus Cristo. O seu amor pela Igreja e pelo Evangelho nos mostra, hoje, como em meio aos desafios do nosso tempo, seguir os passos de Jesus.
5. Na oração do dia suplicamos a Deus que nos concede seguir a instrução de Pedro e Paulo que nos deram as primícias da fé.

Rito da Palavra

1. Nas igrejas dedicadas é dia de se acender as 12 ou 4 velas da dedicação nas paredes simbolizando os Apóstolos como colunas da Igreja. Nas igrejas onde não foi celebrado o Rito da Dedicação, antes da proclamação das leituras, enquanto se canta um refrão meditativo para criar ambiente de escuta, acendem-se as duas velas diante dos ícones que está à frente da Mesa da Palavra e depõe-se o incenso. Não tem sentido acender as duas velas nas igrejas onde foi feito o Rito da Dedicação. O refrão pode ser:

Ó luz do Senhor, que vem sobre a terra, inunda meu ser, permanece em nós.

2. Nas igrejas onde foi feito o Rito da Dedicação, abrir o rito da Palavra, recordando brevemente a vida de Pedro e Paulo. Antes de proclamar as leituras, duas pessoas, previamente preparadas, uma conta vida de Pedro e a outra a vida de Paulo. Fazer uma ligação entre a Páscoa deles, a Páscoa de Jesus e a nossa Páscoa hoje. Em seguida como refrão meditativo, sugerimos “A voz de Deus se espalha”. A melodia está disponível no site www.calbh.com.br.

3. Após a homilia, seria interessante um tempo de contemplação silenciosa do Mistério Pascal em Pedro e Paulo, mediada pelo canto “Entoemos hinos”, da comunidade de Taizé. A melodia será encontrada no CD: Alegria em Deus (Paulinas). Em seguida queimar incenso diante dos ícones, ou mesmo incensar com o turíbulo enquanto se entoa o hino que recorda a ação de Deus em seus anjos e santos. A assembléia pode retomar a resposta de amor de Pedro: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Repetir várias vezes. Em seguida renovar sua própria profissão de por meio do “Creio”. Podem ser renovadas as promessas do Batismo ou os ministros e ministras renovarem o compromisso assumido. Poderia ser com a renovação das promessas batismais, em forma dialogada, diante do Círio pascal aceso, no estilo da Vigília Pascal.

Rito da Eucaristia

1. O presidente da celebração deve motivar com muita convicção a coleta deste domingo chamado “Óbulo de São Pedro” que é destinada à caridade pessoal do papa. Hoje é realizada, em todo o mundo, uma coleta especial chamada “Óbulo de São Pedro”, cujos resultados que será encaminhada a Roma para manter inúmeras obras de caridade e ajuda às nações mais sofridas do mundo, sobretudo nas calamidades, catástrofes etc.

2. Na incensação das oferendas, não se esquecer de incensar os ícones ou imagens de Pedro e Paulo. A ordem da incensação ficaria assim: o padre incensa as oferendas, o Altar, a cruz e os ícones. O ministro do incenso (turiferário) incensa o padre, outros padres se houver, e o povo. Seria bom ser um pouco mais generoso na incensação do povo… O canto de apresentação dos dons deve prosseguir enquanto durar a incensação.

3. Na oração sobre as oferendas que a oração de Pedro e Paulo nos torne “hóstia com a Hóstia”.
4. No Prefácio contemplamos Pedro, o fundador da Igreja e Paulo o teólogo e missionário. O prefácio próprio exigirá que se escolha entre as orações eucarísticas I, II ou III. No As demais não podem ter os prefácios substituídos sem grave prejuízo para a unidade teológica e literária da eucologia. No prefácio damos graças ao Pai pelo fundador da Igreja e pelo teólogo e missionário.

5. Para as celebrações da Palavra, cantar a louvação em forma de Bendito indicada para a celebração da Palavra, cuja melodia foi gravada no CD “Ação de Graças no Dia do Senhor”, produzida pela Paulinas/Comep, faixa 21 (ver Hinário Litúrgico III p. 71). Prefácio popular em forma de Bendito para as celebrações da Palavra. Ver a letra no roteiro da Missa da Vigília.

6. Ao apresentar o pão e o vinho, isto é, o convite à comunhão, o presidente da celebração mostrando o cálice e a ambula ou patena diz o versículo bíblico do Salmo 33,9 e que se encontra no Missal Romano:

Provai e vede como o Senhor é bom; feliz de quem nele encontra seu refúgio. Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo!

7. A comunhão expressa mais nitidamente o mistério da Eucaristia quando distribuída em duas espécies, como ordenou Jesus na última ceia, “tomai comei, tomai bebei”. Vale todo esforço e tentativa no sentido de se recuperar a comunhão no Corpo e Sangue do Senhor para todos, conforme autoriza e incentiva a Igreja. “A comunhão realiza mais plenamente o seu aspecto de sinal quando sob as duas espécies. Sob essa forma se manifesta mais perfeitamente o sinal do banquete eucarístico e se exprime de modo mais claro a vontade divina de realizar a nova e eterna Aliança no Sangue do Senhor, assim como a relação entre o banquete eucarístico e o banquete escatológico no Reino do Pai” (IGMR, nº 240).

8. O silêncio após a comunhão: concluída a comunhão eucarística, reservar um breve momento de silêncio.

Ritos Finais

1. Na Oração após a comunhão suplicamos a Deus que a Eucaristia nos ajude a ser um só coração e uma só alma, assíduos na fração do pão e na doutrina dos Apóstolos.

2. Há uma bênção final para a Solenidade de São Pedro e São Paulo (Missal Romano, página 527).

10- CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com o Apóstolo Pedro testemunhamos que Jesus ó o Filho de Deus. Com o Apóstolo Paulo somos convocados a anunciar esta verdade ao mundo, sendo discípulos e discípulas missionários do Divino Mestre.

Celebremos a Páscoa do Senhor na vida e no ministério dos apóstolos e mártires Pedro e Paulo.

O objetivo da Igreja é ajudar os padres e as comunidades de nossa diocese e todas aquelas outras comunidades fora de nossa diocese que acessar nosso site celebrar melhor o mistério pascal de Cristo.

Um abraço fraterno a todos

Pe. Benedito Mazeti

Compartilhe: